Porto Velho (RO) sexta-feira, 26 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Conheça as duas correntes que disputam o comando da economia no novo governo Lula


Agência O GloboRIO - A escolha dos meios para fazer a economia brasileira crescer de forma mais intensa está por trás da disputa de poder lançada após a vitória de Lula no segundo turno. A média de crescimento dos primeiros quatro anos de Lula gira em torno de 2,7%, num período em que a economia global não enfrentou qualquer crise de maiores proporções. O PIB mundial está crescendo na casa de 5%, e a média dos países emergentes, 6%. Ou seja, o Brasil está avançando, mas pouco. Como resolver o problema?Há duas correntes em disputa sobre esta questão: A primeira considera que o governo gasta muito e mal, tem despesas correntes elevadas e crescentes, e acaba tendo poucos recursos para investir em infra-estrutura, por exemplo. Toma empréstimos demais para financiar sua dívida e, para cobrir os gastos, mantém a carga de impostos em níveis recordes. Esta corrente - que tem entre seus defensores o grupo do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, incluindo aí o atual presidente do Banco Central, Henrique Meirelles - prega um consistente corte de gastos correntes e, principalmente, reformas como a da Previdência. Só assim, afirmam, será possível reduzir a dívida pública, baixar os juros de forma mais acentuada sem fazer subir a inflação, aumentar os investimentos privados e estimular o crescimento.A segunda corrente sustenta que o problema está, fundamentamente, nos juros altos e no dólar baixo. Este grupo - integrado pelo atual ministro da Fazenda, Guido Mantega, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro de relações institucionais, Tarso Genro, além de boa parte dos petistas históricos - resiste a novos cortes de gastos. A prioridade seriam os cortes de juros, de forma mais rápida e intensa, mesmo que isso signifique algum aumento da inflação. Esta corrente argumenta que o governo gasta demais com o pagamento de juros, que, se caírem com mais força, liberarão mais dinheiro para investimentos públicos. A queda dos juros também teria efeito sobre a cotação do dólar, pois juros menores tendem a fazer a moeda subir, ajudando os exportadores. Assim, para essa corrente, o BC tem que ser mais ousado na redução dos juros.

Mais Sobre Economia - Nacional

10 direitos dos trabalhadores em caso de demissões depois da reforma trabalhista

10 direitos dos trabalhadores em caso de demissões depois da reforma trabalhista

Apesar da economia já apresentar melhoras, ainda é grande o temor de muitos trabalhadores em relação a possibilidade de serem os próximos demitidos e

Obrigações do MEI - Empréstimo para MEI: Linhas de crédito disponíveis - eSocial começa a receber informações do MEI

Obrigações do MEI - Empréstimo para MEI: Linhas de crédito disponíveis - eSocial começa a receber informações do MEI

*Obrigações do MEI* O Microempreendedor Individual (MEI) é um enquadramento empresarial previsto no SIMPLES Nacional e, por isso, fica isento dos trib

Economia: LDO de 2020 não prevê concursos nem reajuste para servidores

Economia: LDO de 2020 não prevê concursos nem reajuste para servidores

A proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020, apresentada hoje (15) pelo Ministério da Economia, não prevê concursos não autorizados ne

Equipe econômica do governo Bolsonaro propõe salário mínimo de R$ 1.040 para o próximo ano

Equipe econômica do governo Bolsonaro propõe salário mínimo de R$ 1.040 para o próximo ano

Pela primeira vez, o valor do salário mínimo ultrapassará R$ 1 mil. O governo propôs salário mínimo de R$ 1.040 para 2020, o que representa alta de 4,