Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

CMN destina R$ 14,8 bilhões a mais para crédito agrícola


Wellton Máximo
Agência Brasil

Brasília – A partir de julho, os bancos terão R$ 14,8 bilhões a mais à disposição para financiar a safra de 2012/2013. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou duas resoluções e o Banco Central baixou uma circular que aumentaram o volume de recursos que as instituições financeiras são obrigadas a destinar ao crédito rural.

Primeiramente, o CMN elevou de 28% para 34% a parcela dos recursos à vista que os bancos devem repassar para operações de crédito para o custeio, a comercialização e o investimento das safras. Somente essa medida liberou R$ 10,28 bilhões para o crédito rural. O CMN também manteve em 68% a parcela dos depósitos da poupança rural que devem ser destinados a operações de crédito para o setor. A exigência passaria para 67% no próximo mês, e a manutenção do percentual assegurou mais R$ 960 milhões para o crédito rural.

A forma como esses 68% dos depósitos na poupança rural devem ser distribuídos também foi alterada, liberando mais crédito para os produtores e diminuindo o volume de financiamentos para a agroindústria. Até agora, 68% dessa fatia de 68% deveriam ser emprestados aos produtores, e o restante poderiam ser alocados em financiamentos à agroindústria. Os subpercentuais foram alterados para 75% para o crédito aos produtores e 25% para a agroindústria.

De acordo com o Banco Central, essa alteração liberou mais R$ 3,62 bilhões em crédito para os produtores, totalizando R$ 14,8 bilhões. Esses recursos estão inseridos nos R$ 115,2 bilhões anunciados no Plano Safra.

O CMN também fez outra mudança que beneficia os agricultores familiares que contratam operações de seguro para os financiamentos do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária da Agricultura Familiar (Proagro Mais). A indenização para os pequenos produtores que não conseguem colher a safra subiu de R$ 3,5 mil para R$ 7 mil por beneficiário em cada ano agrícola.

Além dessa indenização, os agricultores que contratam as operações de seguro são ressarcidos no valor do financiamento em caso de perdas na lavoura. Essa indenização foi mantida. De acordo com o Banco Central, o governo gastará R$ 25 milhões por ano com o reajuste da indenização. Para ter direito ao seguro agrícola, os produtores familiares devam pagar 2% do valor total da cobertura, percentual que não foi alterado pelo CMN.

Gente de OpiniãoSábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)