Porto Velho (RO) quarta-feira, 22 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Silvio Santos

CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou


 CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

 
Por Silvio M. Santos
(fotos de Ana Célia)

Vamos re-publicar em agradecimento ao centenário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, a matéria que produzimos e foi publicado na edição do dia 30 de abril deste ano, do jornal Diário da Amazônia em página espelhada: “EFMM: O centenário da ferrovia que não deveria parar” e que nos possibilitou estar em Manaus no próximo dia 3, participando da festa da premiação do Prêmio Milton Cordeiro de jornalismo impresso.

O Diário da Amazônia através desse colunista é o único jornal impresso de fora do estado do Amazonas, classificado para a finalíssima. Sexta feira a noite, durante a solenidade de premiação, esperamos ouvir os apresentadores anunciarem: “O Prêmio Milton Cordeiro de jornalismo impresso,  vai para Silvio Santos do Jornal Diário da Amazônia”. Para chegar a essa etapa do Milton Cordeiro, contamos com a colaboração da fotógrafa Ana Célia.

Na edição de hoje vamos reproduzir apenas o resumo da reportagem que publicamos e que está nos proporcionando tão importante premiação a nível regional:

 

 CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

EFMM: O centenário da ferrovia que não deveria parar

Há exatamente cem anos, era assentado o último dormente da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, no ponto final em Guajará Mirim, 30 de abril de 1912. “Entre entusiasmados discursos, autoridades presentes saudavam o término da construção dos 364 km de via férrea, um prego de ouro foi simbolicamente batido no último dormente”, Matias Mendes no livro “Pioneiros”. Terminava ali após várias décadas, o sacrifício dos produtores de borracha e outros produtos brasileiros e bolivianos, de arriscarem vidas subindo e descendo as cachoeiras existentes no trecho  dos rios Madeira e Mamoré entre Santo Antônio e Guajará Mirim.

Ao longo desses cem anos de existência, a Estrada de Ferro Madeira recebeu vários codinomes, entre eles: Ferrovia do Diabo, A Estrada dos Trilhos de Ouro, aquela que Cada Dormente Representa uma Vida, Ferrovia de Deus e assim por diante.

O que pretendemos com essa matéria, é chamar a atenção de quem de direito, para o potencial turístico que representa “A Sucata da Estrada de Ferro Madeira Mamoré”, de como poderemos transformar em geração de renda e emprego o que ainda resta da lendária ferrovia. 

Não precisamos ir muito longe para confirmarmos o que citamos acima, basta ir à Praça da Madeira Mamoré aos finais de semana, para ver o quanto as pessoas gostam de apreciar, tocar, fotografar enfim, de registrar de alguma maneira, os vagões, litorinas, prédios da estação, armazéns, o plano inclinado e as locomotivas. É comum encontramos crianças e adultos se equilibrando em cima dos trilhos assim como casais namorando dentro dos vagões. A oficina é outra atração turística, pois ali podemos ver tornos, fresas e outras máquinas que fabricavam as peças de reposição das locomotivas e de todas as composições da Ferrovia, sem falar na exposição de ferramentas, fotografias, e apetrechos utilizados pela administração no que denominam de “Museu da EFMM” existente no galpão nº 1. Infelizmente esse “Museu” ninguém sabe explicar, só abre aos domingos à tarde. 

 

CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

Sucata – Atração turística que vale ouro

Para quem gosta de praticar o turismo de trilha, podemos indicar a caminhada pelos trilhos e dormentes entre a estação em Porto Velho até a Vila de Santo Antônio. Nesse trecho o turista vai se deparar com o maior crime já cometido contra o patrimônio histórico de Rondônia e brasileiro. Ali estão jogadas locomotivas, guindastes, vagões de carga e passageiros, vagões de lastro e tantas outras peças, que durante sessenta anos transportaram cargas e passageiros da Bolívia, Guajará Mirim, Vila Murtinho, Colônia do Iata, Abunã, Mutum Paraná, Jacy Paraná, e Porto Velho.

Essa sucata se bem explorada, com certeza vai gerar divisas e emprego, basta à prefeitura de Porto Velho ou o governo estadual mandar limpar, tirar o mato que cobre todo o acervo, pintar nas cores originais e colocar a disposição dos turistas guias especializados em Madeira Mamoré além, é claro, de colocar o trem trafegando pelo menos de Porto Velho a Santo Antônio. 

 

CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

Guajara Mirim & Iata, Vila Murtinho etc.

Em Guajará Mirim existe um movimento que a cada dia cresce mais, no sentido de sensibilizar o governo estadual a recuperar o trecho da Estrada de Ferro Madeira Mamoré que vai até o Iata. Nesse trecho o turista vai apreciar as belezas da serra dos Parecis ou Pacaás, além de conhecer a vila que por muitos anos, abasteceu de cereais, verduras e legumes as cidades de Guajará Mirim e Porto Velho. 

Ao contrário de Porto Velho, Guajará Mirim não tem o cemitério das locomotivas e composições da Ferrovia, ali se conserva o prédio onde funcionou a estação e o escritório da administração da Estrada de Ferro.

Além desse trecho, temos a Estação de Vila Murtinho que fica no município de Nova Mamoré. A estação de Vila Murtinho era a que mais dava lucro a empresa Madeira Mamoré, pois era ali que embarcavam os produtos oriundos do Departamento do Beni na Bolívia. Vale lembrar que é justamente em frente a Vila Murtinho que se encontram os rios Mamoré e Beni e desse encontro, nasce o Rio Madeira.

Abunã também é potencial turístico que precisa ser explorado, pois além da Estação da Madeira Mamoré é por lá que Rondônia tem acesso via terrestre, ao estado do Acre, é uma região rica na produção de castanha brasileira.

Jacy Paraná, talvez seja a cidade mais promissora das que nasceram ao longo dos trilhos da Madeira Mamoré, pois, em virtude da construção das Usinas  Hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio a Vila se transformou numa cidade promissora. Turisticamente falando, além da famosa ponte de Jacy, temos as ruínas da estação da Estrada de Ferro e a Caixa D’água que fica a aproximadamente 1 kg do centro da Vila, além do Rio Jacy considerado bom produtor de pescado.

 

CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

História  - A saga da construção da EFMM

Graças ao tratado de Petrópolis, assinado no dia 17 de novembro de 1903, a Estrada de Ferro Madeira Mamoré foi construída. “Os Estados Unidos do Brasil obrigam-se a construir em território brasileiro, por si ou por empresa particular, uma ferrovia desde o porto de Santo Antônio, no rio Madeira, até Guajará Mirim no Mamoré, com um ramal que passando por Vila Murtinho ou outro ponto próximo (Estado de Mato Grosso), chegue a Vila Bela (Bolívia), na confluência do Beni e do Mamoré. Dessa ferrovia, que o Brasil se esforçará por concluir no prazo de quatro anos, usarão ambos os países com direito às mesmas franquias e tarifas” Cláusula VII do Tratado de Petrópolis. 

Tudo isso aconteceu em virtude do litígio entre Brasil e Bolívia em torno das terras que hoje formam o estado do Acre. 

Na realidade, a idéia de se construir uma estrada de ferro para facilitar o escoamento da produção de borracha brasileira e boliviana que era feita no trecho encachoeirado dos rios Madeira e Mamoré, surgiu no ano de 1861, através do general boliviano Quentin Quevedo e do engenheiro brasileiro João Martins da Silva Coutinho que percorreram o rio Madeira. “A eles, pois, cabe a prioridade da sugestão de uma ferrovia que substituísse o trecho das cachoeiras do Alto Madeira” escreve Manoel Rodrigues Ferreira às páginas 63 do livro “A Ferrovia do Diabo”.

Esse sonho só começou a ser realizado em 1907, quando o empresário americano Percival Farquar após uma manobra que envolvia o engenheiro brasileiro Joaquim Catrambi ganhou a concorrência da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. 

A primeira estaca, aquela que deu inicio a construção da Estrada de Ferro, foi fincada no dia 23 de junho de 1907 em Santo Antonio e o prego (de ouro), que fixou seu último dormente foi batido no dia 30 de abril de 1912, porém, a inauguração propriamente dita, só aconteceu no dia 1º de agosto daquele ano com os trens trafegando entre Porto Velho e Guajara Mirim, na extensão total de 364 km.

 

O dia que a Maria Fumaça parou

Corria o ano de 1972 e o zum zum de que a Estrada de Ferro Madeira Mamoré seria desativada por completo, chegara ao Café Santos, ponto de encontro dos portovelhenses, que ficava na esquina das ruas Sete de Setembro e Prudente de Moraes. 

Ao iniciar o mês de julho as rádios e os jornais impressos começaram a divulgar uma nota da administração da Estrada de Ferro Madeira Mamoré convidando a população para a solenidade de encerramento das atividades da Estrada de Ferro que aconteceria no dia 10 de julho as 19h00. 

Exatamente as 19h30 do dia 10 de julho de 1972, as locomotivas que estavam no pátio da Estrada de Ferro em Porto Velho tocaram seus apitos durante cinco “longos” minutos. Foram 60 (sessenta) anos, percorrendo os 366 km de extensão da ferrovia, que levou o progresso para dezenas de localidades e transportou toneladas e toneladas de borracha, castanha e tantos outros produtos produzidos tanto pelos brasileiros como pelos bolivianos. Pois é, no dia 10 de julho de 1972 a Maria Fumaça parou. Parou mas, não foi totalmente desativada.

 

CENTENÁRIO: O Prêmio que a EFMM nos proporcionou - Gente de Opinião

Festa do Centenário 

Hoje o governo do estado de Rondônia através da Secretaria de Esportes, da Cultura e do Lazer – Secel em parceria com a prefeitura de Porto Velho e a Santo Antônio Energia, a partir das 7h00, a festa do centenário com vasta programação marcada para acontecer no Complexo da Madeira Mamoré com ato cívico, ecumênico, corrida do centenário e show musicais no palco que está montado na esquina da Farquar com a avenida Sete de Setembro. Salve o Centenário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré! 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Santos

Roberto da Rocha Matias:  A história dos 40 anos da quadrilha junina Rosa Divina

Roberto da Rocha Matias: A história dos 40 anos da quadrilha junina Rosa Divina

Ela é o único grupo de quadrilha junina, em atividade em Porto Velho, que participou da 1ª Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás realizada pelo governo d

Artista plástica Maria Antônia lançou “Aruaçu, o Sapo Cantador” - São João das Rainhas hoje no Clube da AEC

Artista plástica Maria Antônia lançou “Aruaçu, o Sapo Cantador” - São João das Rainhas hoje no Clube da AEC

Lenha na Fogueira  A respeito da pendenga entre a FEDERON e a SEJUCEL sobre a realização do Arraial Flor do Maracujá 2019.**********E como na edição

Lenha na Fogueira: Lançamento  22º Arraial Flor de Cacto - Grupos folclóricos têm  que confirmar apresentação no Flor

Lenha na Fogueira: Lançamento 22º Arraial Flor de Cacto - Grupos folclóricos têm que confirmar apresentação no Flor

Lenha na Fogueira  Pronto, agora está esclarecido. A XXXVIII edição da Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás – Arraial Flor do Maracujá, esta dependendo

Histórias da cidade onde nasci e vivo: O Prego de Ouro e o Menino Barrigudo - Saqueiro na feira

Histórias da cidade onde nasci e vivo: O Prego de Ouro e o Menino Barrigudo - Saqueiro na feira

Nesta edição damos continuidade às histórias que fazem parte do livro de minha autoria, que está prontinho para ser publicado, “PORTO, VELHO PORTO – H