Porto Velho (RO) sexta-feira, 5 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

Que se lasque o Zezinho - Por Osmar Silva


 

Os entes federados do Brasil, municípios, estados e a união, mesmo com
todos os seus os órgãos públicos, de todos os poderes, não produzem
riqueza, não aumentam o PIB e nem põem comida na mesa do trabalhador.

Mas eles compõem a empresa Brasil, o maior empregador do país e dono
de um cofre chamado ‘tesouro nacional’, com alguns trilhões de reais
para atender aos cidadãos no estrito cumprimento das previsões legais.

Uma das prioridades é garantir o pagamento dos seus trabalhadores com
aumentos salariais e vantagens que não param de se multiplicar. Aí
emprega-se a regra de ‘farinha pouca, meu pirão primeiro’.

Todos buscam um pedaço desse tesouro. Até de forma ilegal. A exemplo
de Sérgio Cabral, Lula, Renan, Odebrecht, Camargo Correia, Donadons,
Carlão de Oliveira e Natanael Silva. A lista é longa.

E o trabalhador, cá fora, que se vire para pagar a conta.

Esse brasileiro, o Zezinho ‘que se vira nos trinta’, é o patrão do
servidor que tem estabilidade no emprego, salário que só sobe,
quinquênio, diárias, e vantagens diversas. E só é demitido por falta
grave comprovada em processo.

O Zezinho, que gera o dinheiro, não tem nada disso. E ganha muito
menos, mesmo exercendo atividade igual àquele.

E se o patrão amanhecer com ovo virado, manda-o para o olho da rua,
pois não tem estabilidade. Que engrosse as filas de desempregados.
Dane-se.

É uma lógica desigual e injusta. Malvada.

Talvez seja por isso que os servidores municipais de Porto Velho
estão, insuflados por sindicatos, dando uma demonstração que não tão
nem aí para o Zezinho e a dona Maria que se arrebentam para pagar-lhes
os salários. Querem mais e mais. E não abrem mão de nada.

Não querem nem saber se a prefeitura tem dinheiro ou não, se tem queda
de receita, se não está crescendo. Isso não interessa. É problema do
prefeito. Ele que se vire.

Não interessa se a rua e a casa do Zezinho está alagada por falta de
drenagem, se o colégio não tem merenda, se o posto de saúde não tem
médico nem remédio. Isso é problema lá do prefeito. Que se danem.

Também o cara nomeia trocentos assessores com salários nas alturas só
para garantir apoio de vereadores e agora vem dizer que não tem
dinheiro! Conta outra!

Suspendeu os efeitos da lei que elimina o quinquênio? Agora é que quer discutir!

- Eu quero é o meu! O dinheiro do ‘tesouro’ é para pagar, primeiro, o
meu salário com todas as minhas vantagens.

Se sobrar... bem, aí... pode comprar o remédio, a lâmpada... sei lá!
Roube, faça o que quiser.

Essa é a lógica que impera sob a égide dos sindicatos.

E vamos promover movimentos. Diretoria que trabalha é a que faz
greves, promove protestos e realiza passeatas.

Qualquer motivo é um bom motivo. Só não pode é perde o posto, a mamata
e voltar para a pobreza.

“Eu te amo meu Brasil, eu te amo”

Esse é o Brasil. Contraditório e injusto. Muda Brasil!!!

OsmarSilva – Jornalista e presidente da Associação da Imprensa de
Rondônia-AIRON – [email protected]

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr