Porto Velho (RO) quinta-feira, 29 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

CNI: crescimento de 5% em 2007, 'só se chover na horta'


Agência O Globo BRASÍLIA - Em 2007, 'só se chover na horta', a economia brasileira crescerá 5%. As palavras são do economista-chefe da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, ao se referir ao reduzido nível de investimentos privados verificados este ano. Segundo o economista, que divulgou a terceira sondagem anual feita pela CNI sobre intenções de negócios do empresariado, o atual ritmo de investimentos é insuficiente para assegurar o crescimento desejado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. - O problema é que, para crescer, é preciso investimento e as condições efetivas para esse aumento do investimento ainda são desfavoráveis - sublinhou Castelo Branco. O levantamento da entidade mostrou que parte da indústria optou por cancelar ou adiar investimentos previstos para 2006, devido ao crescimento econômico menor que o estimado, mas ainda assim acredita que a capacidade produtiva atual é suficiente para atender à demanda projetada para 2007, mostrou a pesquisa. "Chama a atenção que a percepção de folga no parque produtivo ocorre, ainda que os investimentos previstos para 2006 ficassem abaixo do esperado; ou seja, os empresários acreditavam em uma expansão da demanda que não se concretizou'', apontou a CNI, em um comunicado. A percepção de capacidade instalada suficiente foi registrada especialmente nos setores Material eletrônico e de comunicação, Borracha, Máquinas e materiais elétricos e Farmacêuticos. Segundo a sondagem, 85% das empresas consultadas pretendiam investir mais em 2006, mas apenas 36% fizeram o aporte como haviam planejado. Outras 43% fizeram apenas investimentos parciais e 21% dos industriais cancelaram ou adiaram os planos. "Os investimentos calculados para este ano ficaram aquém do esperado sobretudo nos setores de calçados, madeira e móveis", destacou a entidade. A sondagem indicou ainda que apenas 16,1% dos empresários disseram que sua capacidade produtiva não é suficiente para atender à demanda estipulada para o próximo ano. Ainda segundo a pesquisa, os empresários demonstraram pouca propensão a investir em máquinas e equipamentos em 2007, o que reflete a folga no parque produtivo deste ano. A maioria das indústrias (80%) acredita ter capacidade produtiva suficiente para atender a demanda do próximo ano. - A frustação do crescimento se traduz na frustação do investimento. Em 2007, as empresas estão pouco propensas a aumentar as compras de bens de capital. Mais da metade das pequenas e grandes empresas não se sentem seguras quanto ao crescimento do consumo - resumiu Castelo Branco. A questão cambial, segundo o economista da CNI, também influiu nos ânimos dos empresários, na pesquisa. - O dólar barato continua agredindo setores altamente dependentes da exportação como calçados, madeira, borracha e têxtil - ressalta. A sondagem da CNI contou com a participação de 1.581 empresários, 1.366 dos quais de pequenas e médias indústrias e outros 215 de empresas de grande porte. A forte carga tributária e os juros altos ainda impactaram nas companhias de menor porte: apenas um terço realizou os investimentos conforme o planejado. Entre as grandes, 51% cumpriram o cronograma.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões