Porto Velho (RO) domingo, 27 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

Vale arriscar?


Vale arriscar? - Gente de Opinião

O projeto de lei do governo estadual criando um Refaz que beneficia grandes empresas com grandes dívidas tributárias em Rondônia, ainda vai dá muito o que falar. Até porque uma das beneficiadas é a concessionaria Energisa substituta da gestão da Eletrobrás na antiga Ceron.

A Energisa é uma empresa mineira com décadas no mercado energético e com presença em vários estados do país. E chegou aqui após comprar a Ceron por um valor simbólico de R$ 50 mil. Isso, por assumir todo o passivo acumulado em anos de má gestão e delapidação.

Mas desembarcou no estado com o pé esquerdo e muita arrogância. Se achando Pizarro desembarcando nas Índias Americanas para domar selvagens. Não respeitou o legado de clientes que recebeu na transação. Ofendeu direitos, invadiu patrimônios e não respeitou ninguém. Resultado: ganhou a antipatia de todo mundo. Até da classe política.

Agora quer por que quer que o governo consiga a aprovação dos deputados estaduais ao perdão de R$ 1 bilhão e 200 milhões previsto no Projeto de Lei e só pagar R$ 800 milhões. E o pior é que o coronel Marcos Rocha se encantou ou foi encantado pela ideia e a defende.

Há dias a proposta estava parada na Comissão da Assembleia Legislativa em função da resistência dos deputados. Então, o governo resolveu retirá-lo esta semana. Mas não desistiu da ideia. Disse que vai aperfeiçoa-lo para enfrentar as resistências. Que são muitas. Portanto, vai reapresentá-lo. Veremos com que mudanças. 

- Vamos tratar a Energisa da mesma forma que ela trata o povo de Rondônia, firmou o deputado Cabo Jhony. Já o deputado Alex Redano, vice-presidente do Parlamento e, presidente a partir de janeiro de 2021, é radicalmente esse perdão. Isso só para citar exemplos, pois vários parlamentares têm se posicionado contra a atitude danosa ao estado e injusta com o cidadão contribuinte.

E pelo que se sabe, o grupo Energisa não está enfrentando dificuldades financeiras, não vive a iminência de uma falência. Então, por que? Quem mais ganha com esta renúncia fiscal bilionária do dinheirinho que cada cidadão pagou nas contas de luz recheadas de impostos, tributos e taxas? Por que retirar das pessoas que esperam o retorno em forma de benefícios sócias e canalizar tamanha fortuna para quem já rico e poderoso?

A proposta é injusta, imoral e uma verdadeira traição a cada rondoniense que deixa de comer para pagar a conta de luz com tarifas aviltadas. É um crime!

Terá sido fruto de acordos com representantes do estado no tempo das negociações de compra da Ceron? Algo assim como ‘pode assumir a dívida que a gente garante um Refaz, desde que cumpra com nosso acordo”. “Fechado. Vou até mandar soltar umas ‘oncinhas’ antecipadas”. Lembremos que a equipe econômica do governo do coronel Marcos Rocha é a mesma da época. Será? Me recuso até em acreditar. Mas fico na dúvida.

Lembremos que no passado, estas práticas molharam as mãos de parlamentares que apoiaram propostas similares e encerram suas carreiras de forma desonrosa.

Hoje, além dos parlamentares contrários, os órgãos de controle estão mais atentos, pelo menos parte da imprensa é mais vigilante e os cidadãos têm um celular nas mãos plugados nas redes sociais. Além de tudo isso, é ano de eleição. Vale arriscar? 

 

Osmar Silva – jornalista – Presidente da Associação de Imprensa de Rondônia (Airom) e da Federação Nacional dos Comunicadores Seccional Rondônia (Fenacom). 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr