Porto Velho (RO) sábado, 6 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Osmar Silva

A JUSTIÇA DISSE ‘NÃO’ - Por Osmar Silva



A semana que findou foi pródiga em ‘nãos’ da Justiça. O famoso e polêmico ministro Gilmar Mendes, do STF, disse ‘NÃO’ para os juízes e desembargadores do Acre que receberam uma excrescência inconstitucional chamada “gratificação de nível universitário”.

O ministro classificou o recebimento da dinheirama como ato de ‘má-fé’ e mandou devolver, aos cofres públicos, os valores ilegalmente recebidos, corrigidos com juros e correção monetária. É lamentável ver o valoroso Estado do Acre envolvido nesta vergonhosa trapaça com o dinheiro dos cidadãos e enlameando a magistratura. Terá sido influência do PT?

Já o também ministro do STF Edson Fachin, disse ‘NÃO’ à pretensão da Associação dos Magistrados Brasileiros(AMB), que queria buscava obrigar o Congresso a retomar projeto de lei para aumentar os salários de juízes e ministros das cortes superiores pelo índice anual da inflação.

Queriam tirar a prerrogativa do Poder Executivo de examinar a oportunidade e a conveniência de conceder ou não aumento de salário aos seus servidores. E garantir o ‘seu’ sem importar com a tosse da vaca.

Sobre salários e vantagens de qualquer natureza, o que se está esperando é que todos os órgãos do Poder Judiciário tornem público e fundamentado a origem de seus ganhos. Sem isso, não existe isenção para cobrar moralidade de ninguém.

Voltando ao tema original, Fachin disse ‘NÃO’ também para Michel temer que queria imputar suspeição a Rodrigo Janot para pedir abertura de mais um inquérito de investigação contra o presidente. Alegava parcialidade na ‘perseguição’.

As flechas do procurador geral da República continuam mirando o Palácio do Planalto. Ele ainda tem chão.

E o juiz Sérgio Moro, também disse ‘NÃO’ à defesa do deputado Eduardo Cunha, já condenado na ‘Lava-a-Jato’, que queria ser transferido para Brasília.

Espertinho, Cunha deseja ficar mais perto de quem possa influenciar. Moro, escaldado, cortou-lhe as asas.

Observa-se que, apesar de um escorregão ali ou acolá e dos que professam o ‘Mateus, primeiro os meus’, sem se importar com as condições do país e a opinião pública, o Poder Judiciário está ficando mais atento ao humor nacional.

OsmarSilva – Jornalista – Presidente da Associação da Imprensa de Rondônia-AIRON – [email protected]– WhatsAp 99265-0362

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Osmar Silva

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

Moro sai e o diabo dá cambalhotas

O rombo no casco do navio do governo do presidente Jair Bolsonaro é grande. A saída do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o jurista Sérgio

Mundo de ponta cabeça

Mundo de ponta cabeça

Quem imaginaria ver as praças de Roma, os bares e as gôndolas de Veneza, os cafés de Paris, os estádios e as igrejas centenárias do mundo, vazias?

Tempos estranhos no Estado burro

Tempos estranhos no Estado burro

Estamos vivendo tempos estranhos. Saímos do governo do ‘dou um tostão, levo um milhão” e embarcamos noutro que vem protagonizando várias confusões. Em

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

Lixo, merda e água contaminada não é ‘missão de Deus’

- Governar é missão de Deus! Disse o governador de Rondônia, Marcos Rocha, em recente evento público. A sentença é correta, segundo os princípios cr