Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Custo da construção sobe 1,3% em maio, indica FGV


Camila Maciel
Agência Brasil

São Paulo – O Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), ficou em 1,3% em maio, uma alta de 0,47 ponto percentual em comparação com abril (0,83%). No acumulado do ano, o índice apresenta variação de 3,63%. Nos últimos 12 meses, a taxa registrada é 7,16%. O INCC-M foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 de abril e 20 de maio.

O grupo mão de obra foi o que mais pressionou o resultado, com variação de 2,22%, um acréscimo de 1,14 ponto percentual ante abril (1,08%). A mão de obra técnica foi o índice com maior elevação, passando de 1,12%, em abril, para 2,54%, em maio. A mão de obra auxiliar (1,96%) e especializada (2,06%) também teve alta em comparação com abril, quando foram registradas as taxas de 1,03% e 1,09%, respectivamente.

Em São Paulo, esse grupo registrou variação de 3,97%. De acordo com a FGV, a alta está relacionada aos reajustes salariais ocorridos em função da data-base. No Rio de Janeiro, a taxa subiu de 4,26%, em abril, para 4,75%, em maio. Em Porto Alegre, houve decréscimo, de 1,13% para 0,52%.

O grupo materiais, equipamentos e serviços registrou redução, passando de 0,58%, em abril, para 0,35%, em maio. O índice materiais e equipamentos (0,35%) apresentou decréscimo de 0,3 ponto percentual ante abril (0,65%). Os quatro subgrupos componentes desse item apresentaram taxas menores: materiais para estrutura (de 0,68% para 0,4%), materiais para instalação (de 1% para 0,35%), materiais para acabamento (de 0,48% para 0,37%) e equipamentos para transporte de pessoas (de 0,4% para 0,04%).

O índice serviços (0,37%), que compõe o grupo materiais, equipamentos e serviços, registrou leve aumento de 0,05 ponto percentual em comparação com abril (0,32%). O subgrupo serviços pessoais (0,73%) registrou a maior alta ante abril (0,38%). O índice de aluguéis e taxas, por sua vez, passou de 0,01%, em abril, para 0,15%, em maio. Serviços técnicos foi o único com decréscimo nesse índice, passando de 0,69% para 0,35%.

O INCC mede a variação em sete capitais. Houve aumento em Belo Horizonte (de 0,09% para 0,23%), Recife (de 0,19% para 0,29%), no Rio de Janeiro (de 2,42% para 2,66%) e em São Paulo (de 0,3% e 2,17%). As cidades de Salvador (de 3,26% para 0,08%), Brasília (de 0,57% para 0,15%) e Porto Alegre (de 0,81% para 0,38%), por sua vez, registraram decréscimos.
 

Gente de OpiniãoSexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)