Porto Velho (RO) quinta-feira, 2 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Delfim Netto diz que juros no Brasil são escandalosos


Elaine Patricia Cruz
Agência Brasil

São Paulo - O ex-ministro e economista Delfim Netto voltou hoje (18) a criticar os juros altos no Brasil, que considera “um escândalo”. Delfim disse que a taxa de juros alta no país é reflexo da falta de competição, mas ressaltou que o governo está se esforça para reduzi-la. Segundo ele, para que a taxa de juros continue caindo será preciso que o governo faça mudanças no rendimento da caderneta de poupança. “A poupança é um empecilho para cair a taxa de juros real abaixo dos 6%”.

Para o ex-ministro, também será preciso uma grande cooperação do sistema bancário para que os juros fiquem mais baixos. “É visível que a taxa de juros de longo prazo no Brasil vai cair. Estamos iniciando esse processo. Os bancos privados vão ter que cooperar nesse processo. A participação dos bancos públicos é simplesmente um dízimo, é para fazê-los [os bancos privados] agir um pouco mais depressa”.

Sobre economia mundial, o ex-ministro comentou que a crise mundial não é mais uma das crises comuns do capitalismo, mas foi produzida pelo que chamou de “patifaria financeira” que, segundo ele, foi permitida pelo Estado que desregulou o sistema financeiro internacional.
 

Mais Sobre Economia - Nacional

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de