Porto Velho (RO) domingo, 5 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

Bendita professora Nair!


Bendita professora Nair! - Gente de Opinião

Meu prédio escolar tinha duas escolas: de manhã era Escola Osvaldo Aranha e à tarde era Escola 21 de Abril. Ficava numa praça onde a gente brincava antes e depois das aulas. Bem em frente da Prefeitura. O recreio era no pátio interno, sob o olhar da diretora e dos professores.

Qualquer bagunça ou briga, quando a gente se dava conta, já tinha alguém segurando nosso braço. E, dependendo do caso, o castigo vinha em forma de palmatória. Minha professora, Dona Nair, era a mais temida, não só pelo tamanho como pela a cara feia. Mas era uma negra de coração de ouro!

Meus estudos foram interrompidos quando terminei o 3º ano primário com a professora Nair. Bendito primário daqueles tempos! Bendita professora Nair que me ensinou tão bem e me preparou para a vida.

Um dia ela me disse: seu Osmar, você está preparado para fazer o exame de admissão. Não precisa esperar a 4ª série. Pode ir direto para a 5ª série. Era uma prova temida para entrar no ginásio. Mas a sorte, o destino, tudo ficou fora de lugar, com diz o cancioneiro. Não pude mais estudar.

Mas com este 3º ano primário virei jornalista aos 17 anos na rede dos Diários Associados de Assis Chateaubriand. Gerenciei empresas com trezentos empregados, fui diretor e editor de jornais diários. Exerci assessorias de reitores e organizações empresariais, dirigi e criei entidades culturais. E nos últimos quarenta anos, constitui empresas jornalísticas e jornais que entraram para a história de Rondônia e de Roraima. Ocupei funções pública de alta relevância em município e estado.

Bendita professora Nair! Bendito 3º ano primário!

E Bendito também, Telmo Padilha, escritor grapiúna de ‘Canto Rouco’, ganhador do Prêmio San Marco, da Itália. Meu amigo e orientador, com quem tive o privilégio de conviver, trabalhar e aprender. Foi ele que me levou até Jorge Amado, seu compadre, me dando a oportunidade de conversar, ouvir e, durante alguns dias, desfrutar da companhia de um dos mais célebres escritores brasileiros. O eterno criador de ‘Grabriela, cravo e canela’, ‘Tiêta do agreste’ entre tantos.

Bendito Telmo Padilha! Bendito Jorge Amado!

Com estes meus mestres, encerro esse breve relato e saúdo os professores de Rondônia e do Brasil, neste outubro, na esperança de que sejam uma professora Nair, um Telmo Padilha, um Jorge Amado para tantas crianças e adolescentes que carecem de luz segura para guia-los vida a fora.   


Osmar Silva – Jornalista – Presidente da Associação da Imprensa de Rondônia (AIRON) – [email protected] – WhatsApp 069.99265.0362   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Ariquemes, minha terra vitoriosa

Ariquemes, minha terra vitoriosa

Dormi no Hotel do Cici, sobre a Rodoviária de piso de cimento coberto com serralha de madeira, a minha primeira noite em Ariquemes. Do outro lado da

O Brasil está incendiado

O Brasil está incendiado

É isto mesmo! O Brasil está pegando fogo. E não é incêndio na floresta. É entre os poderes. A harmonia entre os três pilares da Democracia está romp

Retratos do Brasil – Para confundir qualquer um

Retratos do Brasil – Para confundir qualquer um

Temos na presidência do Brasil um ex-Capitão e ex-deputado federal, por cinco mandatos, apontado pela Oposição como anti-democrático, ditador e geno

Aleluia – Tempo de Esperança

Aleluia – Tempo de Esperança

Certo tempo atrás, no mundo onde fui criado e educado, o Sábado de Aleluia era o dia mais esperado e também o mais temido da Semana Santa. Um dia es