Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Silvio Santos

Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca


Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca  - Gente de Opinião
Dona Maria festejou no último dia 4 de dezembro, dia de Santa Bárbara, Bodas de Vinho – 70 anos de casada com o seu Euro Tourinho, acompanhamos via coluna do jornalista Ciro Pinheiro toda comemoração e então resolvemos contar a história da Dona Maria do Carmo Kang Tourinho, filha de pai chinês e mãe amazonense que casou aos 15 anos de idade em Manaus e veio para Porto Velho com seu marido em 1944. Guarda Livro formada (hoje a denominação é Contador), por indicação de um vizinho, conseguiu emprego no governo do Território Federal do Guaporé, trabalhou na Mesa de Renda (hoje Receita Federal) e finalmente como contadora da Ceron onde após 46 anos, prestando serviço como funcionária do governo se aposentou. “Ensinei os seringueiros do Seringal Minas Nova a fazer farinha”.

Participaram da entrevista que foi gravada na manhã da última sexta feira dia 27, o jornalista editor de cultura deste Diário Analton Alves e a fotografa Ana Célia Santos. Foram minutos de aula de simplicidade, história e de como se deve proceder para chegar às Bodas de Vinho muito bacana, como diz dona Maria. Conheçam a história da matriarca do clã Kang Tourinho!


 

E N T R E V I S T A

Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca  - Gente de Opinião

Zk – De onde vem o nome Kang?

Maria Tourinho – Meu pai que era chinês, veio com os ingleses em busca de ouro numa localidade do estado do amazonas que ficava onde hoje é Boa Vista – Roraima. Passado algum tempo casou com uma brasileira que era de lá, dona Benedita Rodrigues. Depois de muito tempo, ele deixou os ingleses e foi morar em Manaus cidade onde nasci no dia 22 de junho de 1927 no bairro da Cachoeirinha que ainda existe e está muito bonito. Depois fui estudar no colégio Santa Dorotéia, me formei com 15 anos de idade.

Zk – Se formou em qual especialidade?

Maria Tourinho – Naquele tempo não se chamava contador era Guarda Livro. Do bairro Cachoeirinha, fomos morar na cidade, perto do Porto de Manaus e aí conheci o Euro. Ele foi estudar em Manaus e como não tinha mais internato no colégio Dom Bosco foi morar numa casa com outros estudantes. Acontece que teve que servir o exército e os colegas indicaram o restaurante do meu pai onde passou a fazer suas refeições diárias. Fomos nos conhecendo, ele era um rapaz muito bacana. Quando me formei ele achou que devíamos casar, meu pai concordou e estamos juntos até hoje.

Zk – Qual o motivo da mudança para Porto Velho?

Maria Tourinho – O pai dele faleceu e nós viemos pra cá, isso foi em dezembro de 1944. O pai dele era seringalista dono do seringal Minas Nova.

Zk - Quer dizer que seu Euro Tourinho foi seringalista?

Maria Tourinho – Seringalista, seringalista não pode ser considerado, porque ele não entendia do assunto, tanto que ficamos no seringal aproximadamente uns seis anos. No pouco tempo que fiquei lá fiz muito coisa, por exemplo, ensinei os seringueiros a fazer farinha de macaxeira, com isso eles não compravam mais a farinha que vinha de Belém naqueles paneiros o que significava boa economia.

Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca  - Gente de Opinião

Zk – Fixaram residência em Porto Velho?

Maria Tourinho – Sim! Quando fiz 20 anos de idade já existia o governo do Território Federal do Guaporé e tinha um vizinho muito bom o Glauco que era funcionário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, certa vez ele questionou, por que eu não arranjava um emprego no governo, respondi: porque não conheço ninguém pra chegar lá e pedir um emprego. Então ele disse, vou arranjar emprego pra senhora e arranjou. O governador era o Araújo Lima. Foi muito rápido, fui ao palácio e me disseram, você vai traz seus documentos, no outro dia já estava trabalhando no governo do território.

Zk – Em qual repartição?

Maria Tourinho – Primeiro fui secretária do Secretário Geral (que era como se fosse o vice governador de hoje), depois assumi como chefe da seção do pessoal, onde fiquei subordinada ao Anísio Gorayeb na seção de material. Depois me mandaram pra Receita Federal que naquele tempo era chamada de Mesa de Renda Alfandegária onde passei uns quatro anos e me chamaram de volta pro governo

Zk – Como foi que a senhora foi parar no Serviço de Água, Luz e Força do Território – SALFT?

