Porto Velho (RO) quarta-feira, 26 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Silvio Santos

Lenha na Fogueira: Fesec e escolas de samba Realizam show especial - Não adiante chorar e nem correr pra Cá ou pra lá,


Lenha na Fogueira: Fesec e escolas de samba Realizam show especial - Não adiante chorar e nem correr pra Cá ou pra lá, - Gente de Opinião

Lenha na Fogueira  

Demorou, para que a ficha das Escolas de Samba caísse e que não adiante chorar e nem correr pra Cá ou pra lá, que a prefeitura não irá repassar recursos pára seus desfiles e pronto.

*********

A ficha caiu durante reunião, que aconteceu terça feira 08 e então, os carnavalescas resolveram, fazer alguma coisa para mostrar que as agremiações, tem condições de sobreviver sem a dita ajuda do erário público.

*********

Apenas, é preciso esclarecer, que as Escolas de Samba e nem a diretoria da Fesec, foi bater a porta do gabinete, seja do prefeito ou da Funcultural, solicitando recursos para montar seus desfiles.

*********

Quem convocou as escolas de samba logo após o carnaval do ano passado, para uma reunião, foi o atual presidente da Funcultural  e nessa reunião, prometeu que iria sugerir ao prefeito de Porto Velho que  repassasse às Escolas de Samba no carnaval de 2919, o mesmo valor que foi repassada no carnaval de 2018, ou seja R$ 500 MIL.

*********

E ainda prometeu que tentaria convencer o prefeito a aumentar o valor do repasse para o carnaval de 2019.

*********

Então meus queridos paladinos da moralidade, como é o caso do colega colunista Waldemir Caldas na Crônica “A folia com o dinheiro público acabou!” Publicada em alguns sites.

*********

Parece que você, nuca assistiu o desfile de uma escola de samba, por isso, pensa que as agremiações carnavalescas não representam nada para a cultura do nosso povo. Não sabe que quem assiste o desfile de uma escola de samba, participa de uma aula de história jamais, aplicada em qualquer colégio, seja no ensino básico, médio e até superior.

**********

Que a escola de samba, pelo menos as de Porto Velho, não cobram um tostão de seus brincantes, muito pelo contrário, doam as fantasias a custo zero aos foliões, que se propõem a participar de seus desfiles.

**********

Não sabe o referido “escrevedor” que as agremiações carnavalescas, geram renda e emprego para muita gente.

**********

Não sabe que cada tostão que o governo investe em cultura, recebe de volta o dobro, isso é comprovado por pesquisas realizadas por institutos de respeito nacional e internacional.

*********

Como dissemos, não foram as escolas de samba que foram pedir ajuda ao prefeito, foi o prefeito que ofereceu e ainda disse que não estava oferecendo o que passou no ano passado, alegando que as finanças municipais estão em crise.

*********

E mais, o governo, seja municipal ou estadual, nunca repassou um tostão às agremiações carnavalescas.

*********

O que acontece, meus amigos, é que o governo apenas adquiri INGRESSOS para oferecer a população os espetáculos das Escolas de Samba.

**********

É a mesma coisa que aconteceu no réveillon deste ano, quando várias bandas se apresentaram. Aquelas Bandas não foram tocar de graça não, todas receberam cachê pago pela prefeitura.

**********

No desfile das escolas de samba, é a mesma coisa, a prefeitura paga o cachê de cada uma, para elas se apresentarem para  o povo.

**********

Por algum acaso os nobres colegas, colunistas já pagaram algum tostão para assistir os desfiles das escolas de samba em Porto Velho? Agora, com certeza, já desembolsaram valores consideráveis para assistir shows de artistas de fora que se apresentam nas casas de espetáculos de Porto Velho.

*********

Em suma, o governo faz demagogia dizendo que está repassando recursos para as agremiações carnavalescas, quando na verdade, pagam o cachê para oferecer “de graça” os desfiles ao público.

*********

Assim acontece no Arraial Flor do Maracujá com as apresentações dos grupos folclóricos.

********

Por isso, amigos colunistas, procurem saber como acontece as coisas antes de escreverem suas crônicas maliciosas e mercenárias.


Fesec e escolas de samba Realizam show especial 

Em reunião que aconteceu na noite da última terça feira, 08, a Federação das Escolas de Samba e Entidades Carnavalescas de Rondônia – Fesec, em comum acordo com os dirigentes das agremiações carnavalescas afiliadas, aprovou a realização de um espetáculo que vai contar com show de Mestre Sala & Porta Bandeira, Rainha de Bateria, Ala de Passistas, Bateria e Interpretes de Samba Enredo (carro de som), Domingo de Carnaval  dia 03 de março.

De inicio o espetáculo está marcado para acontecer na Praça Aluizio Ferreira, dentro da programação da Feira do Porto que acontece aos finais de semana em Porto Velho. “Vamos conversar com a diretoria da Associação que administra a Feira para acertarmos a parceria, lembrando que a realização do Espetáculo das Escolas de Samba será a custo zero para a Feira do Porto”, disse o presidente da Fesec Reginaldo Cardoso – Makumbinha.

Melhor Samba Enredo

O colunista Zekatraca se comprometeu em realizar o Concurso, que vai escolher o Melhor Samba de Enredo de nossas escolas de samba, para o ano de 2019. “Esse concurso aconteceu pela primeira vez, no carnaval de 2014, com o apoio da Empresa Diário da Amazônia. O melhor samba enredo ganha o Troféu Sebastião Araujo da Silva – BABÁ”, lembrou Silvio Santos – Zekatraca.

Durante a reunião de terça feira, a direção da Fesec colocou em votação, o teor da Nota de Esclarecimento (Repúdio), que após alguns ajustes, foi aprovada e pode ser lida abaixo.

Nota de esclarecimento

 

A Federação das Escolas de Samba e Entidades Carnavalescas de Rondônia – FESEC, vem a público esclarecer e repudiar o seguinte:

Já é de domínio público, noticiado pela imprensa e mídias sociais, que a prefeitura não irá repassar a verba para a Cultura Popular/Carnaval. Esta é uma manifestação secular do povo brasileiro e, no caso do desfile das Escolas de Samba, uma manifestação genuinamente brasileira, que consta no calendário cultural do país, de grande participação popular, gera renda, lazer e contribui no fortalecimento da identidade cultural do nosso povo.

As Escolas de Samba propiciam e geram:

- Trabalho e renda através de centenas de trabalhos direto e indiretos;

- Não obtém lucros, pois suas fantasias são doadas (gratuitas);

- Não cobramos ingressos ao público;

- Recolhemos impostos à prefeitura;

- Nosso evento é familiar (de comunidade com viés social);

- Nosso público é composto em sua maioria de crianças, adolescentes e idosos;

- Propiciamos um teatro a céu aberto, organizado e com segurança à família rondoniense;

- A Escola de Samba é a verdadeira tradição do carnaval genuinamente brasileiro e, em alguns estados, é patrimônio imaterial como em São Paulo e Rio. Em nossa capital acontece a mais de 50 anos e não é respeitada nem preservada.

Justificativa da prefeitura pra não repassar o subsídio: - Segundo a prefeitura o motivo pra não fazer o repasse é pra poder aplicar essa verba (300 mil reais), na área da “saúde, educação e infraestrutura”. Isso é uma falácia para ganhar apoio positivo da opinião pública, pois, infelizmente, essa ação “não vai resolver o problema da nossa saúde nem pode ser aplicada”.

Por que não vai resolver? - É um valor irrisório em relação ao orçamento das demais secretarias. Só pra ficarmos no exemplo da nossa combalida saúde, a prefeitura é obrigada por lei, a aplicar 18% do orçamento do município na saúde. Isso perfaz um valor de mais de R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais).  Bem longe dos 300 mil do investimento cortado da Cultura Popular. Uma única UPA recebe, com justiça, pra fazer frente às suas despesas, mais de 1.000.000,00 (Um milhão de reais). Portanto, o repasse retirado da Cultura Popularnão vai resolver o problema, nem de uma UPA, tampouco da saúde, educação e da infraestrutura.

