Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Fabiano Barros

Amazônia Instrumental - Trio Chamote com jazz e rock dos anos 60


Fotos: Raissa Dourado - Gente de Opinião
Fotos: Raissa Dourado

O projeto Sesc Amazônia das Artes, em mais de dez anos vem apresentando em seu repertorio que circulam nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Piauí, um mosaico de espetáculos diversificados e livres de qualquer intervenção externa que o transforme ou adapte em sua concepção conceitual.

Como todos sabemos, o estado do Pará tem no seu adensado repertorio cultural, as mais diversas manifestações populares, ações culturais e obras de artes. Em especial a música que em seus mais diversos estilos e ritmos já é conhecida por grande parte do mundo, colocando o Pará em um patamar especial da música de raiz.

Retumbão, Lundu, Banguê, Desfeiteira, Camelu e Carimbó, este popularizado no Brasil, pelo cantor Pinduca na década de setenta, são os ritmos ressignificados pelos músicos Charles Matos (bateria), Luizinho Lins (banjo amazônico) e Sílvio Barbosa (flautas e sax) no espetáculo musical Amazônia Instrumental apresentado em Ji-Paraná no último dia 07 de maio.

Após pesquisas e estudos, o grupo experimenta criar uma junção dos ritmos ancestrais amazônicos com o jazz e rock dos anos 60, por meio do vocal (voz), banjo (corda), bateria (pau) e flauta(sopros).

O espetáculo decorreu de forma didática, e o que, em sua origem foi criado para dançar e festejar em terreiros e festas, conseguiu com excelência apresentar uma estrutura orgânica, propensa a uma contemplação mais aprofundada e sensorial, o qual não eliminou do corpo de alguns, a vontade de bailar durante a apresentação.

Durante o espetáculo o espectador teve a oportunidade de conhecer um pouco a estória da música paranaense. E de forma intercalada com as músicas fomos contemplados com informações de tipos de ritmos, influências que ajudou a construir as sonoridades diversas dessa região e nomes e pequenas biografias de mestres do carimbó, os mesmos que não são citados nos livros de história da música brasileira. 

Galeria de Imagens

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Fabiano Barros

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento:  Coletivo Piauy Estúdio das Artes

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento: Coletivo Piauy Estúdio das Artes

Na literatura, podemos entender que os clássicos, são obras primas que ultrapassam seu tempo, e se perpetuam no imaginário do coletivo, possibilitando

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Minúsculas raízes emaranhadas de alguns tubérculos e de outras plantas, que se entrelaçam, formando um conjunto complexo de elementos que estão ligado

Miolo de Pote em Cantigas e Versos - Canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz

Miolo de Pote em Cantigas e Versos - Canções e causos encenados e cantados pela artista Lília Diniz

Sesc Amazônia das ArtesAo longo de sua história, o Sesc se estabeleceu como espaço de acolhimento e salvaguarda da cultura e tradição nacional, conseg

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

Negra Mari: "A não tão grande Outra"

O Sesc Amazônia das Artes além de fomentar a circulação de obras de artistas, busca também a formação e o intercambio entre os artistas que participam