Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Custo industrial subiu 6,3% em 2012, diz CNI


Da Agência Brasil

Brasília - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou hoje (14) que o setor teve custo 6,3% superior em 2012 em comparação ao ano anterior (2011). As informações são do Indicador de Custos Industriais referente ao quarto trimestre do ano passado. O levantamento considera o custo de produção, de capital de giro e com impostos.

De acordo com os dados da confederação, os preços dos produtos manufaturados subiram 4,9% de um ano para o outro, com redução na margem de lucro das empresas. O principal fator para esse resultado, informou a CNI, foi o custo com produtos intermediários importados e com pessoal, sendo que os gastos com insumos e matérias-primas importados aumentou 15,3% no ano. Por outro lado, destacou a confederação, o custo de capital de giro ficou menor e teve queda de 24,8%.

Na avaliação da CNI, o aumento de 8,3% no custo de produção é o maior desde 2008, quando o índice subiu 8,6%. O destaque foi a elevação nas despesas com pessoal (10,8%) e com produtos intermediários (7,8%), liderado pelos preços dos importados (15,3%). O custo de energia subiu 4,3%.

Mesmo com alta de 5,6% no custo tributário, observada na comparação entre 2011 e 2012, a entidade destaca que no quatro trimestre do ano passado houve queda de 0,8% em relação ao mesmo período de 2011 devido aos impactos das medidas tomadas pelo governo para diminuir a carga tributária da indústria, como a desoneração da folha de pagamentos e a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Outro fator, considerado positivo, foi a queda de 24,8% do custo de capital de giro, patrocinada pela política de redução dos juros do Banco Central e dos bancos públicos.

De qualquer forma, conclui a CNI, o crescimento dos custos industriais está perdendo força. “A alta no quarto trimestre sobre o mesmo período de 2011 foi 6,1%, enquanto no terceiro havia sido 8%. Tal movimento está atrelado à perda de ritmo do crescimento do custo com pessoal e com insumos importados, bem como à queda nos custos tributários e de capital de giro”, indica o estudo, acrescentando que o comportamento recente da taxa de câmbio sugere uma perda de importância no processo de recuperação da competitividade da indústria.

Para os industriais, a manutenção desse processo em 2013 demanda mais ações para a queda do custo Brasil: tanto os custos de produção da indústria, como os gastos sistêmicos da economia brasileira.
 

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)