Porto Velho (RO) quinta-feira, 4 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

Fogo Cerrado


Fogo Cerrado  - Gente de Opinião


Foi um erro do ex-juiz Sérgio Moro possibilitar a recuperação, através da Lava a Jato, de R$ 2 bilhões e 767 milhões do povo brasileiro que os ladrões do Brasil escondiam em bancos do exterior.

Pior, foi um crime tomar o dinheiro ‘deles’ e pô-los na cadeia.

Embora tenham sido julgados por vários juízes em várias instâncias, o responsável pelo o acinte é um só: Sérgio Moro, ex-magistrado de 1ª instância, ao tempo dos primeiros julgamentos. É ele que tem que ir para a cadeia.

Moro tem que ter seus atos anulados. E, com isso, todas as vítimas de seus julgados, serão inocentados e soltos. Têm que ficar livres e fagueiros, para recomeçarem suas sendas de crimes contra a nação e a pátria brasileira.

Libertar Lula, Eduardo Cunha, Cesar Cabral, Delúbio Soares, João Vacari, Michel Temer, José Dirceu, só para lembrar alguns dos 211 ladrões condenados, é o principal objetivo. E, para isso, vale tudo.

Nesse jogo bruto pela retomada do poder ou para desencarnar o poder que tinham, a vida não vale nada. Bolsonaro que se cuide para não levar outra facada ou um tiro. E se Moro tinha vida discreta, agora tem que ser mais discreta ainda.

Você acha que o MST e seus braços armados; Força Sindical e as congêneres; empresários e empresas de pastas debaixo do suvaco; portais e blogues de notícias ‘comprados’ estão felizes da vida por terem perdido bilhões de reais por ano? 

Será que a multinacional Odebrecht, seus capos, e empresas por ela arrastada à bancarrota, estão felizes por terem quebrado?  

É por tudo isso que eles se tornaram ‘garantistas’, aquele segmento que exige a aplicação da lei nos ‘mínimos detalhes’. Nunca deram essa ‘garantia’ para os outros. Mas exigem para sí. Razão pela qual buscam, desesperadamente, cabelo em cabeça de ovo. É aí que entra o The Intercept. Num viés torto do jornalismo, fazendo o serviço sujo.

A aprovação do relatório da previdência na Comissão Especial da Câmara, os deixou em estado de pavor. Se o Congresso aprovar a Reforma e, em seguida fazer a tributária, será a morte. Por que? Porque Bolsonaro ganhará chances reais de reeleição vitoriosa.

Não! Isso não pode acontecer. Tem que soltar todo mundo, desqualificar o governo, desmoralizar os juízes. Têm que mentir, enganar, iludir as massas, promover o impeachment do presidente e tomar o poder.

É esse projeto impatriótico que está em execução. Respeito pelo povo brasileiro, zero. Respeito pelo Brasil, zero. Os apátridas só pensam ‘naquilo’. Na grana do Tesouro Nacional. Na grana do povo.

Mas a nação brasileira não permitirá. O presidente está fazenda uma revolução para o Brasil crescer e tirar da rua da amargura, os 14 milhões de pais de família desempregados que eles deixaram.

O ministro Sérgio Moro é ícone na defesa dos valores de honradez e honestidade. É herói nacional no combate à corrupção. Vão quebrar a cara.


Osmar Silva – Jornalista – Presidente da Associação da Imprensa de Rondônia-AIRON  - WhatsApp 99265.0362 – [email protected]


   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr