Porto Velho (RO) sábado, 18 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Silvio Santos

HISTÓRIAS DO NOSSO CARNAVAL


15 anos do Galo da Meia Noite


O bloco carnavalesco Galo da Meia Noite está completando 15 anos desfilando no carnaval de rua de Porto Velho. O bloco que hoje é sucesso e só perde em foliões para a Banda do Vai Quem Quer nasceu praticamente como bloco de sujo no carnaval de 1993. A carnavalescas Magna Maria uma pernambucana da gema, que antes de vir para Porto Velho participava da diretoria do famoso bloco "Galo da Madrugada" em Recife, convenceu a uma galera que freqüentava o "Bar do 100...Pescoço" no bairro Caiari a criarem uma bloco no estilo do bloco pernambucano. Assim nasceu o "Galo da Madrugada", isso mesmo, o hoje Galo da Meia Noite nasceu com o nome do bloco de Recife. Acontece, que o nosso Galo da Madrugada apesar do nome desfilava apenas com instrumentos tocando samba, não tinha nada de frevo pernambucano, até porque seus integrantes eram remanescente do bloco de enredo "Mocidade do Caiari". Em novembro do mesmo ano, por sugestão da dona Zila e da Suely o nome foi trocado, para "Galo da Meia Noite" e em virtude do carnaval da praça, promovido desde 1989 pela Projeson na praça das Caixas D'água; do desfile da Banda do Vai Quem Quer que acontece no sábado e dos desfiles das escolas de samba Pobres do Caiari, Diplomatas do Samba e Castanheira que polemizavam a cidade a alternativa encontrada pelos foliões do Galo da Meia Noite foi desfilar na quinta feira.

O bloco começou a se transformar no sucesso que é hoje, graças a chegada em Porto Velho do carnavalesco carioca André Cezario que convenceu o Caula a transformar o bloco em bloco de marchinha carnavalescas, frevo e samba enredo, a idéia do André com o Caula era a cada ano colocar como tema uma marchinha famosa, assim aconteceu nos dois primeiros anos do novo estilo com os temas "Mascara Negra" e "Pirata da Perna de Pau" e assim o Galo da Meia Noite chega ao carnaval de 2007. "Em seus muitos temas o Galo em configuração plural, mostrou suas muitas caras. Já tomu porre e saiu (desfilou) porre; Se meteui a besta, vestiu a camisa do escrte canarinho; Mais tarde, irreverente dançou na boca da garrafa; Arrumou as malas foi ao cai n'água, embarcou numa nau e se fez descobridor, foi Cabral em forma de "Piarata" da Perna de Pau; encarnou Pirrot apaixonado e se travestiu de Louro José; Tem até pecha de que para muitos ele é Gay, aí o bicho pega.

Essas e outras histórias do Galo vamos ficar sabendo em detalhes na entrevista do Edson José Caula Presidente do Bloco nos concedeu na ultima quinta feira

HISTÓRIAS DO NOSSO CARNAVAL - Gente de Opinião
E N T R E V I S T A


Zk – Conta como foi realmente que surgiu o Bloco Galo da Meia Noite?

Edson José – a idéia inicial foi da pernambucana Magna Maria Oliveira, irmã do carnavalesco Flávio Daniel que com a extinção do Bloco "Mocidade do Caiari" trouxe a idéia de se criar um bloco de empolgação com o nome de "Galo da Madrugada".


Zk – Galo da Madrugada?

Edson José – A questão, foi que ela como pernambucana queria fazer uma homenagem a um dos maiores blocos da sua terra natal e de cuja diretoria fez parte antes de vir residir em Porto Velho. A principio foi aceito por todos nós, que reunidos no "Bar do 100...Pescoço" aceitamos a sugestão e no carnaval de 1993 apresentamos a novidade aos foliões do bairro Caiari.


Zk – E o nome Galo da Meia Noite como foi que surgiu?

Edson José – Esse nome Galo da Meia Noite quem sugeriu foi a Zila Maria juntamente com a Sueli esposa do Ledão justificando que o nome Galo da Madrugada já existia em Recife e que a gente deveria criar um novo nome para o Bloco, todos concordaram e hoje estamos completando 15 anos como Galo da Meia Noite.


Zk – Porque vocês preferiram desfilar na quinta feira de carnaval?

Edson José – É o seguinte, tem várias questões: Tinha o Carnaval da Praça que era organizado pela Projesom e acontecia na praça das Três Caixas D'água; no sábado o desfile da Banda do Vai Quem Quer e no domingo os desfiles das escolas de samba Caiari e Diplomatas que era muito concorrido. Sobrou pra gente, a Quinta Feira.


Zk – No inicio o bloco desfilava tocando marchinhas, ou era outro estilo de música?

Edson José –Nos seis primeiros anos o bloco desfilava com instrumentos de escola de samba mesmo. O percurso era o seguinte: Descendo a Ladeira da Rogério Weber, Sete de Setembro, Mal Deodoro, Carlos Gomes o interessante era que o desfile se acabava no carnaval do Bangalô (Bar) que era na esquina da Carlos Gomes com a Tenreiro Aranha. Tem uma hostorinha aí.


