Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas


Moro sai e o diabo dá cambalhotas - Gente de Opinião

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio Moro, um dos pilares garantidores do executivo federal, enfraquece substancialmente o projeto Brasil Acima de Tudo, Deus acima de Todos. E fortalece, exacerbadamente, sua Oposição composta, na maioria, por lideranças desonradas por crimes e condenações judiciais.

Ferir a autonomia da Polícia Federal com demissão sem causa, nomeação política para proteger políticos que deveriam estar presos e o rompimento na confiança da palavra dada pelo presidente no ao então juiz para assumir o ministério, foi demais para o ético Sérgio Moro.

Ele preferiu pagar um alto preço para conservar sua biografia de honestidade e honradez conquistada no mundo inteiro com 22 anos de atuação na magistratura brasileira.

É fato. Ser honesto no Brasil não é uma virtude para ser aplaudida. Ao contrário. Nestes tempos obscuros, se transformou num fardo pesado. Uma conduta que gera inimigos e pelo qual se paga um alto preço.

Infelizmente, o doutor Sérgio Moro está descobrindo essa verdade, tomando da taça amarga e ficando à mercê dos inimigos que o desejam morto. Pior ainda: sem a garantia da segurança que tinha como magistrado e como ministro para si e sua família.

Moro é, agora, mais um desempregado no mercado de trabalho impactado pela Pandemia do Covid-19. Frágil e só. Embora tenha o aplauso da absoluta maioria dos brasileiros de bem, que respiram aliviados ao constatar que, mesmo parecendo impossível, o Brasil ainda pode contar com verdadeiros patriotas. E o Sérgio, é uma destas honrosas exceções.

Imaginem, as caras de gozo orgásmicos do ex-presidente Lula, da ex-presidente Dilma Roussef, do José Dirceu, do advogado Zanin e demais membros desta periculosa organização com a renúncia de Moro ao cargo de ministro da Justiça!!!  O Diabo está dando cambalhotas!

E eles têm razão para comemorar! Com um ato só, do próprio adversário, se livraram do Moro, Bolsonaro fica mais enfraquecido e a tese do impeachmente ganhará força. E ainda, de lambuja, o PT e os seus partidos acessórios se fortalecem. Com essa gente, qual o futuro do Brasil?

E não é só. Pois os conflitos do presidente Bolsonaro com o ministro Paulo Guedes, da Fazenda, não são mais ocultos. Todos já sabem. Se esse pegar o boné, adeus viola! Não há quem conserte o rombo no navio.

Mais verdade ainda, é o fato de que o presidente nem precisa de Oposição. Ele e os seus filhos dão conta desse papel com muito mais eficiência.

Moro vai, mais daqui a dois anos volta por cima, pelos braços dos brasileiros, para onde quiser. A menos que renegue a política.

 

Osmar Silva – Jornalista – Presidente da Federação Nacional dos Comunicadores Seccional Rondônia e da Associação da Imprensa de Rondônia – WhatsApp 69.99265.0362 – [email protected] 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr

Imprensa e comunicação, o desafio

Imprensa e comunicação, o desafio

Diversos eventos movimentaram a imprensa e os comunicadores de Rondônia no segundo semestre do ano passado. Boas iniciativas de discussão e reflexão