Porto Velho (RO) sábado, 28 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Mentiras na ONU


Mentiras na ONU - Gente de Opinião

"Nossa floresta [amazônica] é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas".

Quem tivesse a coragem (o cinismo, ou a ignorância) de proferir essa frase seria desmentido e ridicularizado, qualquer que fosse o auditório, desde que minimamente informado sobre a Amazônia. A frase foi dita hoje pelo ex-capitão do exército Jair Messias Bolsonaro, 65 anos. Bolsonaro preside o maior dentre os nove países que possuem área amazônica no continente sul-americano,o Brasil, onde ficam dois terços do total dessa região, ocupando 65% do seu vasto território. Ela tem 7,9 milhões de quilômetros quadrados, representando 5% da superfície terrestre, com 30% das florestas tropicais remanescente na Terra.

Em qualquer encontro científico, independentemente da sua coloração ideológica ou política, o responsável por essa afirmativa seria tratado como impostor, vigarista, esquizofrênico, psicopata ou qualquer outro enquadramento técnico das manifestações de perturbação mental. Qual terá sido a reação dos integrantes da Organização das Nações Unidas depois de assistirem ao vídeo que abriu, nesta manhã, com a péssima leitura de um texto alucinado, a sessão solene inaugural da ONU, na data dos seus 75 anos?

O discurso de Bolsonaro é um disparate na reconstituição geográfica, histórica e conjuntural da Amazônia, lastreada na famosa frase do ideólogo nazista da comunicação governamental totalitária, Joseph Goebbels, de que uma mentira, repetida mil vezes, se transforma em verdade. Bolsonaro mentiu à vontade, sem qualquer compromisso com os fatos. Disse o que lhe interessava. O resto foi o resto - o povo brasileiro e a humanidade.

"Nossa floresta [amazônica] é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior".

Dita meio século atrás, a declaração teria foros de verdade. Hoje, é uma falácia grosseira. Tomando-se o dado citado por Bolsonaro, de que 34% da cobertura florestal nativa da Amazônia foram destruídos e considerado como referência apenas o bioma amazônico, com 4,2 milhões de quilômetros quadrados, a supressão da floresta já teria atingido mais de 1,5 milhões de km2. Assim, só o que já foi destruído da floresta original da Amazônia formaria o 10º mais extenso país do mundo.

Queimada ou derrubada a floresta nativa e em seu lugar formados pastos, culturas agrícolas ou deixado um espaço vago, a elevação da temperatura do solo, combinada com a redução das chuvas, muda completamente o cenário, permitindo a combustão da vegetação secundária, desprovida da sua proteção natural na mata úmida. Há muitas pesqusias sobre essa transformação ameaçadora.

Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas".

Quando a ditadura militar promoveu, a toque de tambor acelerado, a ofensiva às terras interiores e altas da Amazônia, na década de 1970, a alteração da cobertura vegetal não chegava a 1% (0,8%), segundo interpretações pioneiras de imagens de satélite de 1975, feitas por um convênio da Sudam com o IBDF (atual Ibama). Essa era a contribuição de milhões de habitantes nativos que se sucederam por milênios na Amazônia antes do aparecimento dos terríveis colonizadores europeus e do habitante que resultou da miscigenação que se seguiu ao longo de 500 anos.

A área alterada, portanto, teria pouco mais de 15 mil km2. Ou seja: o equivalente a um único ano de desmatamento médio durante pouco mais de três décadas de acompanhamento sistemático das imagens de satélite pelo Inpe, órgão oficial do governo federal para o assunto, reconhecido internacionalmente pela sua excelência (embora sabotado por Bolsonaro). Ou seja: o presidente da república coloca na conta de índio e caboclos 135 mil km2 de destruição de floresta úmida amazônica, atribuindo aos seus minifúndios e roças rotativas a destruição de máquinas poderosas e homens inescrupulosos do capitalismo mais selvagem que já dilapidaram o patrimônio da Terra.

É fraude. Mais do que fraude: é um crime de lesa humanidade. É a conclusão a que devem ter chegado milhões de pessoas ao redor do mundo no dia de hoje.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

O BNDES vai realizar, entre os dias 19 e 23, a Semana BNDES Verde, com debates diários transmitidos pela internet. A abertura será feita, evidentement

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que ocuparam a última faixa de terras da Fazenda Santa Elina inteiraram domingo (20) o primeiro mês de vida do Acampamento Manoel Ribeiro,

Agora, lascou

Agora, lascou

Por causa de um corte de 60 milhões de reais, feito pela administração federal segunda-feira, o Ibama e o ICMBio retirarão das operações de campo 2,2

AI-12, tão violento quanto o AI-5

AI-12, tão violento quanto o AI-5

Em 13 de dezembro de 1968, o marechal Costa e Silva, o segundo presidente da república depois do golpe militar de 1964, baixou o Ato Institucional nº