Porto Velho (RO) domingo, 17 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

UM SÉCULO DA GRANDE DAMA DA EDUCAÇÃO DE RO


Dezesseis de julho. Uma data para o futebol chorar, porque em 1950 o Brasil perdia para o Uruguai a Copa cuja final foi disputada no Maracanã. Para o rondoniense, mais especificamente para a Educação, a Política, a Cultura neste Estado, uma data importante para lembrar: Há um século a 16 de julho, nascia em Belém do Pará Marise Magalhães, que depois acresceria o nome Castiel, e se tornaria a seguir na grande referência da presença feminina no Estado que ela ajudou a construir.

Em 1976, quando vim aqui para ficar apenas um tempo, o jornalista e advogado Rochilmer Rocha estava lançando um jornal (A Tribuna) e encarregou-me de, no primeiro número e daí em diante, construir textos sobre fatos e personalidades da História local – um dos alvos a professora Marise Castiel.

Como sempre faço quando vou entrevistar alguém, procurei informações sobre quem era e o que representava para o Território aquela senhora. “Foi a primeira diretora do “Carmela Dutra”, disseram uns; “Tem envolvimento político partidário” ouvi de outros; “É uma liderança não só na Educação”, acrescentaram; “É muito envolvida com  cultura, a música e o carnaval”, ampliaram. “Ela é uma referência importante no Território”, alguém falou.

Não sou de “tietar” ninguém, mas a partir daquela primeira entrevista – fiz algumas mais com a importante participação do jornalista Zé Carlos Sá e aos poucos fui passando para o lado daqueles que a respeitavam, e ainda respeitam.

Uma lembrança do ativismo político de Marise Castiel foi ter sido ela a primeira mulher a ser eleita para a Câmara portovelhense, em 1976 e, depois, quando houve a tentativa na Constituinte de 1989 de interiorizar a capital do Estado recém criado, Marise outra vez se apresentou como líder, levando dezenas de moradores da capital para a mobilização que pressionou os deputados a não aprovarem a ideia.

Há alguns anos houve uma mobilização para mudar de “Carmela Dutra” para “Marise Castiel” o nome do colégio onde Marise foi professora, diretora e sempre lembrada pelo muito que fez. Lamentavelmente, talvez pela inveja sentida em relação à importância do nome dela, deputados arquivaram a proposta. Ela é patrona hoje de uma escola infantil do governo.

Numa das primeiras reuniões da Academia de Letras de Rondônia, onde Marise Castiel é patrona de uma das Cadeiras, propus que a ACLER realizasse uma sessão solene para marcar a data deste 16 de julho, mas sob alegação de estar ainda de luto pelo falecimento do esposo sua filha, a acadêmica Sandra Castiel, agradeceu mas pediu que a solenidade não fosse realizada.

Nome maiúsculo na História rondoniense, quando atuou não só na Educação mas também em campos diversos da política, da administração pública e da cultura, presto minha homenagem àquela senhora nascida no Pará mas a quem Rondônia deve tributos grandes.

Considere-se dito!




DATAS DE RONDÔNIA

Julho

 Dona Marise Castiel entre Geraldo Teixeira (esquerda) e Fernando Sadeck (direita) na concentração da Escola de Samba Pobres do Caiarí, durante o desfile de 1982 - Gente de Opinião
Dona Marise Castiel entre Geraldo Teixeira (esquerda) e Fernando Sadeck (direita) na concentração da Escola de Samba Pobres do Caiarí, durante o desfile de 1982

16 – 1918 – Nasce em Belém (PA) Marise Barata Magalhães Costa, que em 1945 já professora normalista, mudou-se para Porto Velho e se destacou na Educação, na política e na cultura. Após o casamento ela adotou o sobrenome do marido, “Castiel” e entrou na história de Rondônia como Marise Castiel. (Sandra Castiel, “Professora Marise Castiel e Rondônia: Educação, Cultura e Política)  

Dia 16 – 1972 – O Incra implanta o projeto Gy-Paraná  - região de Cacoal (26)

Dia 16 – 1983 – Com 246 artigos, é aprovada a primeira Constituição do Estado de Rondônia, pela Assembléia Estadual Constituinte (Lúcio Albuquerque, “Assembleia Legisltiva – 20 Anos da Nossa História”)

Dia 17 – 1947 – A senhorita Carolina Figueiredo torna-se a primeira mulher a pilotar um avião saindo de Porto Velho, numa viagem até Guajará-Mirim (Antonio Cantanhede, Achegas para a História de Porto Velho)

17 – 1948 – O seringalista Joaquim Pereira da Rocha envia ao deputado federal Aluízio Ferreira, com pedido de análise laboratorial, de amostras de uma terra preta recolhida em sua propriedade. Os testes confirmaram alto teor de cassiterita (Vitor Hugo, Cinquenta Anos do Território Federal do Guaporé)

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Lúcio em três temas (*) - Unimed – Pague em dia e espere muitos dias - Até quando o descaso com o dinheiro público? - Cães e pombos: livres para crescer e multiplicar

Lúcio em três temas (*) - Unimed – Pague em dia e espere muitos dias - Até quando o descaso com o dinheiro público? - Cães e pombos: livres para crescer e multiplicar

UNIMED – PAGUE EM DIA E ESPERE MUITOS DIAS Uma das bases da relação entre   quem compra e quem vende tem duplo pilar. De um lado, a capacidade de aten

Lúcio em três temas (*)

Lúcio em três temas (*)

1. SOBRAR PARA QUEM NÃO DEVETerá razão o ex-governador Daniel Pereira, caso queira, ir à Justiça requerer ressarcimento financeiro pelo vexame a que,

Lúcio em três temas

Lúcio em três temas

Quem foi, disse ter gostado. Quem não foi, lamenta e diz que não perderá a próxima.

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Com participação de mais de 50 pessoas, e transmissão ao vivo no facebook do site rondoniadagente.com.br, o Sindicato de Jornalistas de Rondônia, Sinj