Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

O vassalo


O vassalo - Gente de Opinião

A origem sempre se faz presente nos atos e atitudes das pessoas ao longo da vida. Num ou noutro momento um dos elementos originais se manifesta como uma marca, uma identidade. Mesmo que, através do mimetismo profissional, tente ocultar.

 

Foi o que sucedeu com o ministro José Antônio Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, STF que, na 2ª feira de 16 de junho de 2019, revelou, mais uma vez, sua origem de vassalo jurídico.

 

Formado em direito pela USP, começou a carreira como assessor da Cut e da bancada do PT no Congresso Nacional. Chegou no Palácio do Planalto assessorando o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente Lula e, por último, à ex-presidente Dilma Roussef, na condição de Advogado Geral da União.

 

Não tem mestrado, doutorado e não é autor de obra jurídica relevante. Mesmo assim, foi considerado portador de ‘notável saber jurídico’ para ser indicado, aos 42 anos, para uma das onze cadeiras do STF. Mesmo carregando no currículo duas reprovações em concurso para juiz de 1º grau. Mas os ‘patrões’ precisavam de gente de confiança na Corte.

 

Ao suspender o processo de repercussão geral que envolve o hoje senador Flávio Bolsonaro, sob suspeitas de estripulias nada republicanas quando deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Dias Toffoli só precisou de uma firula jurídica – a de que ‘o Ministério Pública estava atuando sem supervisão jurídica’, como alegou a defesa.

 

Pronto. Aí estava o gancho para o ministro demonstrar sua simpatia, servidão e vassalagem ao Chefe da Nação. Com a suspensão do processo, Fabrício Queiroz, o assessor do senador Bolsonaro denunciado pelo Coaf, não precisa mais se esconder para não ter que falar o que não é para ser dito em público.

 

Assim, Toffoli fica de boa com o presidente Jair, com o senador Flávio e com a poderosa família Bolsonaro. Mesmo que, para isso, tenha suspendido todos os processos de combate à corrupção em curso pela Operação Lava a Jato.

 

Aliás, paralisar as atividades do Ministério Público Federal, talvez tenha sido a principal razão do temerário ato. Mesmo que a Nação fique de mau com ele.

 

Afinal, mesmo sendo chefe do Poder Judiciário, um dos Três Poderes da República, o costume do cachimbo deixou-lhe a boca torta e não resistiu à tentação e oportunidade de exercer a vassalagem que o levou a tão altas nuvens.

 

Mas tudo passa, tudo acaba. Até a paciência pacifista do povo brasileiro, que paga gordos salários e banca altos privilégios a agentes públicos impatriotas.

 

Osmar Silva – Jornalista – Presidente da Associação da Imprensa de Rondônia-AIRON – sr.osmarsilva@gmail.com – WhatsApp 99265.0362   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr

Imprensa e comunicação, o desafio

Imprensa e comunicação, o desafio

Diversos eventos movimentaram a imprensa e os comunicadores de Rondônia no segundo semestre do ano passado. Boas iniciativas de discussão e reflexão