Porto Velho (RO) domingo, 24 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Histórias do Lúcio (V)


DOUTOR QUEM?

Em campanha eleitoral se ouve e vivencia muita coisa. Em 1986 o jornalista Sérgio Melo está na assessoria do governador Ângelo Angelin e no palanque do comício do PMDB em Colorado. O prefeito Marcos Donadon (o pai inicia seu discurso: 'Doutor Ângelo Angelin, doutor Jerônimo Santana, doutor Aires do Amaral, doutor....' e por aí afora, naquele seu modo próprio de chamar a todos de 'doutor'.

Nominou todos até que enxergou o Sérgio, encostado no fundo do palanque. E na sequência vinha dizendo '...doutor Tomás Correia, doutor...., doutor..., como é mesmo o nome do doutor aí?', disse, dirigindo-se ao Sérgio, em meio a risadas.


Vereador João Bento Porto Velho, (1972/1983) cria o maior tumulto na contagem dos votos para a Câmara Municipal em 1976. O juiz Cesar Montenegro vai saber o que está acontecendo e o candidato explica que numa cédula o eleitor havia escrito 'jumento' mas que a intenção fora escrever 'João Bento'. Risadas gerias, mas ele acabou eleito.

Fonte: Lúcio Albuquerque

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Caminhoneiros pressionaram... Por Lúcio Albuquerque

FAZE O QUE DIGO, MAS NÃO FAZE O QUE FAÇO

BRASIL BEM NA FOTO: À FRENTE DA COREIA E TAIWAN - Por Lúcio Albuquerque

BRASIL BEM NA FOTO: À FRENTE DA COREIA E TAIWAN - Por Lúcio Albuquerque

Pode parecer ironia que o título se refira ao Brasil estar à frente de duas nações gigantes em tecnologia e economia no mundo, mas, por incrível que i

O silêncio ensurdecedor da morte do lado errado - Por Lúcio Albuquerque

O silêncio ensurdecedor da morte do lado errado - Por Lúcio Albuquerque

Tenho dito, e já escrevi, que sou favorável ao movimento dos caminhoneiros, mas também tenho dito e escrito que sou contra a violência, a ameaça a que

ÓRGÃOS DE CONTROLE PRECISAM “SAIR DA TOCA”

A reação do governo foi, pelo menos, absurda