Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Decisão do Copom de manter juros em 13,75%, sem viés, foi unânime



Stênio Ribeiro
Agência Brasil

Brasília - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), manteve a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano até a próxima reunião do colegiado de diretores do BC, dias 20 e 21 de janeiro.

O anúncio revela que os membros do Copom discutiram a possibilidade de reduzir a taxa, mas consideraram que o ambiente macroeconômico “continua cercado por grande incerteza”.

A decisão de manter a taxa como está, e sem viés, foi adotada por unanimidade, e a nota do Comitê diz que o BC “irá monitorar atentamente a evolução do cenário prospectivo para a inflação com vistas a definir tempestivamente os próximos passos de sua estratégia de política monetária”.

A decisão já era esperada pela maioria dos agentes financeiros consultados pela pesquisa Focus, do BC, na  última sexta-feira (5). Embora a inflação esteja em baixa, no momento, a média das expectativas dos analistas de mercado é de que possível redução da Selic só virá no início de 2009.

A definição da taxa básica de juros é sempre aguardada com expectativa pelo marcado financeiro, uma vez que ela remunera os títulos públicos depositados no Serviço Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e é usada pelo BC como instrumento de controle da inflação.

Quanto mais alta a Selic, mais caro os bancos cobram pelo crédito, o que desestimula o consumo de bens e serviços. Em conseqüência, diminui a pressão inflacionária. Mas taxa alta também gera desvio de objetivo das instituições financeiras, que preferem comprar títulos do governo, ao invés de emprestar aos consumidores.

O Brasil tem a taxa básica de juros mais alta do mundo, e promoveu sua redução gradativa, de setembro de 2006 até o final do ano passado, quando atingiu seu menor nível: de 11,25%.

Mas, com o recrudescimento da inflação, principalmente por causa dos preços internacionais, o  BC retomou a trajetória de altas da Selic em abril, elevando-a para 11,75%; depois para 12,25% em junho, 13% em julho e 13,75% em setembro.

As justificativas para a manutenção da Selic em 13,75% serão detalhadas na ata da reunião, que será divulgada quinta-feira da semana que vem, dia 18.
 

Gente de OpiniãoSexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)