Porto Velho (RO) quarta-feira, 24 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Histórias do Lúcio (VIII)


EMPOLGAÇÃO

O adolescente Enéas Rômulo Araújo consegue espaço para um programa na rádio Eldorado e o Bosco Gouvea lhe dá um nome artístico que em seguida se tornaria seu nome oficial (inclusive político, tendo ele sido vereador em Porto Velho e deputado estadual): Dalton di Franco.

O Dalton foi trabalhar no Alto Madeira como repórter policial, começando ali a escrever. Uma tarde ele entra na redação, aí por volta de 1979, quase gritando, repórter novo, cheio de gás e vibração, contando que a polícia havia prendido um estuprador no bairro das Pedrinhas e que o cara, momentos antes, havia estuprado uma garota.

‘Ele foi preso com a arma do crime na mão’, afirmava o Dalton, empolgado com o que pode ter sido seu primeiro grande caso durante a carreira como repórter policial.

Aí resolvemos fazer troça. ‘Dalton, quer dizer que o cara foi preso com a arma do crime na mão?’. E ele ‘Foi sim’. E nós: ‘Dalton, quer dizer que além de estuprador o cara é um grande tarado’. O Dalton: ‘Por quê?’.

‘Ora - se não me engano foi o velho Vinícius Danin quem explicou ao Dalton - se o cara estuprou e a polícia o prendeu com a arma do crime na mão, vai ver que, depois do estupro, o tarado ainda ficou se masturbando, foi aí que ele foi preso’.

Eleito deputado estadual (1991/95), Dalton chega.

Fonte: Lúcio Albuquerque

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

O ano novo de 1968, data comum à maioria da Humanidade, começou, como todos os outros denominados historicamente de D.C, a 1º de janeiro. O “ano do ho

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

(Ou como distorcer, para criticar, uma resposta)

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

Que o presidente Jair Bolsonaro precisa levar uma espécie de “puxão de orelha” em relação a falas fora de tempo, ou permitir que seus filhos interfira

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

Não tenho, nunca tive e nem pretendo ter filiação partidária. Quem me conhece sabe que eu nunca me posicionei a favor de Lula (até quando encaro um pr