Zk – Vamos a ela?

Edson José – Geralmente a maioria dos brincantes quando o bloco chegava no Bangalô, caia na folia e largavam os instrumentos pelo caminho um ou outro chegava no Bar do 100...Pescoço com seu instrumento e o abestado aqui ficava com o Bar aberto esperando o retorno do Bloco que nunca chegava.


Zk – Esse estilo permaneceu até quando?

Edson José – Até o carnaval de 1998, o Galo se apresentava com vários estilos musicais, Axé, Marchinhas, Samba Enredo; fizemos tema sobre Copa do Mundo, a Dança da Garrafa, da Bundinha e tantos outros. a partir e 1999 houve a grande mudança a través da nossa pessoa e do carnavalesco carioca André Cezario que este ano assina o carnaval da escola de samba "Porto da Pedra" do Rio de Janeiro. Pois bem! Eu e o André achamos por bem criar um estilo musical definitivo pro Galo e a opção foi trabalhar com marchinhas carnavalescas tradicionais, samba enredo e frevo e as marchinhas feitas pelos compositores de Porto Velho para bloco.


Zk – Antes o Bloco apresentava alegoria, fala sobre esse fato?

Edson José – Ocorreu foi que a partir do carnaval de 2003, alguns presidentes passaram pelo bloco e não tinham a idéia de permanecer com a alegoria que é o símbolo maior do bloco.


Zk – Isso que dizer que com sua volta a presidência vamos ver novamente a alegoria do Galo?

Edson José – É claro! Até porque fazer alegoria é minha praia e este ano como estamos comemorando os 15 anos do Bloco não poderíamos deixar de apresentar a alegoria que há três anos não é colocada. Posso garantir que a alegoria do Galo da Meia Noite já está sendo confeccionada.


******


Zk - Vamos voltar no tempo. Quem foi que colocou o Galo pela primeira vez na avenida ou seja, quais os fundadores da agremiação?

Edson José – Quem colocou o Galo pela primeira vez foram o Jorge Caula (Boquinha) e Marcio Pontes (993/94). Agora, os fundadores foram: Magna Maria; Carlos Castro (Carlinhos Mocidade); Francisco Neto (França); Marcio Pontes, Jorge Caula e Edson Caula.


Zk – E o Buchada?

Edson José – Por freqüentar o Bar do 100...Pescoço assim como vários colegas do bairro, nós consideramos essas pessoas que passam de cinqüenta como os primeiros foliões do Bloco. Porém o Buchada fez parte da primeira diretoria executiva do Bloco o que não tem nada a ver com fundação. Nessas condições poderemos citar outras pessoas...


Zk – Quais?

Edson José – Paulo Santana; Young Blood; André Cezario; Joyce Castro; Suerda Mônica; Ernane Segismundo, Claudio Castro.


Zk – E a dona Yolanda. Podemos dizer que ela também é fundadora do bloco?

Edson José –Claro! Ela é a eterna madrinha, é que reza pelo Galo, orienta todos os diretores, chora, já assumiu por várias vezes as despesas. cede o terreiro para os ensaios e inclusive, nos orienta a não entrar em conflito com alguns ex diretores. Ela realmente é a nossa principal fonte de inspiração, basta lembrar que hoje está residindo em Goiânia mas quando chega o tempo dos ensaios ela vem pra Porto Velho só para ficar nos orientando como proceder.


Zk - Vamos falar dos compositores. Partir de que ano o bloco saiu cantando marchinhas próprias?

Edson José – Foi a partir do carnaval de 2000 quando o Bainha compôs a marchinha "Alô Seu Cabo Omar", Aliás, o Bainha, Oscar e Zé Baixinho e essa marchinha se transformou no hino do bloco. em 2002 resolvemos convidar alguns compositores a participar do CD em comemoração aos 10 anos do bloco e aí fizemos um CD com músicas do Bainha, Zé Baixinho, Oscar, Ernesto Melo, Silvio Santos, Cabo Sena, Zezinhlo Maranhão, Segismundo, Burrochagas, Mávilo Melo e Dr. Felicio.

HISTÓRIAS DO NOSSO CARNAVAL - Gente de Opinião
Zk - E o carnaval deste ano 2007?

Edson José – Pois é, os 15 anos o Galo vai estar completo, com alegoria, Trio quarenta Grau da Projesom, carro de apoio, kit fantasia e a segurança que é um fator primordial para o sucesso do bloco além de contarmos com o apoio da Policia Militar.


Zk – Qual a programação para este ano?

Edson José – Todos os sábados a partir das 18 horas até a 23 horas as pré-carnavalescas do Galo, sendo que sexta pré-carnavalescas acontecerá a escolha da Musa do Galo no próprio terreiro do Galo ou seja a Rua Rogério Weber no bairro Caiari. No dia de fevereiro no Balneário Papo de Esquina acontece um baile carnavalesco quando vamos escolher nossa Rainha. No domingo e terça feira de carnaval acontece no Clube Cabanas bailes carnavalescos para as crianças.


Zk – Vem cá, vai acontecer aquele famoso coquetel de lançamento do kit para a imprensa?

Edson José – Exatamente. Esse evento será realizado na casa de shows Mandacaru que fica na rua Guanabara em frente ao Takeda, no dia 8 de fevereiro uma quinta feira.


Zk – Por falar em kit fantasia. quanto custa e onde adquirir?

Edson José – Custa apenas 40 reais em pagamento único com direito a quatro latas de cerveja Skol patrocinadora do Galo e quem for ao clube Kabanas nas quatro noites de carnaval, com o kit fantasia do Galo, vai pagar metade do ingresso. O endereço para aquisição é Rogério Weber, 2597 bairro Caiari ou durante os ensaios que acontece todos os sábados também no bairro Caiari.


Zk – Além de tudo que você já falou acho que está faltando citar algumas pessoas que participaram do bloco quando ele ainda era considerado pequeno?

Edson José – É claro que temos que agradecer aos moradores do bairro Caiari além dos que de uma maneira ou de outra colaboraram com a agremiação como, dona Raimundinha; o saudoso Cabo Omar; Vava; Ocimar; Marcelo; Nildo; Zezinho; Ledão; Suely; Mauro; Eliana; Manelão que sempre colocou a disposição do Galo um carro de som, em especial ao Carlinhos Camurça um eterno parceiro e muitas outras pessoas cujos nomes não lembramos no momento.


Zk – Para encerrar, não tem um fato pitoresco que aconteceu nos ensaios ou durante o desfile e mesmo nos bastidores do Bloco?

HISTÓRIAS DO NOSSO CARNAVAL - Gente de Opinião
Edson José – Além de algumas separações de casais, o Galo também atuou como cupido para várias pessoas como é o caso do advogado Ernane Segismundo e a hoje sua esposa Luciana Oliveira. O amor dos dois começou num ensaio do Galo da Meia Noite e dura até hoje.


Zk – E o Cabo Omar?

Edson José – O fato que me chamava muita atenção, acontecia com o Cabo Omar. Acontece que quando o bloco saia ou estava para sair ele ficava dançando no quintal de sua casa. Ele de uns tempos para cá passou a amar o Galo de verdade, ele chagava a chorar emocionado com o desfile do bloco. Quando ele ouviu o bainha puxar a marchinha "Alô Seu Cabo Omar" pela primeira já em cima do trio e na hora da largada do bloco, ele quase bate as botas, foi ele quem me contou dessa emoção. Por muitos anos quando o bloco retornava, ele me chamava e entregava uma grade cerveja (24 garrafas) para ser servida para os músicos, poucos tomavam conhecimento desse gesto do Cabo Omar que durou até ele morrer.


Zk – Nos 15 anos o Galo é Gay ou é etéreo?

Edson José – O tema é uma sátira em cima da própria história do Galo da Meia Noite, haja vista que Galo não debuta e mesmo assim estamos colocando em dúvida a questão da homossexualidade do Galo, agora, se é ou não é quem deve dizer é o público durante os desfiles, com certeza, uns vamos dizer que o Galo é Gay e outros que macho pra chuchu. O Bainha em sua marcha diz que é Gay o Ernesto Melo até esculhamba em sua letra que o chama de Gay. O Galo é o Galo seja de que maneira for. Nossa missão é fazer o povo feliz na quinta feira de carnaval.

zekatraca@diariodaamazonia.com.br

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Santos

Festa pelos oitenta anos  de Bainha o rei do samba - Por Zekatraca

Festa pelos oitenta anos de Bainha o rei do samba - Por Zekatraca

A comunidade do samba em Porto Velho, festeja na noite deste sábado 18, com o apoio da prefeitura de Porto Velho via Funcultural, o aniversário

Federon agradece apoio ao Flor do Maracujá - Por Zekatraca

Federon agradece apoio ao Flor do Maracujá - Por Zekatraca

A Federação de Grupos Folclóricos do Estado de Rondônia – Federon, somente esta semana, fechou as planilhas com as notas dos jurados conferidas ao

Aluízio Batista Guedes - Diamante Negro – A vitória da superação no Flor do Maracujá

Aluízio Batista Guedes - Diamante Negro – A vitória da superação no Flor do Maracujá

O presidente do Boi Bumbá Diamante Negro campeão da XXXVII Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás que aconteceu de 27 de julho a 5 de agosto, no Arraial F

Bainha - O Menestrel do samba completa 80 anos com muito vigor - Por Zekatraca

Bainha - O Menestrel do samba completa 80 anos com muito vigor - Por Zekatraca

Era o dia 11 de agosto de 1938, e o soldado Pinheiro foi chamado as pressas à maternidade da unidade militar do Forte Príncipe da Beira pois sua