Porto Velho (RO) domingo, 26 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Temer, o "salvador da Pátria"


Temer, o "salvador da Pátria" - Gente de Opinião

Aos 80 anos, depois de ter sido preso pela Polícia Federal como corrupto e entrar num período de ostracismo, Michel Temer volta aos holofotes. Se não como um salvador nacional, ao menos como o político que está resolvendo o conflito entre Bolsonaro e o STF, que começava a incluir o legislativo federal.

O mais qualificado dos representantes do populismo no Brasil, capaz de tecer teias para a aproximação, entendimento e acordo entre os ocupantes de posições no alto da cúpula nacional. Um mestre da conciliação, um antípoda das reformas. O bombeiro convocado por Bolsonaro para apagar os muitos focos de incêndio que ele espalhou pelo país.

Os petistas acusam Michel Temer de ter traído a presidente Dilma Rousseff. A afirmativa se tornou dogma, verdade absoluta, o fio desencapado do golpe de 2016. É uma declaração fácil e insustentável.

Temer foi escolhido pelo PT para ser vice de Dilma em 2010 e 2014. Em 7 de abril de 2015, em meio a onda de protestos nas ruas contra o governo, Dilma nomeou Temer o seu articulador político.  Foi além: transferiu para ele as funções da Secretaria de Relações Institucionais, extinguindo-a.

A missão de Temer era melhorar o relacionamento do governo com o Congresso Nacional, principalmente com o PMDB, que Dilma já não era capaz de promover (nunca foi capaz). No posto, o vice-presidente logo se colocou contra o impeachment da presidente, a principal palavra de ordem nas ruas, porque iria gerar “uma crise institucional”, além de não possuir “base jurídica e nem política".

Só quatro meses depois, quando Temer começou a procurar um líder com “a capacidade de unir o País’, é que os petistas começaram a achar que ele estava conspirando contra Dilma para assumir seu cargo. A reação de Temer foi imediata: ele devolveu à presidente a coordenação política. Dilma pediu que ele se mantivesse no cargo, sem, no entanto, desfazer os ataques do seu partido ao vice-presidente.

No início de setembro ele renunciou, alegando que estava sendo boicotado pelos petistas. A partir daí Temer começou a articular realmente a derrubada de Dilma e a sua ascensão ao lugar dela. Com sucesso, como se viu. A presidenta mostrou que, por seus próprios meios, ainda que poderosos, não poderia se salvar.

Ao conseguir colocar Bolsonaro em contato com o ministro Alexandre de Moraes e estender o armistício aos beligerantes nos fronts institucionais, Temer completou a obra conclamando a todos a olhar para o futuro, esquecendo esse ainda fumegante 7 de setembro. O que o vice de Dilma armou para esse futuro em seu benefício e dos convivas? Um novo líder da união geral na cúpula do poder?

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Democracia em causa

Democracia em causa

Jair Bolsonaro era o mais assumidamente direitista dentre os candidatos que já disputaram a presidência da República do Brasil quando foi eleito,

Em Rondônia, 550 mil motos batem recorde no transporte de pessoas

Em Rondônia, 550 mil motos batem recorde no transporte de pessoas

De que transporte dispomos em Rondônia? A resposta está nas estatísticas do Departamento Estadual de Trânsito (Detran): a relação entre automóveis e h

Demanda energética e crise d’água, um drama  que se arrasta sob o manto da incompetência

Demanda energética e crise d’água, um drama que se arrasta sob o manto da incompetência

Questionado sobre possível racionamento de energia elétrica no Brasil, o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou quinta-feira, 9, à

Jovens mamães e filhos sem peso

Jovens mamães e filhos sem peso

Falo obviedades e não tenho gabarito algum para dar receitas balanceadas às grávidas amazônicas. No entanto, curvo-me aos fatos: repercutiu o result