Maria Tourinho – Foi caso de política, meu marido era da UDN e então fizeram eu ficar a disposição do SALFT. Foi passando o tempo até que criaram a Centrais Elétricas de Rondônia – CERON. Separaram a energia da água criando também a CAERD. Foram 46 anos de serviços prestados ao governo do Território Federal do Guaporé/Rondônia.

Zk – Como era a vida social em Porto Velho naquele tempo?

Maria Tourinho – Tinha o Internacional que era um Clube muito chique, o Ypiranga, depois veio o Ferroviário, Bancrévea. Eu e o Euro frequentávamos todos. Tinha as avós Eulália e Bené que assumiram as crianças pra mim, tive nove filhos, oito homens e uma mulher e elas ficavam com as crianças enquanto a gente ia pras festas, era uma vida muito boa.

Zk – Essa filharada toda estudou aonde?

Maria Tourinho – Meus filhos estudaram no Barão do Solimões, Duque de Caxias depois foram pro Dom Bosco. Naquela época não tinha Faculdade aqui e quem quisesse continuar, tinha que ir pra fora estudar e assim a maioria dos meus filhos foi estudar fora. Uns em Manaus, outros em Belém, só dois não fizeram faculdade o Euromar (Mazinho) e o Eros que preferiram trabalhar com tipografia. Na família existem cinco pessoas formadas em medicina, dois filhos e três netas. Advogado são oito.

Zk – Como era conviver com o melhor colunista social da cidade e seu caderninho azul?

Maria Tourinho – O interessante, é que ao contrário do que muitos pensam, ele não levava o famoso caderninho azul para os eventos, gravava tudo na cabeça e quando chegava em casa é que passava pro caderninho pra não esquecer,

Zk – Vocês eram cutuba ou pele curta?

Maria Tourinho – Eu não seguia nenhuma facção política e o Euro era da UDN. A denominação Cutuba era usada com os correligionários de Aluízio Ferreira e Pele Curta para os seguidores de Renato Medeiros. O Euro viajava muito pelo baixo Madeira fazendo política udenista.

Zk – Quando a senhora trabalhava na Ceron era muito popular. Nunca passou pela sua cabeça se candidatar a qualquer cargo político?

Maria Tourinho – Não! Eu não suportava, ia votar porque era obrigada. Até hoje voto, mesmo já tendo passado da época.

Zk – A senhora chegou a exercer algum cargo no Grupo Tourinho?

 Maria Tourinho – Não, só trabalhei no governo e em casa que era para suprir os estudos dos meninos fora de Rondônia e você sabe que não é mole não. Nunca passou pela minha cabeça essas coisas de ah eu vou ser isso, vou ser aquilo. Deixa eu no meu lugar sossegada. Na família quem foi candidato foi meu cunhado o Luiz Tourinho.

Assista entrevista Sérgio Mello no Papo News
da TV Candelária/Record, canal 11 de Porto Velho-RO

Zk – Como foi que aconteceu o processo que culminou com a aquisição do jornal O Alto Madeira?

 Maria Tourinho – A compra do Alto Madeira foi decidida entre o Luiz e o Euro. Naquele tempo o jornal pertencia ao Assis Chateaubriand que era o dono Dos Diários Associados. Quando ele morreu os sócios resolveram vender o patrimônio montado por ele que era formado em sua maioria por empresas de comunicação, rádio, jornal e televisão.

Zk – É verdade que o diretor do jornal a época senhor Arnaldo conhecido também como “Pombo Branco”, não queria que o seu Euro assumisse a direção?

Maria Tourinho – É a pura verdade! Ele queria passar a direção pro outro lado político, foi preciso o Euro ir ao Rio de Janeiro falar com o Chateaubriand. Devo dizer que o Euro era muito querido pelo Assis e assim quando o Arnaldo deixou o jornal para retornar a sua cidade natal que era o Rio de Janeiro, por ordem de Assis Chateaubriand o Euro assumiu a direção do Jornal O Alto Madeira de Porto Velho.

Zk – Vamos voltar no tempo. Como foi a sua infância em Manaus a senhora lembra?

