Porto Velho (RO) sábado, 31 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Brasil e Argentina usarão peso e real no comércio exterior


Patrícia Duarte - Agência O Globo BRASÍLIA - Os governos do Brasil e da Argentina assinaram nesta sexta-feira um acordo para construir e implementar um sistema de pagamentos bilateral em moedas locais no comércio entre os dois países. De acordo com o presidente do Banco Central brasileiro, Henrique Meirelles, o projeto deverá sair do papel em seis meses. A idéia é reduzir custos nas operações comerciais, uma vez que não haverá mais a necessidade de fechamento de contrato de câmbio em dólar. Ou seja, as compras e vendas de mercadorias serão feitas em real e em peso. Meirelles explicou que o sistema funcionará da seguinte maneira: os bancos centrais dos dois países registrarão diversas transações e, ao fim do dia, formarão uma taxa de conversão única entre as duas moedas que terá como base a Ptax do dólar para o real e do dólar para o peso. Será a chamada taxa de referência. Em seguida, explicou Meirelles, se houver alguma diferença de recursos entre os dois bancos, a compensação será feita em dólares entre os dois bancos centrais. Apenas no dia seguinte os importadores e os exportadores terão suas operações finalizadas. - A taxa será uma só, independentemente do valor. Não é um sistema de garantia ou de crédito, e sim, só um sistema de pagamentos - afirmou Meirelles. O presidente do Banco Central disse ainda que as autoridades monetárias estão participando desse processo porque ainda não existe um mercado livre e transparente de peso/real. Meirelles afirmou ainda que é difícil fazer um cálculo de quanto será possível reduzir o custo das operações neste momento, mas argumentou que os pequenos e médios empreendedores serão os mais beneficiados. O presidente do Banco Central argentino, Martín Redrado, acrescentou que a idéia é, em algum tempo, também se fazer a compra e venda de títulos de valores entre os dois países nas moedas locais. Os dois presidentes participaram de uma reunião de ministros da Fazenda e presidentes de bancos centrais do Mercosul em Brasília.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões