Porto Velho (RO) sexta-feira, 5 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

O CAFÉ CAI NO BRASIL E CRESCE EM RONDÔNIA - Por Osmar Silva


 Gente de Opinião

O Governo do peemedebista Confúcio Moura, de Rondônia, está comemorando a expectativa de chegar perto de R$ 1 bilhão na produção de café nesta safra. Mais precisamente, algo em torno de R$ 968 milhões de Valor Bruto de Produção(VBP).

Se confirmado o prognóstico, Rondônia apresentará um crescimento de 51% em relação à produção de 2016, que foi R$ 641 milhões.

Este resultado coloca o estado na contramão dos índices de queda da produção nacional. Nesse ano a safra brasileira de café deve fechar em R$ 21 bilhões. Em 2016, foi de R$ 24 bilhões. Se confirmado a previsão, a queda do Valor Bruto de Produção do país será de -11,4%.

Na produção de café, o destaque é a alta qualidade e produtividade da espécie Conillon que vem conquistando espaço e superando marcas nacionais.

O governo credita esse resultado a corretas políticas e ações públicas destinadas ao setor.

A OUTRA FACE      

O CAFÉ CAI NO BRASIL E CRESCE EM RONDÔNIA  - Por Osmar Silva - Gente de Opinião                     

Mas sempre foi assim. No final do governo do peemedebista Jerônimo Santana, em 1990, o café era uma das mais extensivas culturas agrícolas de Rondônia. Havia até uma cidade chamada Cafelândia, na Região de Ariquemes. Mas não valia nada.

Era bonito de ver, no mês de agosto, as ruas de café floradas de branco, exalando perfume no ar, parecendo guirlandas havaianas, prenunciando mais uma grande safra. Mas não havia políticas nem ações públicas do estado para a defesa, proteção e estímulo ao produtor. Por isso, não tinha valor nenhum.

Oferecido à meia, em troca de limpeza de ruas e poda das plantas, era recusado. Ofertado em troca do coroamento dos pés de café ricamente carregados de grãos bonitos e saudáveis, era também recusado. O trabalhador dizia que a colheita não pagava a diária de trabalho. E o pior, é que era verdade.

Como agora, o Brasil naqueles tempos, vivia mais uma de suas cíclicas crises resultante de atos atabalhoados dos seus dirigentes.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr