Porto Velho (RO) sábado, 19 de junho de 2021
×
Gente de Opinião

Silvio Santos

Lenha na Fogueira com o “Prorroga já! Prorroga Rondônia!, Prorroga SEJUCEL!” e o ‘Minuano’, de Bado, traz identidades culturais em poesia e melodia


Lenha na Fogueira com o “Prorroga já! Prorroga Rondônia!, Prorroga SEJUCEL!” e o ‘Minuano’, de Bado, traz identidades culturais em poesia e melodia - Gente de Opinião

Lenha na Fogueira 

 

O I Fórum Digital de Cultura de Rondônia realizado por iniciativa da rede Pro Cultura e outros coletivos na tarde dessa segunda-feira (03/05/21) as 15h, contou com a participação online, diga-se de passagem, de mais de 40 representantes da classe artística do Estado de Rondônia. Nesse evento foram pautados os seguintes tópicos: Lei Aldir Blanc/Prestação de contas e Editais.

***********

Um dos principais temas discutido foi a necessidade de prorrogação dos prazos para execução dos projetos aprovados que estão em curso. Com a segunda onda da pandemia, muitos proponentes tiveram seus cronogramas afetados devido a infecção pela COVID-19, ou até mesmo pela desestabilização emocional causada pela perda de entes queridos, e se encontraram momentaneamente impossibilitados de cumprirem seus prazos dentro do programado em seus projetos.

***********

Em alguns casos mais severos, houve até mesmo a necessidade internação.

***********

Aliado a isso os decretos promulgados durante o primeiro trimestre, período em que os números da pandemia alcançaram os piores patamares, também levou à impossibilidade da execução de algumas fases previamente programadas, pois as produções culturais em sua maioria são realizadas em coletivo como teatro, produção audiovisual, gravação de álbuns e clipes e etc. O que vai de encontro com as recomendações estipulados nos decretos para a contenção do Corona vírus.

**********

Enfim, direta ou indiretamente, em algum momento, a pandemia protagonizou o interrompimento das produções.

**********

Vale ressaltar que em 20 de abril o Senado aprovou a prorrogação do auxílio emergencial para o setor cultural e a prestação de contas dos Estados para com o Governo Federal dos recursos dessa lei.

***********

Essa decisão permite aos governos estaduais usufruírem do prazo até 31 de dezembro de 2021 para prestarem suas contas, podendo esse prazo ser estendido por mais noventa dias.

***********

Entretanto, o Governo do Estado de Rondônia não estendeu essa ação aos projetos locais, o que está gerando uma grande insatisfação entre a classe cultural.

***********

No Fórum também se discutiu propostas para inclusão de itens que possam vir a evitar complicações para futuros editais como por exemplo a proporcionalidade do tempo de execução para um projeto levando em consideração a categoria em que ele se encontra, ou seja, o prazo para a execução de um projeto de álbum musical geralmente é menor do que o prazo para uma produção áudio visual e assim por diante.

***********

Em paralelo a esse esforço, corre nas mídias sociais digitais o manifesto “Prorroga já! Prorroga Rondônia!, Prorroga SEJUCEL!” no qual vários artistas de todo o estado declaram, através de vídeos, apoio ao movimento em prol da prorrogação dos prazos estabelecidos nos editais da Lei Aldir Blanc.

************

Em entrevista veiculada por uma emissora local nessa segunda feira, 03 de maio, o superintendente da SEJUCEL-RO Jobson Bandeira dos Santos reafirmou categoricamente que os prazos não seriam prorrogados e condiciona, equivocadamente, o lançamento de novos editais à não prestação de contas por parte dos artistas que não conseguiram cumprir seus cronogramas dentro dos prazos pré-estabelecidos em seus projetos.

***********

É salutar a grande participação das setoriais culturais no I Fórum Digital de Cultura de Rondônia. A adesão de membros dos conselhos municipal e estadual de cultura          demonstra coesão do setor, pois reivindicam apenas o que é justo e respaldado pelos últimos acontecimentos relacionados a segunda onda dessa pandemia.

***********

Portanto percebe-se uma falta de sensibilidade por parte do poder público para entender a situação enfrentada pelos artistas. Em alguns estados da federação esses prazos foram prorrogados sem complicações. E até mesmo o processo de inscrição de projetos, nesses locais, se deram de maneira bem menos burocrática do que no Estado de Rondônia através de formulários online e simples de se entender, diferente do sistema totalmente engessado praticado pela SEJUCEL-RO.

************

Para um processo emergencial está deixando muito a desejar no que diz respeito a acessibilidade e entendimento das informações divulgadas.

*************

E principalmente há, por parte do governo uma triste inflexibilidade diante da realidade que vivemos.


‘Minuano’, de Bado, traz identidades culturais em poesia e melodia

Lenha na Fogueira com o “Prorroga já! Prorroga Rondônia!, Prorroga SEJUCEL!” e o ‘Minuano’, de Bado, traz identidades culturais em poesia e melodia - Gente de Opinião

Edneide Arruda

 

“A capacidade do artista para flagrar o mundo e seus fenômenos, registrar suas constantes transformações e até mesmo prevê-las, mostra que são como ‘antenas’, sensíveis para captar os movimentos mais sutis, superando muitas vezes os cientistas sociais, com seus instrumentos e estratégias mais objetivas”.

