Porto Velho (RO) quinta-feira, 23 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Dois Guedes governaram Rondônia


Dois Guedes governaram Rondônia - Gente de Opinião
Dois homens com sobrenome Guedes governaram o Território Federal de Rondônia, e cada um teve um destino diferente, ao deixar o cargo. O tenente-coronel do Exército Paulo Eugênio Pinto Guedes, carioca, tomou posse em 14 de outubro de 1963 e saiu em 27 de janeiro de 1964. O coronel Humberto da Silva Guedes governou de 20 de maio de 1975 a 2 de abril de 1979.

Pinto Guedes veio para cumprir exatamente missão. O território não dispunha de recursos para executar programas mínimos, a folha de pagamento estava inchada e o precário abastecimento de energia elétrica a óleo diesel não atendia à necessidade de escolas e hospitais. Esse drama se estenderia até o governo de Humberto,a partir de 1975.

Com três meses no cargo, pediu o boné, e se foi para o Rio de Janeiro. 

De tudo se conclui: para obter recursos financeiros, todos os governadores tiveram que ir de pires na mão a Brasília, e folha de pagamento nunca deixou de representar um peso na receita orçamentária.

Tão complicada estava situação no período de Pinto Guedes que ele precisou suspender o crédito nos armazéns, levando à penúria as próprias residências oficiais dele e do secretário geral.

O que fez o tenente-coronel? Usou o seu meteórico período no poder para instaurar inquéritos administrativos e remetê-los à Promotoria Pública. Casos mais graves foram encaminhados à Polícia Civil.

Nacionalista, a exemplo do presidente Goulart, dez dias depois da posse Paulo Guedes mandou cancelar a escritura de venda e a ação demarcatória do Seringal Rio das Garças, adquirido pelo norte-americano James Bryan Choate, então representantes da empresa Galron Melhoramentos.

Pesquisa feita por este repórter no arquivo do extinto jornal carioca Correio da Manhã constatou que, mesmo desgastado, Pinto Guedes saíra de Porto Velho com a certeza da missão cumprida, entretanto, em 15 de abril de 1964 lia seu nome na lista de 67 pessoas – 12 oficiais generais, entre eles – com mandatos políticos cassados pela Revolução. O ato transferia para a reserva outros sete oficiais do Exército e 17 da Aeronáutica.

Para quem ainda não quis estudar, tome nota: a ditadura cassou também dezenas de militares das Três Forças.

Da lista que catapultou  Pinto Guedes fizeram parte os generais Argemiro de Assis Brasil e Euriale Zerbini, os almirantes José Luiz de Araújo Goiano e Pedro Paulo de Araújo Suzano, o editor Ênio Silveira, o ex-ministro Julio Sambaqui,  os jornalistas Edmar Morel e Nelson Werneck Sodré, e diversos deputados, entre os quais o mineiro José Múcio Athayde Froes (PTB-MG). Este último se tornaria conhecido em Rondônia, 18 anos depois, quando se candidataria e seria eleito deputado federal pelo MDB.

Ao mesmo tempo, com um simples aviso, o ministro da Marinha Augusto Rademaker expulsava do Corpo de Fuzileiros Navais um oficial, 13 sargentos e um cabo, todos acusados de terem constituído a “guarda pessoal do deputado Leonel Brizola”. O gaúcho Brizola integrava então o PTB da Guanabara e atemorizava militares radicais.

Já o coronel Humberto Guedes, que aqui colheu espinhos da disputa fundiária entre o Incra e grandes grileiros de terras [leia matéria a respeito], teve mais sorte e reconhecimento: depois de planejar o futuro estado, algo consolidado pelo sucessor, coronel Jorge Teixeira de Oliveira, mudou-se para Brasília onde ainda trabalhou um período na extinta Telebras.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Vem aí a grande festa da quadrilha e do boi-bumbá em Porto Velho

Vem aí a grande festa da quadrilha e do boi-bumbá em Porto Velho

No cenário folclórico de Porto Velho desde os anos 1980, quando iniciou em quadras esportivas  escolares, o Arraial Flor do Maracujá se completa com o

JERÔNIMO: Foi o primeiro prefeito eleito de Porto Velho e o primeiro governador também eleito

JERÔNIMO: Foi o primeiro prefeito eleito de Porto Velho e o primeiro governador também eleito

Com fotos do Arquivo Sejucel e álbum familiarDefensor de garimpeiros desempregados com a chegada de máquinas de grandes empresas que passaram a extrai

Indígenas de Rondônia estudam, produzem, conservam a língua materna e defendem território

Indígenas de Rondônia estudam, produzem, conservam a língua materna e defendem território

Com fotos do Facebook, EBC, Frank Néry e Kanindé Etnoambiental Este é um Dia do Índio de especial significado em Rondônia, na Amazônia Ocidental Brasi

NOVA REPÚBLICA — Ângelo Angelim sucedeu Teixeirão e preparou a casa para Jerônimo

NOVA REPÚBLICA — Ângelo Angelim sucedeu Teixeirão e preparou a casa para Jerônimo

Rondônia alcançou o primeiro milhão de habitantes durante gestão do governador Ângelo Angelim