Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Fabiano Barros

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento: Coletivo Piauy Estúdio das Artes


Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento:  Coletivo Piauy Estúdio das Artes - Gente de Opinião

Na literatura, podemos entender que os clássicos, são obras primas que ultrapassam seu tempo, e se perpetuam no imaginário do coletivo, possibilitando que se façam diversas leituras e releituras do que foi criado.
Adaptado por Adriano Abreu e encenado pelo Coletivo Piauhy Estúdio das Artes, “Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento” é uma releitura da obra, As Aventuras de Pinóquio, escrita em 1881 pelo italiano Carlo Collodi.
O Coletivo criado em 1998 no Piauí, tem como principal fundamento a pesquisa no reconhecimento do atuante (ator-bailarino-narrador-performer), sob uma visão holística, como núcleo essencial do trabalho cênico. Nesse sentido, capacitando os atuadores a não só montar espetáculos, mas sobretudo, a pensar o teatro, como uma possibilidade de evolução integral do ser humano, através do desenvolvimento de uma cosmovisão ética, filosófica, sociocultural e técnica, realizada pelo aprimoramento cognitivo, corpóreo-vocal.
Não podemos falar de Pinóquio sem lembrar de seu desejo de ser menino, como também, as enrascadas que suas mentiras o leva.
Mesmo sendo uma estória conhecida por todos nós, a adaptação, “Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento” que está circulando pelos dez estados da Amazônia Legal, pelo projeto Sesc Amazônia das artes, se mostra desde o começo, um espetáculo de um conceito totalmente original.
De uma forma bem-sucedida, a direção mostra ao público, uma costura de elementos essenciais e complementares de cena, tais como figurino, música e elementos cênicos, amparados por uma originalidade que se apresenta de forma criativa e harmoniosa desde o começo do espetáculo. O que é apresentado, tem o poder de prender a atenção do espectador, criando uma expectativa ao seu decorrer, mesmo sendo o texto, uma estória conhecida por todos.
É preciso ressaltar, a excelente presença cênica da atriz, Silmara Silva interprete do boneco de madeira, que durante uma hora de espetáculo, domina toda a cena, possibilitando que cada personagem tenha seu devido destaque na estória e na cena, com isso mostrando um unicidade no trabalho, que prende a atenção do público do começo ao final.

Galeria de Imagens

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Fabiano Barros

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Minúsculas raízes emaranhadas de alguns tubérculos e de outras plantas, que se entrelaçam, formando um conjunto complexo de elementos que estão ligado

Miolo de Pote em Cantigas e Versos - Canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz

Miolo de Pote em Cantigas e Versos - Canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz

Sesc Amazônia das ArtesAo longo de sua história, o Sesc se estabeleceu como espaço de acolhimento e salvaguarda da cultura e tradição nacional, conseg

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

O Sesc Amazônia das Artes além de fomentar a circulação de obras de artistas, busca também a formação e o intercambio entre os artistas que participam

Anima: Coletive Umdenós

Anima: Coletive Umdenós

O principal objeto do grupo é fundir a ideia de arte e vida