Aproprio-me desta citação da pesquisadora Nilda Jacks, uma gaúcha estudiosa da identidade de seu povo, para falar sobre “Minuano”, a mais nova música do cantor, compositor e instrumentista Bado que lançou na sexta-feira, 30, em seu canal no You Tube.

‘Minuano’ (Milonga da Serra) como explica Bado, “nasceu da vivência e aproximação com os ritmos, sons e linguagens musicais, presentes nas culturas que se cruzam pelas fronteiras da Região Sul do Brasil”. Ancorada em um texto poético, a música sobrevoa a Serra Gaúcha e descreve com suavidade ímpar, o que a sensibilidade do poeta pôde captar, de conversações entre amigos e familiares.

No clipe, Bado parece imergir nas vivências daquela tríplice fronteira, para dar canto ao aconchego que minuano - vento frio e cortante, que aparece após as chuvas de inverno daquela região - oferece aos gaúchos e seus visitantes. A impressão que se tem é de que, ao enxergar o vento, o artista sente o prazer de um povo que faz do vento frio da Serra, seu canto, sua identidade cultural.

Termo cujo conceito tem, segundo Martin-Barbero (1993), transitado entre exclusão e integração, identidade cultural passou a se constituir em fenômeno de autor reconhecimento individual e coletivo, sendo, neste último caso, como um sistema de referência em que “todos se enxergam ao olhar o outro”, como diz Nilda.

É esse olhar do artista que compõe a estética de ‘Minuano’: serras, ventos uivantes, vinhedos, olhares cúmplices, identidades e paixões. Sob os acordes de seu violão, Bado entrelaça sentimentos e expressões culturais sulinas. Ele usa a milonga, gênero musical presente naquelas fronteiras, e que tem como grandes referências, os compositores gaúchos Vitor Ramil e Renato Borghetti.

No ano passado, para fugir da neurose causada pela pandemia da Covid-19, Bado percorreu mais de 3.600 quilômetros, entre Porto Velho (RO) e Santa Maria (RS), para visitar a filha, Bia Melo, e matar a saudade.

Ambientado na riqueza cultural dos territórios fronteiriços, transformou sua vivência em canção. Mas, não foi a primeira vez que Bado conviveu com culturas de fronteiras. Ao participar de edições do Festival de Cinema da Amazônia (FESTCine), ele vivenciou as culturas do Peru e da Bolívia, o que resultou na composição 'Pátria Mama'.

Deriva destas vivências, parte de sua arte, que mistura sons e ritmos universais - de pessoas, pássaros, água e ar -, muito presentes na musicalidade do bioma Amazônico - Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela. Traços desse caldeirão cultural estão presentes em excelentes produções de Bado tais como ‘Porto das Esperanças’, Amazônia em Canto’, ‘Aldeia de Sons’, ‘Gente da Mesma Floresta’ e ‘Mundos - 50 Anos’.

É marca indissociável de Bado, o compromisso de difundir o canto produzido na Amazônia, dando importância à construção de uma identidade musical, que universalize tons e sons. Em sua busca pela integração cultural de ritmos e sons de fronteiras, mais uma vez, Bado presenteia seu público com algo envolvente, amoroso e pedagógico, que transforma identidades culturais em poesia e melodia.

Edneide Arruda é jornalista.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Santos

Lenha na Fogueira com a morte do diretor de carnaval Laíla e Cachoeiras de Teotônio por Angella Schilling

Lenha na Fogueira com a morte do diretor de carnaval Laíla e Cachoeiras de Teotônio por Angella Schilling

Lenha na Fogueira O diretor de carnaval Luiz Fernando Ribeiro do Carmo, conhecido como Laíla, morreu de Covid nesta sexta-feira (18), aos 78 anos. ***

Lenha na Fogueira com Projeto de Lei em homenagem ao ator Paulo Gustavo

Lenha na Fogueira com Projeto de Lei em homenagem ao ator Paulo Gustavo

Lenha na Fogueira Olha só que notícia boa:*********O vereador Aleks Palitot se reuniu com o presidente da Funcultural, Márcio Miranda, Secretário da S

Lenha na Fogueira com o Vai La Sabido e  Mauricio de Sousa

Lenha na Fogueira com o Vai La Sabido e Mauricio de Sousa

Lenha na Fogueira Vai La Sabido foi reconhecido nacionalmente.**********Até que enfim o humorista Djalma foi reconhecido com seu programa “Vai Lá Sabi

Lenha na Fogueira com o Caminho das Águas e Evandro de Jesus

Lenha na Fogueira com o Caminho das Águas e Evandro de Jesus

Lenha na Fogueira  “Caminho das Águas”, projeto inédito envolvendo tecnologia, meio ambiente e educação, com patrocínio da Aegea Saneamento em Rondôni