Porto Velho (RO) quinta-feira, 15 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Paulo Correia

10 anos sem Ivan Marrocos


Paulo Correia

Há alguns dias, um companheiro de boteco, sabendo que fui um dos maiores amigos de Ivan Marrocos, me confidenciou: \"um ativista cultural do Estado\" perguntou-lhe quem foi Ivan Marrocos e por quê o nome dele tinha sido dado à Casa Cultural do Estado, \"já que tantas outras pessoas se destacaram na área das artes em Rondônia e nenhum deles tinha sido lembrado por vereadores ou deputados para ganhar a honraria\". Na hora, pensei que o companheiro estava me gozando. Se a nova geração não sabe quem foi Ivan Marrocos e o que ele representou para o Estado, até aceito. Que me desculpe o historiador Francisco Matias, o fato é que pouco tem se procurado escrever e registrar a respeito daqueles que fizeram a História de Rondônia. E Ivan Marrocos foi um deles, com certeza, por tudo o que representou para o jornalismo da terrinha. Aliás, Ivan, como Lúcio Albuquerque, Evamar Mesquita, Montezuma Cruz, Paulo Queiroz, Carlos Henrique Ângelo, Teobaldo Viana (já falecido), Nonato Cruz, Cláudio Paiva, Valbran Júnior, Sérgio Pires, Nilton Salina, Ana Aranda, Mara Paraguassu, Antônio Queiroz, Antônio Pessoa, Marcelo Reis, Marcos Grutzmacher, Gomes Camarão, Carlos Araújo, Marcelinho, Ivalda Marrocos, Nelson Tawnes de Castro, José Wildes, Eliênio, Chico Clóvis, entre tantos outros (e que me desculpem os que não foram citados), ajudaram a escrever a História de Rondônia. Estou na profissão há 28 anos. Continuo sabendo pouco e realizando menos ainda. Mas tenho uma certeza – Ivan era um dos maiores profissionais do Brasil. Não apenas pela sua dedicação, lisura e conhecimento da profissão, mas principalmente por ter a dimensão exata dos caminhos que trilham aqueles que dirigem ou pretendem dominar o Mundo. Era, como se diz na gíria, \"um cara antenado\". Como jornalista, mesmo tendo completo conhecimento de como deveria e onde queria chegar, discutia pautas com quem quer que seja. Estava sempre aberto. E mostrava a possibilidade de trazer assuntos nacionais para a realidade regional. Fazia o puro jornalismo. Morreu cedo. Aos 11 de abril de 1995, aos 43 anos de idade. Mas deixou seu legado. Deu aos que ficaram por aqui a oportunidade de aprender – emuito – o que é fazer história através do jornalismo. Sem esquecer seu lado paternal, seu lado bonachão e principalmente seu lado humano.Para ele não havia culpado sem que antes se provasse a culpa de quem quer que seja. Ivan Marrocos foi, acima de tudo, um exemplo de vida. E um exemplo de como se fazer jornalismo sério.

FONTE: Jornalista Paulo Correa(www.gentedeopiniao.com.br)

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Correia

Homenagens ao PC

Homenagens ao PC

Um companheiro de verdade    (Montezuma Cruz)  A partir do momento em que gente ultrapassa a barreira dos 50 anos começa a se surpreender com notícias

Briga de Foice

Se, aparentemente, Ivo Narciso Cassol voa em céu de brigadeiro, sem maiores tormentas a não ser alguns arrufos da senadora petista Fátima Cleide, o me

Graves...

Publicadas nas edições de sexta (19) e sábado (20) do jornal Folha de Rondônia, as denúncias do Conselheiro do Tribunal de Contas Amadeu Machado são m

O vil metal...

Ninguém em sã consciência vai negar que a queda de braços entre o governador Ivo Cassol e o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Carlão de O