Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

INCENTIVO À CRIMINALIDADE


A manutenção da legislação brasileira atual é, eu e muita gente consciente neste país, um estímulo claro à criminalidade e à certeza da impunidade. Pior: os átimos de revolta e de execração da criminalidade vistos de parte de quem tem responsabilidade pública e capacidade para mudar a coisa, só acontecem quando há um crime violento, bárbaro, como aconteceu naquele caso de uma atriz da Rede Globo (e cuja repercussão maior só aconteceu em razão da visibilidade e poder de fogo da empresa para a qual ela trabalhava e, certamente, não para o fato em si); nos ataques do PCC em São Paulo, o seqüestro e assassinato do prefeito Celso Daniel, e, agora, de volta, com a violenta morte de um garoto no Rio de Janeiro.

Aí, é só acompanhar o noticiário, quem tem o dever de atuar para mudar o quadro dá entrevista, condena, ameaça e, sentada a poeira, ninguém faz nada. Recolhem-se todos à espera da nova oportunidade de aparecer em rede nacional, como se fossem chacais (*) esperando uma nova vítima de caso aterrorizante e vergonhoso para, outra vez, repetirem a mesma encenação, num ciclo que se repete e que, na realidade, eles não querem mudar, até porque só assim conseguem espaço na mídia.

Estou cheio, como muitos outros brasileiros, de ouvir de autoridades, políticos e líderes de entidades da sociedade que a legislação tem que mudar, que o ECA se tornou um abrigo para o crime, de saber que este país tem leis que protegem mais a criminalidade do que o cidadão que paga impostos. Cheio de ouvir pessoas que se dizem conscientes defender que a idade penal não deve ser reduzida e que, com certeza, se escondem nesse discurso de alegar estarem a favor de mudanças no Código Penal , mas não vão além disso e, quando cobradas, alegam ser a culpa de outros.

E envergonhado, porque não tenho coragem de olhar meus netos nos olhos e lhes dizer que fiz alguma coisa além de gritar, espernear e me revoltar. Envergonhado por compactuar com tudo isso, em razão de exercer meu (??) direito de cidadão e votar em todas as eleições e de contribuir, ainda que meus candidatos não ganhem, para eleger quem não tem compromisso efetivo com a sociedade que dizem representar. Sim, "direito" para quê?

Desculpem os leitores, mas eu estou revoltado com tanto blá-blá-blá e tanta letargia da própria sociedade da qual eu, você, fazemos parte.

Inté outro dia, se Deus quiser!

(*) Que me desculpem os chacais, porque esses animais fazem um trabalho natural e não pretendem ganhar pontos sobre a revolta e a dor de outros.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

O país foi herdado de modo tão esculhambado

O país foi herdado de modo tão esculhambado

Uma evangélica assume um Ministério – pronto, o mundo desaba, ninguém considera seu currículo

FOGO AMIGO PODE PREJUDICAR, E MUITO, BOLSONARO

FOGO AMIGO PODE PREJUDICAR, E MUITO, BOLSONARO

Há algumas colunas anteriores escrevi que o então candidato Jair Bolsonaro tinha problemas muitos, e que não eram apenas os adversários. Citei que um

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (III) (Alguns) personagens da (anti) História de Rondônia

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (III) (Alguns) personagens da (anti) História de Rondônia

Nos dois artigos anteriores comentei sobre o fato da nossa História estar concentrada em três nomes – Rondon, Aluízio Ferreira e Jorge Teixeira, com

RO PAGA MAIOR AUXÍLIO MORADIA DO PAÍS E MARINHA DE VOLTA

RO PAGA MAIOR AUXÍLIO MORADIA DO PAÍS E MARINHA DE VOLTA

ECONOMIAO PT e aliados anunciaram que não irão à posse do Bolsonaro. Pelo menos vamos economizar por três lados: 1) sem eles o erário vai patrocinar m