Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

EDUCAÇÃO: 'Vamos levar cursos da PUC para o interior e o país'




ENTREVISTA
DIRCEU DE MELLO 
Folha de São Paulo

Novo reitor diz que expansão é forma de melhorar a situação financeira da universidade


LEVAR OS CURSOS da PUC-SP para fora de São Paulo é um dos objetivos do novo reitor da universidade, Dirceu de Mello, que assume o posto hoje. A expansão, afirma o professor, é uma forma de captar recursos e de melhorar a situação financeira da instituição, que há três anos cortou 30% dos seus docentes por causa de uma crise econômica.



FÁBIO TAKAHASHI
 
Professor titular de direito penal da universidade, Dirceu de Mello, 79, conversou com a Folha sobre as propostas para a instituição. Após vencer eleição interna, ele sucederá a Maura Véras à frente da universidade, que conta com 36.500 alunos (graduação e pós-graduação), em cinco campi, todos em São Paulo. A dívida total da PUC é de R$ 314 milhões -o último balanço publicado aponta uma receita líquida anual de R$ 299 milhões. Diferentemente do início da gestão Maura Véras, não há mais déficit mensal. Apesar de ter feito oposição a sua antecessora (sua chapa se chamou Uma Nova PUC), Mello disse que "ela desenvolveu muita coisa interessante, que será preservada e ampliada". Após vencer a eleição interna, Mello teve de ser confirmado pelo cardeal dom Odilo Pedro Scherer. Ele assume para o mandato de quatro anos com seu vice-reitor, Antonio Vico Mañas, professor de administração da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária. Mello, que teve 45,2% dos votos, ganhou nos três grupos da universidade (docentes, alunos e funcionários). Em segundo ficou o atual vice-reitor administrativo, Flávio Saraiva, seguido de Neusa Bastos, assessora da vice-reitoria acadêmica, e Fábio Gallo, ex-vice-reitor.

FOLHA - Quais são as prioridades?
DIRCEU DE MELLO
- Em primeiro lugar, sanear os problemas financeiros. E preservar a qualidade acadêmica. Na última avaliação do MEC [Ministério da Educação], a PUC foi bem avaliada, o que é um patrimônio a se preservar [cita indicador que classificou a instituição como a melhor universidade particular do Estado].

FOLHA - Como o sr. avalia a atual situação financeira da universidade?
MELLO
- Está sob controle e sendo bem administrada. Agora, precisamos diminuir a dívida e conseguir saldo para melhorarmos a estrutura. Ela é modesta, precisa melhorar. Estamos angustiados.

FOLHA - O sr. pretende fazer mudanças na gestão financeira?
MELLO
- Só terei o controle das particularidades após assumir.

FOLHA - Há espaço para crescimento da instituição?
MELLO
- A idéia é usar o nome da universidade para fazer parcerias, desenvolver projetos, firmar convênios. A PUC é respeitada no Brasil e até fora do país. Esse potencial precisa ser bastante explorado. Teremos uma central de projetos, para verificar quais são interessantes. Pensamos em levar cursos para outros pontos do Estado e do país. Queremos jogar com nosso potencial.

FOLHA - É uma expansão na graduação, pós-graduação...?
MELLO
- Analisaremos com as áreas interessadas. Mas já temos solicitações a respeito para a pós-graduação. Quando eu era diretor da Faculdade de Direito [de 2002 a 2005], tivemos uma proposta interessante do Estado de Rondônia. Projeto preparadinho, para um curso de pós-graduação stricto sensu. Era só conseguir a aprovação aqui. Mas a estrutura que tínhamos dificultou o andamento. Após quase um ano, o projeto foi aprovado, mas já era tarde. O Estado havia fechado acordo com uma universidade do Rio. O mercado exige dinamismo. Já há cursos fora de São Paulo na pós-graduação lato sensu [há em seis cidades, todos na área de direito]. O problema é dinamizar, multiplicar, para não perdermos oportunidades.

FOLHA - Mas a idéia é ter campi da PUC fora de São Paulo, ou seja, novos prédios?
MELLO
- Não. Seria parecido com o caso de Rondônia, em que o Poder Judiciário nos colocaria à disposição a parte material, e nós entraríamos com os professores e o nome. Pode ser também com cursos profissionalizantes e lato sensu. São formas de captar recursos.

FOLHA - Haverá ampliação da PUC em São Paulo?
MELLO
- Há espaço, principalmente no interior.

FOLHA - Mas o número de vestibulandos tem caído no país e em SP.
MELLO
- O que importa é a qualidade do que é oferecido. Temos inúmeras faculdades de direito, por exemplo, mas sabemos quais são as que oferecem a qualidade que será procurada.

FOLHA - Como docente de direito, como o sr. avalia o ensino jurídico no país atualmente?
MELLO
- Lamentavelmente, se admitiu a instalação de inúmeras faculdades de direito. É um mal, que envolve também a classe médica. Profissionais sendo colocados no mercado sem qualificação. A remediação tem de vir do Ministério da Educação. Mas eles têm apertado, já reduziu-se o número de alunos em algumas faculdades. É uma medida positiva. Mas é sempre mais difícil fechar a porta. Era mais fácil não deixar abrir.

FOLHA - De que forma essa expansão afeta a PUC?
MELLO
- Isso tem de ser analisado. Mas temos de ver também as experiências bem-sucedidas. A [Fundação] Getulio Vargas, por exemplo, há até pouco tempo não tinha curso de direito. Hoje já tem. É mais para área empresarial, mas se amanhã cuidar de áreas que temos aqui, como direito civil e penal, temos de estar preparados. A boa concorrência é legítima, nos força a aumentar o potencial.

FOLHA - Em seu programa de gestão há um item que é contar com a ajuda dos alunos formados na universidade. Como fazer isso?
MELLO
- Hoje temos 200 mil ex-alunos. Queremos que eles contribuam, pessoal ou materialmente. São pessoas que precisam ser recrutadas para continuar batalhando pela sua universidade. Queremos fazer um programa articulado. Mas eu e a minha equipe ainda estamos analisando todos esses pontos.

Mais Sobre Cultura

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

O Grupo de Teatro Wankabuki, de Vilhena (RO), realizará entre os dias 17 e 26 de outubro uma série de apresentações da peça “À Margem” nos municípios

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Na tarde de quinta-feira (11), o Professor Aleks Palitot visitou a Escola Municipal de Educação Infantil Prof.ª Ronilza Cordeiro Afonso Dias, na Zona

SESC abre inscrições para exposição  e oficina de fotografia em Porto Velho

SESC abre inscrições para exposição e oficina de fotografia em Porto Velho

A exposição será realizada na rua Euclides da Cunha, com inscrições e impressões gratuitas no formato lambe-lambe