Porto Velho (RO) terça-feira, 23 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Usuário é quem tem menos direito no Espaço Alternativo - Por Lúcio Albuquerque


Usuário é quem tem menos direito no Espaço Alternativo - Por Lúcio Albuquerque - Gente de Opinião

LÚCIO OPINA
Lúcio Albuquerque, repórter
jlucioalbuquerque@gmail.com

USUÁRIO É QUEM TEM MENOS DIREITO NO ESPAÇO ALTERNATIVO

(Ou uma boa obra que virou uma zona)

Uma obra que orgulha qualquer rondoniense e cartão postal da capital, o Espaço Alternativo, pela falta de gestão e segurança, está sendo transformado em mero camelódromo onde a cada novo final de tarde se instalam novas barracas em que se vende de tudo, tomando o espaço destinado aos que pretendem ir ali relaxar ou fazer alguma atividade física, especialmente nas noites de sextas, sábados e domingos – ou feriados.

A obra, já em uso mas oficialmente ainda não entregue por não estar inteiramente concluída – há uma lei estadual (3883-2016) determinando isso, no Espaço Alternativo faltam ainda estacionamento, banheiros, lanchonetes (ou dar outra destinação ao que foram construídas para tal fim), sinalização de trânsito, fiscalização do tráfego, e uma organização que acabe com a loucura gerada pelos barraqueiros de tudo que se imagina possível comercializar, que ocupam áreas destinados à circulação dos usuários.

Na condição em que se encontra, o Espaço Alternativo está literalmente uma “zona”. Dezenas de vendedores de tudo ocupam melhores espaços e praticamente não se pode pensar em ter tranquilidade nos dias e horários citados antes, o que transforma o Espaço num autêntico “farofal” desde o início da área, em frente à vila dos sargentos da Base Aérea (agora chamada oficialmente de “Ala 6”) até depois da praça do Trem, quase 2 quilômetros de balbúrdia.

Mas os problemas não estão centrados apenas nos quiosqueiros. É um enorme risco levar sua criança para andar de patim, velocípede ou de bicicletas nos dois calçadões centrais, porque dezenas de adultos, pilotando suas bicicletas, deslizam a toda velocidade ameaçando atropelar quem esteja pela frente.

Bem cedo, quem se incomoda com o odor fétido dos que fumam usando narguilé, sendo fácil verem-se grupos de jovens e adultos usando aquele instrumento, sem se incomodar com as reclamações de quem esteja no entorno ou, como já acontece comumente: “Os incomodados que se mudem”.

Nos balanços, destinados às crianças, não é difícil ver gente adulta para lá e para cá, enquanto crianças esperam. Nas áreas dos balanços, onde o piso é de terra, cães conduzidos por homens e mulheres defecam ou urinam, o que coloca em risco – outra vez! – a saúde das crianças que rolam pelo chão, brincam de fazer montinhos etc.

Apesar de não concluído, o piso do estacionamento suporta, sem problemas, que centenas de carros estacionem, mas poucos condutores aproveitam a área. A maioria prefere colocar seus veículos na lateral da pista, tumultuando mais ainda o já complicado tráfego no sentido aeroporto/centro/aeroporto, e muitos motoristas fazem o retorno no local onde estão, sem ligar para a possibilidade de um acidente.

A velocidade que muitos motoristas e motociclistas imprimem, é outro problema que só existe porque a fiscalização é inexistente. Policiamento? Uma viatura solitária dando a volta sem atentar para os problemas da desorganização de uso do Espaço, cada vez mais camelódromo do que atendendo sua finalidade.

Oficialmente a responsabilidade do local é do DER, cuja direção bem poderia ter resolvido vários problemas, como banheiros, sinalização, segurança. Uma alegação da desorganização gerada pelo camelódromo – em alguns casos vendedores colocam suas carretas em cima do gramado ou no meio da calçada, é porque isso seria de responsabilidade do setor de Posturas da Prefeitura, órgão cujos funcionários parecem estar, como o Hino Nacional, “Deitado eternamente em berço esplêndido”.

Considere-se dito!   

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

O ano novo de 1968, data comum à maioria da Humanidade, começou, como todos os outros denominados historicamente de D.C, a 1º de janeiro. O “ano do ho

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

(Ou como distorcer, para criticar, uma resposta)

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

Que o presidente Jair Bolsonaro precisa levar uma espécie de “puxão de orelha” em relação a falas fora de tempo, ou permitir que seus filhos interfira

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

Não tenho, nunca tive e nem pretendo ter filiação partidária. Quem me conhece sabe que eu nunca me posicionei a favor de Lula (até quando encaro um pr