Maria Tourinho – Lembro sim, minha mãe era muito bacana apesar de não ser formada, meu pai que era cozinheiro muito afamado em Manaus. Meu pai era tão famoso como cozinheiro, que quando o presidente Getúlio Vargas esteve lá o governador foi à procura dele para ir fazer o almoço e o jantar para o Getúlio.

Zk – E ele foi?

Maria Tourinho – Ele respondeu ao governador que não ia lá, que poderia fazer no seu restaurante. Resultado, quando Getúlio chegou em Manaus à equipe de segurança destacou aquele guarda costa famoso Gregório para acompanhar os preparativos do cardápio na cozinha do restaurante do meu pai, depois levaram as panelas com tudo pronto para o local onde foi servido o almoço e o jantar.

Zk – A senhora ajudava no restaurante, chegou a aprender a culinária chinesa?

Maria Tourinho – Meu pai me ensinava, acontece que passava a maior parte do tempo estudando e quando ia pro restaurante era na hora do almoço e ficava no Caixa tinha muito freguês. Quanto à culinária chinesa não aprendi não, até porque meu pai trabalhava mais a culinária brasileira. Quando era mais jovem gostava de cozinhar e fazia de tudo, hoje com a idade que estou não faço mais nada, sou uma cidadã que trata de cortar os temperos pra minha nora, minha filha e para meus filhos que gostam de cozinhar todos eles.

Zk – E o carnaval no tempo dos clubes sociais, Ypiranga, Internacional e outros?

Maria Tourinho – O carnaval de clube era bom demais, apesar de nunca ter brincado em nenhum bloco, gostava de frequentar os bailes carnavalescos, inclusive fantasiada. Gostava também de assistir os desfiles na avenida Presidente Dutra e depois na Sete de Setembro. Só não gostava quando jogavam lança perfume nos meus olhos, tinha essa brincadeira que era muito chata.Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca  - Gente de Opinião

Zk – A senhora falou que ensinou os seringueiros do Seringal Minas Nova a fazer farinha. E quem lhe ensinou?

Maria Tourinho – Acontece que aprendi com uma senhora daqui, ela reunia o pessoal em sua casa ralando macaxeira, tirando tucupi no tipiti, torrando, sempre eu ia pra lá e fui aprendendo. Quando fui morar no seringal com o Euro notei que os seringueiros tinham que comprar a farinha que vinha de Belém, Manaus a bordo dos navios que naquele tempo eram bonitos, tinha o Lobo D’Almada, Leopoldo Peres, Augusto Monte Negro, Chata Cuiabá e outros, ao chegar aqui desembarcavam a farinha no Plano Inclinado e embarcavam no trem da Madeira Mamoré no nosso caso, os paneiros eram desembarcados na estação de Jacy Paraná e de lá embarcados no motor do seringal juntamente com charque, pirarucu, feijão e outras mercadorias que eram levadas até o seringal. Ao ver aquele sacrifício, além de descobrir, que os seringueiros plantavam muita macaxeira, resolvi ensina-los a fazer farinha o que foi fácil daí então, eles passaram a economizar, porque não precisavam comprar farinha no barracão do seringal.

Zk – Qual a receita para se chegar aos 70 anos de casada, comemorar Bodas de Vinho?

Maria Tourinho – Olha menino, tinha meus filhos e uma mãe e uma sogra que até hoje rezo por elas. Nunca brigaram, nunca tiveram uma discussão, era aquela amizade. Quando havia qualquer desavença entre eu e o Euro que elas desconfiavam, a gente tomava o maior cuidado para elas não notarem que a gente estava de banda, então elas entravam em ação. Minha sogra falava com o ele e minha mãe falava comigo. Minha mãe era sempre a favor dele e mãe dele a meu favor. É difícil até hoje, a gente ver tanta amizade entre as sogras, os genros e as noras. Outra, nós nunca tivemos briga de escandalizar de dizer um pro outro, você vai embora daqui.

Zk – Quem é mais ciumento?

Maria Tourinho – Sou eu né! Não é ciúme, é falta de responsabilidade e educação. Agora não tem mais nada disso não. De uns dez anos pra cá não existe mais ciúme. Acontece que as meninas gostavam dele naquele tempo que tinha muito dinheiro, mas de uns tempos pra cá o assédio parou. Mas, nunca aconteceu da gente chegar ao ponto de falar em separação, acho que foi por isso que chegamos aos 70 anos de casados e se Deus quiser vamos chegar mais longe. Ele vai fazer 92 anos agora em janeiro. O Euro é muito bacana!

Entrevista de Maria do Carmo Kang Tourinho ao jornalista Zekatraca  - Gente de OpiniãoZk – Nesses setenta anos de casados você viajaram muito?

Maria Tourinho – Quando fizemos 50 anos de casados, ganhamos uma viagem pra Europa. Certa vez fizemos um tour de carro por praticamente todo o Brasil. Éramos eu e o Euro e a Ligia com o Luiz. Saímos daqui para Campo Grande e fomos até o Rio de Janeiro, na volta a Campo Grande resolvemos continuar e então fomos no rumo do Rio Grande do Sul passando por uma bocado de cidades e estados, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro de novo, São Paulo, Goiás, foi uma verdadeira aventura. Quando chegava a noite que deitava na cama do hotel e olhava: Oh meu Deus do céu tomara que eu chegue em casa. A Lígia também dizia pra mim: Olha Maria tá muito bom, muito bacana, mas, não aguento.

Analton Alves – O que lhe da saudade da Porto Velho de antigamente?

Maria Tourinho – (emocionada). Da nossa amizade com os nosso vizinhos, com a mãe José Adelino, a outra vizinha que era judia e foi minha parteira dona Piedade ô mulher bacana, seu Chico que tinha armazém que vendia as coisas pra gente, era muito bom aqui. Tinha o Café Santos. Sempre o Euro ligava dizendo: Filha (ele sempre me chamou de filha) vem pra cá, eu ia pro jornal e depois a gente ia pro Café Santos, eles bebiam enquanto eu só comia uns pasteizinhos com guaraná Andrade.

Analton Alves – O que a senhora não gosta hoje de Porto Velho?

Maria Tourinho – Dessa política safada, que não paga os funcionários com um vencimento digno. Só roubam, fazem tudo que não presta. Fico com uma raiva danada quando voto num candidato e ele passa a fazer safadeza. Peço sempre a Deus que meus filhos não se metam em política. Até agora Deus tem me ouvido.

Zk – Para encerrar essa conversa. Gostaria que a senhora deixasse sua mensagem de Ano Novo pode ser?

Maria Tourinho – Que todos sejam amigos dos amigos. Se o seu marido é um homem de caráter, homem bom siga-o que é muito legal. Eu pelo menos sou católica, apostólica romana, não sou de lá sou do Brasil. Minha mãe era muito católica e me instruiu muito juntamente com minha sogra. Se o seu marido for bom pra você não seja apenas esposa, mas, também amiga.

Zk – São quantos filhos, quantos netos e quantos bisnetos?

Maria Tourinho – Filhos são nove, oito homem e uma mulher dos quais apenas seis estão vivos. Netos 34. Bisnetos 26.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Santos

Lenha na Fogueira com o filme "O Pecado de Paula" e os Editais da Lei Aldir Blanc

Lenha na Fogueira com o filme "O Pecado de Paula" e os Editais da Lei Aldir Blanc

A Fundação Cultural do Estado de Rondônia (Funcer), realiza neste sábado (16), o ensaio para a gravação do filme em linguagem teatral "O Pecado de Pau

Lenha na Fogueira com o Museu Casa Rondon e a eleição da nova diretoria da FESEC

Lenha na Fogueira com o Museu Casa Rondon e a eleição da nova diretoria da FESEC

Entrega da obra do Museu Casa Rondon, em Vilhena.  A finalidade do Museu é proporcionar e desenvolver o interesse dos moradores pela rica história

Lenha na Fogueira com o Dia de Nossa Senhora Aparecida e o Dia das Crianças

Lenha na Fogueira com o Dia de Nossa Senhora Aparecida e o Dia das Crianças

Hoje os católicos celebram o Dia de Nossa Senhora Aparecida a padroeira do Brasil. Em Porto Velho as celebrações vão acontecer no Santuário de Apareci

Jorgiley – Porquinho o comunicador que faz a diferença no rádio de Porto Velho

Jorgiley – Porquinho o comunicador que faz a diferença no rádio de Porto Velho

Tenho uma maneira própria de medir a audiência de um programa de rádio. É o seguinte: quando o programa ecoa na rua por onde você está passando, dando