Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Conheça as duas correntes que disputam o comando da economia no novo governo Lula


Agência O GloboRIO - A escolha dos meios para fazer a economia brasileira crescer de forma mais intensa está por trás da disputa de poder lançada após a vitória de Lula no segundo turno. A média de crescimento dos primeiros quatro anos de Lula gira em torno de 2,7%, num período em que a economia global não enfrentou qualquer crise de maiores proporções. O PIB mundial está crescendo na casa de 5%, e a média dos países emergentes, 6%. Ou seja, o Brasil está avançando, mas pouco. Como resolver o problema?Há duas correntes em disputa sobre esta questão: A primeira considera que o governo gasta muito e mal, tem despesas correntes elevadas e crescentes, e acaba tendo poucos recursos para investir em infra-estrutura, por exemplo. Toma empréstimos demais para financiar sua dívida e, para cobrir os gastos, mantém a carga de impostos em níveis recordes. Esta corrente - que tem entre seus defensores o grupo do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, incluindo aí o atual presidente do Banco Central, Henrique Meirelles - prega um consistente corte de gastos correntes e, principalmente, reformas como a da Previdência. Só assim, afirmam, será possível reduzir a dívida pública, baixar os juros de forma mais acentuada sem fazer subir a inflação, aumentar os investimentos privados e estimular o crescimento.A segunda corrente sustenta que o problema está, fundamentamente, nos juros altos e no dólar baixo. Este grupo - integrado pelo atual ministro da Fazenda, Guido Mantega, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro de relações institucionais, Tarso Genro, além de boa parte dos petistas históricos - resiste a novos cortes de gastos. A prioridade seriam os cortes de juros, de forma mais rápida e intensa, mesmo que isso signifique algum aumento da inflação. Esta corrente argumenta que o governo gasta demais com o pagamento de juros, que, se caírem com mais força, liberarão mais dinheiro para investimentos públicos. A queda dos juros também teria efeito sobre a cotação do dólar, pois juros menores tendem a fazer a moeda subir, ajudando os exportadores. Assim, para essa corrente, o BC tem que ser mais ousado na redução dos juros.

Mais Sobre Economia - Nacional

Publicada lei que altera juros de fundos constitucionais

A lei que altera o cálculo dos juros dos fundos constitucionais de financiamento foi publicada na edição de hoje (20) do Diário Oficial da União.

CNI: confiança do empresário industrial tem maior queda desde 2010

Índice caiu 5,9 pontos em junho frente a maio

Copom inicia hoje reunião para definir taxa Selic

Para instituições financeiras consultadas pelo BC, a Selic deve ser mantida no atual patamar – 6,5% ao ano até o final de 2018

Salmão e filé mignon recebem benefícios fiscais

Salmão e filé mignon recebem benefícios fiscais

O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, afirma, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, que a estritura tributárias do país sofre com muita