Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

CPI DO ÍNDIO NÃO INDICIA DOM ROQUE PALOSCHI


CPI DO ÍNDIO NÃO INDICIA DOM ROQUE PALOSCHI  - Gente de Opinião 

ANTONIO VITAL
Agência Câmara

 

BRASÍLIA – O relator da CPI da Funai, Nilson Leitão (PSDB-MT) retirou do texto a sugestão de indiciamento do presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Dom Roque Paloschi, arcebispo de Porto Velho (RO). A inclusão do arcebispo na lista de cerca de 90 pedidos de indiciamento foi um dos pontos mais criticados por deputados da oposição na discussão do relatório.

Foi transferida para a próxima terça-feira (23) a continuação da votação do relatório final da CPI da Funai e Incra 2. O texto principal do deputado Nilson Leitão foi aprovado, mas sem dois de seus principais trechos, objetos de destaques de votação em separado apresentados pela bancada do PT. São eles os cerca de 90 pedidos de indiciamento feitos pelo relator e as proposições legislativas sugeridas.

A votação foi suspensa por volta de 16h30 de quinta-feira (18), em função do início da Ordem do Dia do Plenário da Câmara e seria retomada em seguida. Mas o presidente da CPI, deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), atribuiu o adiamento a um acordo com a oposição.

“A bancada da oposição disse que não votaria nenhuma medida provisória em Plenário se o relator da CPI não apresentasse novo texto com as modificações que aceitou fazer em seu relatório. Por isso a votação ficou para a semana que vem”, explicou.

CPI DO ÍNDIO NÃO INDICIA DOM ROQUE PALOSCHI  - Gente de Opinião

Secretaria Nacional do Índio já era

Outra mudança anunciada por Leitão foi relativa à parte do relatório que previa a substituição da Funai. Ele anunciou que abre mão da criação do novo órgão, mas sugere que os órgãos responsáveis pela saúde e pela educação do índio voltem para a Funai e deixem os ministérios da Saúde e da Educação.

Foi a terceira tentativa de votação do relatório, que pede o indiciamento de cerca de 90 pessoas por supostos crimes praticados em processos de demarcação de terras indígenas, de quilombolas e até em assentamentos rurais destinados à reforma agrária.

O relatório acusa servidores da Funai, do Incra, além de antropólogos e dirigentes de organizações não-governamentais, de fraudarem processos de demarcação no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia.

Entre os pedidos de indiciamento estão os do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, de 15 antropólogos, além de dirigentes do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e do Centro de Trabalho Indigenista.

O relatório final da CPI da Funai também pede que o Ministério da Justiça faça uma nova análise de demarcações em andamento no Pará, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Se o morcego atacar, chame o governo

Se o morcego atacar, chame o governo

A ligação telefônica do pecuarista de Chupinguaia, a 530 quilômetros de Porto Velho, denuncia o ataque do morcego hematófogo (Desmodus rotundus) ao ga

A Colômbia em busca da paz

A Colômbia em busca da paz

As pesquisas apontam como favorito Iván Duque, o candidato do ex-presidente Álvaro Uribe, principal detrator dos acordos

Sem dar nomes, Lava Jato anuncia prisão de ex-executivos da Petrobras; um operador é ligado ao MDB

Sem dar nomes, Lava Jato anuncia prisão de ex-executivos da Petrobras; um operador é ligado ao MDB

O pagamento indevido se estendeu de 2010 até pelo menos 2012, e superou o montante de 56,5 milhões de dólares

É possível salvar as abelhas? Petição com 5 milhões de assinaturas diz que sim.

É possível salvar as abelhas? Petição com 5 milhões de assinaturas diz que sim.

MONTEZUMA CRUZEm Porto VelhoDesta vez foram as abelhas. Queiram ou não aqueles que rejeitam a Comunidade Avaaz porque arrecada recursos em euros e dól