Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

BC prevê taxa básica de 9% ao ano no final do ano


Kelly Oliveira
Agência Brasil

Brasília – A taxa básica de juros, a Selic, deve encerrar 2013 e 2014 em 9% ao ano, de acordo com a pesquisa do Banco Central (BC) em instituições financeiras. Essa foi a terceira semana seguida em que a projeção foi ajustada para cima. Na segunda-feira passada, a estimativa era que a Selic chegasse ao final de 2013 em 8,75% ao ano.

De acordo com a mediana (desconsidera os extremos nas projeções) das expectativas das instituições financeiras, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, nos dias 9 e 10 de julho, a Selic deve voltar a ser ajustada em 0,5 ponto percentual. Atualmente, a taxa básica está em 8% ao ano. Em maio, o Copom elevou a Selic em 0,5 ponto percentual.

A taxa Selic é usada como instrumento para influenciar a atividade econômica e, por consequência, calibrar a inflação, que tem apresentado alta no país.

O aumento nas projeções para a taxa Selic ao final do ano veio depois da divulgação da ata da última reunião do Copom, em 6 deste mês. Para o Copom, é apropriada a intensificação do ritmo de ajuste da taxa básica de juros.

O Copom considera que o nível elevado de inflação e a dispersão de aumentos de preços contribuem para que a inflação mostre resistência. Mas a expectativa do Copom é que, com o aumento da Selic, a inflação caia neste ano e que essa tendência de declínio persista em 2014.

De acordo com a pesquisa do BC, a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve chegar ao final deste ano em 5,83%, contra 5,80% previstos na semana passada. Para 2014, a projeção segue em 5,80%.

Cabe ao BC fazer com que a inflação (IPCA) fique na meta, que tem como centro 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A estimativa para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) foi ajustada de 4,79% para 4,92%, este ano, e de 5,10% para 5%, em 2014.

A projeção para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)subiu de 4,50% para 4,60%, este ano, e de 5,14% para 5,17%, no próximo ano. Para o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), a estimativa também subiu de 4,40% para 4,49%, este ano, e foi mantida em 5,28%, em 2014.
 

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)