Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Fabiano Barros

Miolo de Pote em Cantigas e Versos - Canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz


Fotos: Raissa Dourado. - Gente de Opinião
Fotos: Raissa Dourado.

Sesc Amazônia das Artes


Ao longo de sua história, o Sesc se estabeleceu como espaço de acolhimento e salvaguarda da cultura e tradição nacional, conseguindo com os seus trabalhos, viabilizar e potencializar áreas do desenvolvimento dessas linguagens dentro da educação formal e informal, resgatando a memória e divulgando a tradição brasileira em vários projetos, assim ultrapassando sua principal meta, que é levar ao trabalhador do comércio bens, serviços e turismo, ações de qualidade.

Sendo o Brasil um país continental, e com culturas diversificadas as quais se entrelaçam em todas as regiões, é possível enxergar na programação do projeto Sesc Amazônia das Artes uma variação riquíssima de estilos, gêneros e linguagens artísticas.
Ao mesmo tempo em que assistimos espetáculos e recitais que dão espaços às vozes ribeirinhas e urbanas do norte do brasil, somos agraciados com um vasto e rico acervo lítero-musical do nordeste brasileiro por meio de espetáculos como, Miolo de Pote em Cantigas e Versos do Maranhão.
Miolo de Pote em Cantigas e Versos é um espetáculo que mistura poemas, canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz, que foi alfabetizada artisticamente pela literatura de cordel, e há mais de 10 anos interpreta autores como, Patativa do Assaré, Cora Coralina e Louro Branco, além de canções de João do Vale, Maria da Inglaterra, Marinês entre outros.
O Nordeste é o que tem de mais evidente no espetáculo, a sensação que temos é de estar sentados na beira da calçada de uma cidade do interior nordestino, ouvindo causos e prosas dessas pessoas que de forma simples e sincera conseguem construir narrativas artísticas de grande significância para a cultura nacional.
Acompanhada dos músicos Chico Nô (voz e violão) e Totó Sampaio (percusão), Lilian interpreta, canta e dança dentro e fora do palco, fazendo com que o espectador enxergue e se aproxime da diversidade linguística e cultural de mulheres sertanejas tão fortes e importantes para a cultura do país.

Galeria de Imagens

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Fabiano Barros

Peça “Onde Morrem os Pássaros?” estreia neste sábado (09)

Peça “Onde Morrem os Pássaros?” estreia neste sábado (09)

Dirigida por Fabiano Barros, a peça “Onde Morrem os Pássaros?” contemplada pelo prêmio Sesc de Incentivo às Artes Cênicas 2019, e realizada pela Cia d

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento:  Coletivo Piauy Estúdio das Artes

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento: Coletivo Piauy Estúdio das Artes

Na literatura, podemos entender que os clássicos, são obras primas que ultrapassam seu tempo, e se perpetuam no imaginário do coletivo, possibilitando

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Minúsculas raízes emaranhadas de alguns tubérculos e de outras plantas, que se entrelaçam, formando um conjunto complexo de elementos que estão ligado

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

O Sesc Amazônia das Artes além de fomentar a circulação de obras de artistas, busca também a formação e o intercambio entre os artistas que participam