Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Balança comercial tem maior déficit mensal da história


Mariana Branco
Agência Brasil

Brasília - A balança comercial brasileira fechou o primeiro mês do ano com déficit de US$ 4,035 bilhões, pior resultado mensal desde o início da série histórica em 1993. Anteriormente, o resultado mais fraco havia sido déficit de US$ 1,7 bilhão em dezembro de 1996. O saldo negativo é três vezes superior ao déficit de R$ 1,3 bilhão registrado em janeiro de 2012. A diferença é resultado do forte volume de importações e à queda nas vendas para os principais parceiros comerciais do Brasil.

As compras do país ficaram em US$ 20,003 bilhões, resultado recorde para meses de janeiro, contra exportações de US$ 15,968 bilhões. Os dados foram divulgados hoje (1°) pelo Ministério do Desenvolvimemnto, Indústria e Comércio Exterior. As importações do Brasil cresceram 14,6% ante janeiro do ano passado e 3,9% em relação a dezembro.

Na comparação anual, aumentaram as compras de produtos dos Estados Unidos. Houve elevação de 32,1% na aquisição de gasolina, veículos de carga, veículos para via férrea, motores geladores elétricos, aviões, óleos combustíveis e outros. Do Oriente Médio vieram petróleo, produtos químicos e eletroeletrônicos, com alta de 27,2% e da África crescimento de 21,2% em função do petróleo, gás e da castanha de caju. Na comparação mensal com dezembro, a compra de combustíveis e lubrificantes do exterior teve alta de 55,7%.

As exportações retrocederam 1,1% na comparação com janeiro de 2012 e caíram 26,5% frente ao mês passado. A queda anual foi puxada pelo petróleo (-69,5%), café em grão (-16,2%), farelo de soja (-11,9%), fumo em folhas (-7,1%), minério de cobre (-8,9%) e pela carne de frango (-4,5%). O recuo deveu-se principalmente aos produtos básicos, já que as vendas externas de manufaturados e semimanufaturados cresceram 6,6% e 1% respectivamente. As exportações de bens básicos recuaram 5,9%.

De acordo com o ministério, nos últimos 12 meses, houve decréscimo nas vendas para os principais mercados que adquirem bens do Brasil. As exportações para os EUA caíram 19,6% na comparação anual. Os motivos foram redução das compras petróleo bruto, celulose, autopeças, partes de motores para veículos, café em grão, semimanufaturados de ferro e aço, motores, geradores elétricos e compressores.

O comércio com a China recuou 5,8% devido à retração nas vendas de medicamentos, partes de motores de veículos, plásticos, suco de laranja congelado e autopeças. Para a América Latina e Caribe as exportações caíram 5%, e para o Mercosul, 0,1%. A Argentina foi a maior responsável pela queda no comércio com o bloco latino-americano, com retração de 2,3% na aquisição de tratores, pneus, papel e cartão; de motores para veículos, veículos de carga e bombas e compressores brasileiros.

As exceções na queda das exportações brasileiras foram os mercados da Europa Oriental (alta de 50,9%), Oriente Médio (elevação de 25,5%), União Europeia (aumento de 9,1%) e África (alta de 2,6%).
 

Gente de OpiniãoSábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)