Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Fogo amigo pode prejudicar, e muito, Bolsonaro (1)


Fogo amigo pode prejudicar, e muito, Bolsonaro (1) - Gente de Opinião

Há algumas colunas anteriores escrevi que o então candidato Jair Bolsonaro tinha problemas muitos, e que não eram apenas os adversários. Citei que um dos problemas eram os agentes do “fogo amigo” – um termo militar que representa quando artilharia e outros bombardeamentos ao invés de atingirem os amigos acertam, mesmo, os aliados que estão na vanguarda.

Sou dos que entendem não haver como admitir a teoria de que “se os outros erraram, por que eu também não posso errar?”. Na campanha parentes de Bolsonaro e aliados várias vezes deram “munição” aos contrários, e estes só não conseguiram melhor êxito por uma mistura de incompetência, excesso de autoconfiança e porque estavam tão desacreditados que ninguém lhes dava qualquer crédito afora, lógico, os envenenados pela incapacidade de pensar, mas que não conseguiam sucesso em suas perorações porque não tiveram o aval da chefia.

Já no dia da posse – dispenso aqui até porque foi interessante o discurso em libras da mulher do Bolsonaro, e dos dois selinhos, porque isso serviu até para dar uma aura diferente e relaxante a uma cerimônia que durou mais de seis horas – a presença de um camarada sentado atrás do presidente e esposa, que, segundo a mídia, era um dos filhos dele, representou, pelo menos, um símbolo desrespeitado, haja vista ser aquele carro um símbolo da própria Presidência.

Agora um grupo de amigos, colegas da igreja onde a esposa do presidente frequenta no Rio de Janeiro, foi convidado a visitar a nova residência do casal, um fato normal, afinal é comum que as pessoas convidem aqueles que lhes são caros a ir conhecer suas novas residências.

Mas no caso do novo endereço do casal presidente aí é outra coisa e, pelo menos, uma regra de compostura básica os visitantes deveriam ter mantido. Pelo que se viu, a coisa descambou para a bagunça e, pelo visto, mais “fogo amigo” para alimentar a artilharia dos adversários (ou seriam inimigos, mesmo?).

O que este eleitor, que continuar acreditando não ter jogado fora seu voto, sugere é que o presidente, com relação aos efeitos perniciosos do “fogo amigo”, não esqueça de Voltaire e seu dito famoso: “Que Deus cuide dos meus amigos, que dos inimigos cuido eu”.   

(1)  Coluna publicada na sexta-feira, 4 de janeiro de 2019. Pelo visto, a republicação, 3 meses depois, face a sucessivos fatos seguintes, envolvendo praticamente os mesmos personagens, em meu entendimento o texto continua atual. Lamentável!

FOGO AMIGO PODE PREJUDICAR, E MUITO, BOLSONARO

Sigo as partir dos últimos fatos: é risível, mais que isso preocupante, pelos efeitos que o “fogo amigo" vem gerando, observar que grande parte da artilharia contra o presidente esteja sendo gerado pelos próprios familiares, e que, pelo visto, o presidente deixa claro que age no caso não como chefe da Nação, mas, sim, como pai que sempre releva prejuízos gerados pelos filhos sem aparentar levar em conta o que pode decorrer daí. No caso de Bolsonaro, prejuízos ao Governo e, por extensão, a todos nós.

 

Considere-se dito!

 

jlucioalbuquerque@gmail.com

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Três fatos no comentário

Três fatos no comentário

         APOIO AO PAPA - A Rádio Caiari, creio que toda rede católica de rádio esteja fazendo o mesmo, está com uma campanha de apoio ao papa Francisc

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

A Orquestra "Villa \|lobos" de Porto Velho, com apoio do Sicoob, inicia hoje, às 10 horas, com apresentação  especial a crianças e funcionários do hos

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Faleceu na noite de ontem, dia 2 de outubro, o escritor Cláudio Batista Feitosa, membro da Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira número

Há dois anos o melhor historiador e a melhor escola de jornalismo fecharam as portas

Há dois anos o melhor historiador e a melhor escola de jornalismo fecharam as portas

RONDÔNIA PERDE SEU MAIOR HISTORIADOR –o Alto Madeira deixa de circularUma história de amor por Rondônia foi encerrada, mais de 100 anos depois de com