O que devemos fazer como cidadãos que pagam seus impostos? O que devemos fazer é acompanhar e fiscalizar a aplicação desses recursos orçamentários, pois, se a saúde tá um caos com esse orçamento de mais de 200 milhões, pode estar faltando competência pra gerir essa verba ou o dinheiro “tá indo para o ralo” (só não pode imputar a culpa da ingerência na Cultura Popular).

Senão vejamos: - A prefeitura em seu site oficial informou que o ano de 2018 seria o ano da saúde com aplicação de mais de 300 milhões (acima do percentual orçamentário de 18% exigido por lei) e o que aconteceu?

- Também veicularam que conseguiram economizar mais de 50 milhões com redução de gastos (então não precisava retirar os 300 mil do investimento da Cultura Popular). O cidadão concorda que, parte dos 50 milhões, resolveria o problema da saúde, se bem geridos?

Colocamos estes questionamentos pra esclarecer que estão usando de falácias pra convencer a opinião pública da austeridade da administração municipal e, escolhendo como vilão (todo ano é isso), o “carnaval” e a Cultura Popular. Portanto senhores(as):

- Considerando o desrespeito e a falta de compromisso por nossa Cultura Popular (pois, além de não termos sido consultados, até o presente momento não fomos notificados oficialmente dessa decisão);

- Considerando a falta de vontade política da prefeitura, principalmente pelo presidente atual da FUNCULTURAL, que deveria lutar por esse evento e por esse segmento cultural que é a maior manifestação conduzida pela Fundação (pelo contrário, às vezes, parece que tá trabalhando contra esse movimento nos dando a impressão que só realizou o evento, em 2018, por ser um ano eleitoral). Se a Fundação não consegue nos representar nem realizar o evento é melhor não existir ou pedir pra sair, pois, na LDO desse ano, foi destinado mais de 600 mil destinado ao carnaval.

- Considerando que a decisão de não fazer o repasse foi “em cima da hora” sem tempo hábil para conseguirmos parcerias necessárias a fim de desenvolvermos o processo (longo) de aquisição, compras e confecção de alegorias, fantasias e adereços e; Apesar de continuarmos gestionando pra reverter a atual situação, Repudiamos a decisão unilateral da Prefeitura de Porto Velho diante da falta de compromisso e respeito para com a maior manifestação da Cultura Popular da nossa cidade e do Brasil.

A Diretoria da FESEC e suas filiadas.

FENASAMBA – Federação Nacional das Escolas de Samba (São Paulo).

SINTAX – Sindicato dos Taxistas, Transportes Escolares, Turístico e Fretamento.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Santos

Livro na ponta da língua  será relançado - Bumbódromo de Parintins recebe últimos reparos

Livro na ponta da língua será relançado - Bumbódromo de Parintins recebe últimos reparos

Lenha na Fogueira Numa roda de conversa quarta feira passada, justamente no Tacaca Musical (hoje tem), no Mercado Cultural, o papo tomou o rumo de qua

Plano Municipal de Cultura  Começa a ser discutido - Arraial Flor do Maracujá pode ter  Público recorde este ano

Plano Municipal de Cultura Começa a ser discutido - Arraial Flor do Maracujá pode ter Público recorde este ano

Lenha na Fogueira A direção e todos os integrantes do Grupo Teatral Êxodo, ainda estão festejando o sucesso de público, no retorno da peça O Homem de

Pedro Ribeiro da Silva:  Histórias do pipoqueiro da Catedral de Porto Velho

Pedro Ribeiro da Silva: Histórias do pipoqueiro da Catedral de Porto Velho

Sou frequentador assíduo da missa da 18 horas de domingo, na Catedral do Sagrado Coração de Jesus e também dos eventos culturais que acontecem no Sesc

Público prestigia estreia  da peça Homem de Nazaré - Lenha na Fogueira

Público prestigia estreia da peça Homem de Nazaré - Lenha na Fogueira

Lenha na FogueiraA Volta da peça O Homem de Nazaré foi prestigiada pela presença do público, que superou as 1.500 pessoas, na tarde/noite de quinta fe