Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Catadores terão crédito do BNDES


Cibele Gandolpho - Agência O Globo SÃO PAULO - O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, lançou nesta quarta-feira uma linha especial de financiamento para catadores de materiais recicláveis organizados em cooperativas, com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O empréstimo, no valor total de R$ 169 milhões, vai atender a 244 cooperativas e associações atuantes nesta área. O dinheiro poderá ser usado para a construção de galpões e aquisição de máquinas e equipamentos, além da capacitação de trabalhadores. O objetivo do financiamento é fortalecer o segmento dos catadores de material reciclável e possibilitar a elevação da renda, a melhoria das condições de trabalho e a ampliação das oportunidades ocupacionais nas cooperativas. Só na região metropolitana de São Paulo, há 20 mil catadores de materiais recicláveis, segundo estimativa do Instituto Pólis. - O trabalho de um homem ou de uma mulher que anda com uma carroça na rua colhendo sujeira que nós fazemos precisa ser reconhecido como uma atividade nobre, como a de um trabalhador da Volkswagen - justificou Lula. Os interessados no financiamento devem encaminhar solicitação ao BNDES. Essa iniciativa não é a única de apoio aos catadores de materiais recicláveis. A Petrobras já oferece, desde 2001, apoio financeiro às cooperativas. Em São Paulo, há dois projetos bancados pela empresa: o Vira Lata e o Cata-Vida, que consumiram até agora recursos de R$ 1,4 milhão e 2 milhões, respectivamente. Segundo Maria Carmen Moraes, gestora dos projetos sociais da Petrobras, os investimentos beneficiam centenas de catadores. - Estamos construindo um galpão que será a central das cooperativas. Lá, elas poderão concentrar todos os materiais recicláveis recolhidos e vendê-los para as empresas - diz. Hoje, a Cata-Vida recolhe por mês 193 toneladas de material reciclado e conta com cerca de 360 pessoas. Já o Vira-Lata reúne 50 mil quilos de materiais mensalmente e conta com 90 cooperados. Além da nova linha de financiamento anunciada nesta quarta-feira, o governo federal irá apoiar o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) com um Plano Setorial de Qualificação chamado Planseq. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o objetivo é capacitar trabalhadores de todas as regiões brasileiras, informais ou que fazem parte de associações. - Esta linha do BNDES vai beneficiar os trabalhadores que fazem a coleta dos materiais e os que vendem os itens - acredita Davi Amorim, integrante do setor de comunicação do MNCR. O processo de formação também prevê o treinamento em equipamentos que possam aumentar a produção. A estimativa é atender a cerca de 1.500 catadores.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões