Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Serpa do Amaral

O MAU AGOURO DA PRESENÇA DE ROOSEVELT ENTRE OS CINTA-LARGA


 

Por Antônio Serpa do Amaral Filho

Uma caravana composta por autoridades, políticos e convidados visitou recentemente a reserva Roosevelt para conhecer de perto as demandas sociais e ambientais dos indígenas. Em seu discurso, disse o nobre Procurador da República Reginaldo Trindade que, a partir da expedição realizada por Cândido Rondon e o polêmico presidente dos Estados Unidos, que dá nome à reserva, há um século, a paz nunca mais reinou para a comunidade Cinta-Larga. É de se afirmar, sem prestar excessiva homenagem ao fatalismo, que estava escrito nas estrelas. Ou pelo menos estava expresso no simbolismo de que se revestiu aquela empreitada paradoxal: um humanista e um imperialista juntos no meio da selva amazônica. 

A civilização é filha do simbolismo. E o simbolismo impresso na estampa da viagem já prenunciava por si só que coisa boa não iria acontecer dali pra frente. Dizem os relatos históricos que a viagem foi um desastre: houve desavença na equipe, dois carregadores morreram afogados, passaram fome, tiveram malária, tifo, beribéri, e o presidente norte-americano quase foi a óbito, desembarcando em Manaus, prostrado numa maca, à beira da morte.

Theodore Roosevelt concebeu a Política do Grande Porrete (Big Stick), não só para defender os interesses norte-americanos frente às potências estrangeiras, mas principalmente para fazer valer os interesses do imperialismo norte-americano na América Latina. E foi com a Política do Grande Porrete que os EUA intervieram em Cuba, Porto Rico, que foi anexado, na Nicarágua e no Panamá, onde construíram o famoso canal.

É patente para a maioria dos historiados que a política intervencionista de Roosevelt foi uma reinterpretação da Doutrina Monroe (a América para os americanos – leia-se: a América para os americanos do Norte). Roosevelt, ao erguer a clava como mérito da política de Estado, fez com que os norte-americanos passassem a considerar quase como um direito natural a prerrogativa e o poder de intervenção nos países latino-americanos.  Big Stick, portanto, é símbolo da Política da Porrada, da Bordoada, da Força Bruta, da Lei do Mais Forte! E ela foi utilizada na América Latina para fazer valer os interesses do Estado Norte-Americano e de suas empresas multinacionais.

Claro que Roosevelt não veio à amazônia com o intuito de divulgar sua ideologia do Big Stick, veio por razões supostamente científicas e espírito aventureiro. Mas, convenhamos, a parceria com Rondon resultou numa composição esdrúxula: um humanista militar de um lado, um imperialista defensor da força bruta como método de relação com os povos, de outro. Seria como colocar no mesmo barco a Madre Tereza de Calcutá e Benito Mussolini – guardadas, óbvio, as devidas proporções. Todos os valores invocados pelo Ministério Público Federal em Rondônia, em sua manifestação textual, são negados e renegados simbolicamente pela ideologia da Lei do Mais Forte, defendida, aplicada e alardeada por Roosevelt aos seus concidadãos. O Gringo não deveria ter vindo! Rondon poderia ter escolhido outro parceiro de viagem. Com o espírito da ganância e da prepotência entranhado na sua visão de mundo, o preposto capitalista do Tio Sam trouxe urucubaca aos povos da floresta.

Como reconhece o Procurador da República, a paz nunca mais reinou entre os aborígenes guaporés, desde então, porque a inhaca do simbolismo trouxe o mau agouro da presença de Roosevelt entre os bravos Cinta-Larga! Os historiadores podem até renegar essa tese empírica, mas os místicos, bruxos e pajés, com certeza, dirão que este escriba não está exagerando! A força bruta cercou as terras dos guerreiros e, ambicionando a imensa fortuna em diamante encravada naquela reserva, os partidários do método Roosevelt querem derrotar a esperança, os direitos humanos, a coragem, a bondade, a cordialidade, as tradições, os ritos sagrados, a dignidade, o comunismo primitivo, os costumes e crenças, e todos os valores que a razão aponta como sendo essenciais à convivência plural e harmoniosa com os esses brasileiros genuinamente autóctones!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Serpa do Amaral

Os Trapezistas do Circo da Fuleragem Assaltaram o Mercado Cultural

Os Trapezistas do Circo da Fuleragem Assaltaram o Mercado Cultural

O bafo sonoro do berimbau de lata repercutiu azedo e cativante ao mesmo tempo, enquanto Dom Lauro verbalizava um canto tribal, tomando para si o cocar

Manifesto de repúdio ao índex rondoniense

Manifesto de repúdio ao índex rondoniense

“No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente”.

Governo de Rondônia revive a Idade Média e cria Index de livros banidos

Governo de Rondônia revive a Idade Média e cria Index de livros banidos

Arvorando-se Papa da Idade Média, o secretário de Educação do Governo de Rondônia, Suamy Vivecananda Lacerda de Abreu, teria enviado para as agências

Nós vamos invadir sua praia!

Nós vamos invadir sua praia!

Sintético e instigante, eloquente e politizado, o curta Praia do Futuro, filme produzido em terras rondonienses por Joeser Alvarez e sua equipe, será