Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

O país foi herdado de modo tão esculhambado


O país foi herdado de modo tão esculhambado - Gente de Opinião

Enquanto uma parcela grande de jornalistas continua, certamente por razões óbvias, debatendo a frase da ministra, rosa x azul, e tenho certeza que isso acontece mais por razões outras do que pela capacidade, que sei eles têm meios para interpretar a frase pelo que ela representa – que criança deva ser tratada como tal e não como peças de um  modismo, o país aos poucos vai sendo tomado por uma guerrilha urbana, situação em que já vivia o Rio de Janeiro, depois Manaus e agora, com mais força, o Ceará, mas isso, pelo visto, não interessa a quem tem um microfone nas mãos e que preferem virar de costas pra os grandes problemas que afetam o país.

Uma evangélica assume um Ministério – pronto, o mundo desaba, ninguém considera seu currículo, que é um fator que tudo quanto é pessoa de bem sempre vem cobrando: ao invés da indicação política, a meritocracia. A Funai não faz nada pelo índio, mas tão logo temos a proposta de uma mudança no tratamento para com os indígenas, aí os mesmos que criticavam abrem espaço e são os primeiros a soltar falas que levam a pensar que a Funai estava certa.

Uma surda, com um currículo compatível com o cargo, assume função importante na administração, aí então “formadores de opinião” criticam. A COAF pegou transferências em contas de pessoas direta ou remotamente ligadas ao presidente da República, então haja textos haja falação. Claro, e também prefiro que haja esclarecimentos, mas onde estava a COAF em casos envolvendo infinitamente muito mais dinheiro nos governos passados? Como se diz na gíria, em relação ao “carnaval” feito no caso primeiro, aquele foi merrequinha se comparado com os outros citados a seguir.

Pegado de surpresa pela reação fulminante do novo governo com relação à situação de insegurança e de autêntica guerrilha urbana em seu Estado, o governador cearense se viu obrigado a dar uma entrevista (*) elogiando Sérgio Moro e Bolsonaro. A surpresa fica por conta da rapidez do atendimento, ao contrário das demoras nas tantas vezes em que a Força Nacional era solicitada – lembram da novela do Rio de Janeiro, Roraima e outros?

Dessa vez os novos “donos do poder” em menos de 24 horas já desembarcava em Fortaleza as equipes da Força. Privilégio? Não. Foi apenas ação de governo que não pode ficar esperando a mídia nem resolver picuinhas políticas.

Lógico: o país foi herdado de modo tão esculhambado que praticamente se encontra numa situação em que “se tapa um buraco aí aparecem mais dois”. Ninguém espere que Bolsonaro e companhia vão fazer o Brasil que nós queremos seja o que ele vai entregar a seu sucessor. O que se espera é que vícios de muitos anos de clientelismo político e de incompetência gerencial reduzam, e para isso é fundamental que a Imprensa também dê sua participação, mas pelo visto, isso é difícil haja vista interesse maiores que desde várias décadas se encastelaram e que num período bem recente se transformaram em autênticos bunkeres onde não se considerava o interesse público, mas a prática do discurso “republicano” que, na realidade, era mais um jogo de cena e não seriedade administrativa.

DATAS DE RONDÔNIA

JANEIRO

Dia 11 – Em 1975 – Ainda como Guarda Territorial, um contingente da futura Polícia Militar se instala em Vilhena, sob comando do sargento PM Marlúcio Souza (Pedro Brasil, Vilhena conta sua História).

Dia 13 – Em 1750 – Portugal e Espanha admitem que violaram o Tratado de Tordesilhas e assinam o Tratado de Madri, fixando as fronteiras das suas colônias na América do Sul (Nelson de Figueiredo Ribeiro, A Questão Geopolítica da Amazônia).

Dia 13 – Em 1945 – O Ministério da Guerra determina ao Exército criar a 2ª Companhia Rodoviária Independente, sendo uma das suas missões abrir uma estrada no sentido sul do então Território, a partir de Porto Velho (Vitor Hugo, Cinquenta anos do Território Federal do Guaporé).

Dia 13 – Em 1961 - O presidente JK inaugura em Cuiabá (MT) a rodovia BR-29 (depois BR-364), ligando a capital mato-grossense a Porto Velho e daí se estendendo a Rio Branco, AC (Juscelino Kubistchek, Por que construí Brasília).

 

HISTÓRIAS DO LÚCIO

CORRUPTOS E CORRUPTORES

Vou a um tipo de sessão legislativa que não gosto – aliás, faz tempo que minha paciência esgotou, depois de 25 anos no dia-a-dia da Assembleia, mas aquela reunião tinha algo de especial, porque meu compadre e  jornalista Lenílson Guedes foi receber o título de Cidadão Honoráro do Estado. Convidado, espero a hora de começar a sessão e sou apresentado a um deputado recém-eleito. Na conversa ele conta que um jornalista o teria pressionado (o termo seria bem outro, mas vamos ser um pouco elegantes...) a conceder uma gratificação de gabinete em troca de cobertura no site do proponente.

Eu já conheço a história que é comum, apesar de publicamente não confirmada,  e acontece não só na relação (parte da) imprensa com gabinetes legislativos, mas também em outros cargos de gestão.

A coisa aconteceu e ficou mais viralizada no meio porque houve pressão do interessado a que o sindicato se posicionasse, mas a presidente respondeu que não era assunto do Sinjor - aplausos para a professora Sara, e recomendou ao deputado que não atendesse.

Aí lembrei de outro caso, há alguns anos quando eu chefiava o Departamento de Comunicação da Assembleia e fui convocado por um grupo de deputados. Lá chegando, eles expuseram o problema, o mesmo do caso de agora, e eu pedi para falar:

“Vocês sabem por que tem chantagista?” Eles ficaram me olhando. E completei: “Porque tem chantageador. Só dá certo assim”. Anos depois, um ex-deputado e membro daquele grupo, conversando comigo disse que aquelas pequenas frases “foram uma boa lição para ele”.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

FALECEU  O "ÚLTIMO DE TODOS E O SERVO DE TODOS"

FALECEU O "ÚLTIMO DE TODOS E O SERVO DE TODOS"

Ordenado sacerdote em 1961, bispo de Rio Branco (AC) em 1972 e Arcebispo Arquidiocesano de Porto Velho em 1998, faleceu no final de ontem Dom Moacyr G

Transfobia?????? - Folgando na sexta - Articulação. Cheira muito a “é dando que se recebe”

Transfobia?????? - Folgando na sexta - Articulação. Cheira muito a “é dando que se recebe”

SUGESTÃOParabéns ao jornalista Ciro Pinheiro, que entregou à chefia de gabinete da prefeitura a sugestão  de que o nome do prédio do Relógio, onde nes

HÁ ADVERSÁRIOS E “ADVERSÁRIO

HÁ ADVERSÁRIOS E “ADVERSÁRIO

Já escrevi várias vezes (antes mesmo da eleição) que o presidente Bolsonaro deveria, e deve, tomar cuidado com o chamado “fogo amigo”. E também que el

Quem vai legislar sobre projeto das armas?

Quem vai legislar sobre projeto das armas?

Imagine a situação: o cidadão está com dois bandidos forçando a porta de sua casa, ambos armados (novidade para alguém que assaltante não porte armas?