Porto Velho (RO) quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (III) (Alguns) personagens da (anti) História de Rondônia


EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (III) (Alguns) personagens da (anti) História de Rondônia - Gente de Opinião

Nos dois artigos anteriores comentei sobre o fato da nossa História estar concentrada em três nomes – Rondon, Aluízio Ferreira e Jorge Teixeira, como reportou dia 31 o aposentado Carlos Cavalcante, para quem “é preciso tratar a História sem partidarismos e sem paixão pessoal”, ou, como mandou mensagem Maria Rita Buarque, “É impossível não haver outros nomes e fatos importantes nesses mais de 100 anos”.

Não pretendo, o que seria um absurdo imenso, reduzir a importância que os três citados acima  tiveram, e pelos reflexos do que suas ações representaram, ainda importantes hoje, mas, repito, apesar deles o Estado foi construído pelo esforço de muitos, e a História disso não pode deixar de lado outros nomes e fatos.

Sem uma ordem cronológica, vou me reportar a alguns nomes que em meu entendimento precisam de um tratamento mais digno, pela relevância do que fizeram por esta Terra.

Sílvio Gonçalves de Faria, ou Capitão Sílvio, responsável pelo projeto que permitiu a Rondônia o reordenamento de terras, antes dividida em imensos seringais. Superintendente do Incra, coube a ele chefiar uma equipe de jovens técnicos na organização da “invasão” que de 1967 a 1990 provocou uma imensa onda de migração interna, o que permitiu ao Brasil “descobrir” o imenso potencial agrícola das terras de Rondônia. Um fato que não entendo é a razão pela qual o trabalho daquele Incra não é estudado das escolas e reverenciado como deveria na nossa História.

Marise Castiel, professora, política, educadora de várias gerações de rondonienses, folclorista, carnavalesca, liderança comunitária forte, não tenho dúvida ser ela o maior nome feminino da nossa História, mas cujo nome e trabalho precisa ser mais discutido e conhecido.

Mas Marise não é única representante feminina cujas ações foram fundamentais para Rondônia. A professor Janilene Melo não foi só a primeira mulher a governar um Estado brasileiro – na condição de governadora nomeada com a posse no início de janeiro de 1984. Janilene foi participante em posição importante do grupo que, ainda no governo Guedes, formulou o projeto de estruturação do Estado o que, logo após a posse de Teixeira, ela própria apresentou ao novo governador e que serviu de base para a história daí para a frente.   

Paulo Nunes Leal, governador duas vezes do Território e deputado federal uma, cuja crença no potencial desta Terra, e sua visão futurista para com a Amazônia, foram fatores responsáveis por convencer o presidente JK a mandar abrir a BR-029 que Paulo Leal chamava chamou de “O outro braço da Cruz”.

Segundo Abnael Machado, professor e historiador, foi a partir do governo Marques Henrique, 1969/1972 e 1974/1975 que o território cria nova estrutura,“em sua administração são criadas empresas de economia mista, implantada a Província Estanífera de Rondônia e a sua Bacia Leiteira de Porto Velho, foram instalados a EMBRATEL o DNPM órgãos federais, implantando o ensino superior em convênio com as Universidades Federais do Acre e do Rio Grande do Sul”. 

Humberto Guedes, governador do Território de 1975 a 1979, não há como dissociar a criação do Estado da enorme contribuição dada por ele para que o 22 de dezembro de 1981 acontecesse. Seu trabalho, com uma equipe jovem, deu os passos decisivos para que o Estado acontecesse, mas seu trabalho, também continua longe do primeiro plano da História rondoniense.

Um nome que também precisa estar nesta lista é o do ex-deputado federal e ex-governador Jerônimo Santana que, ainda que por vezes através de posições com as quais eu não concordava, colocou o Território na pauta da discussão em Brasília, e já em sus primeiros meses de deputado federal, em 1971, já encaminhava à Câmara um projeto de criação do Estado.

Em todos os campos de atividades – esporte, religião, jornalismo etc – há grandes nomes e fatos. Um deles, pouco conhecido, mas que teve papel relevante para chamar a atenção ao abandono da BR-29 (364) pelo governo federal, teve dois jornalistas e um projeto “maluco”. Quem viaja pela 364 de Porto Velho a Cuiabá nem imagina o que era a rodovia e os desafios que enfrentavam os aventureiros que a usavam até mesmo pela década de 1970.  Em junho de 1963, quando a estrada estava transformada num “caminho de onças”, os jornalistas Vinícius Danin e Milton Alves foram de lambreta a Brasília pedir ao presidente João Goulart que a rodovia saísse do abandono.

Há muito o que tratar quando é a nossa História e sobre amaneira como personagens e fatos praticamente são colocados, como disse no primeiro desta série, “debaixo do tapete”. Daí ser impossível que continuemos – e retorno a dizer que os entes culturais voltados à História, aí incluída a Universidade Federal de Rondônia, precisam tomar a frente de uma ação que, sem desmerecer os nomes mais citados, deem a conhecer esses personagens e fatos que a cada dia são cada vez mais marginalizados e esquecidos.      

 

 

HISTÓRIAS DO LÚCIO

O COCO, O BOLSONARO E A SOGRA

De férias em João Pessoa, na casa da sogra, um amigo meu recebeu pedido da esposa: comprar um coco na beira da praia a uns 800 metros de distância. O cara já ia dentro do elevador descendo do apartamento no 23º andar, quando a sogra telefonou.

“Traz um coco para mim também”. Tudo bem, pensou o amigo, e foi em frente rumo ao carrinho do vendedor na praia de Manaíra, já pronto para trazer os dois pedidos e tentar  ganhar mais alguns pontos com a mãe da “cara metade”.

Era um dia depois da eleição do Bolsonaro e o vendedor estava discutindo com dois policiais que diziam que o Brasil iria mudar e o cara dos cocos não querendo acreditar.

Foi quando meu amigo chegou, fez os dois pedidos e alguém perguntou por que ele, estando só, queria dois cocos.

“Um pra minha esposa e outro para a sogra”, respondeu.

AÍ o vendedor falou:

“Taí, agora acredito que a coisa vai mudar mesmo. Já tem até um cara comprando coco pra sogra.....”  

 

DATAS DE RONDÔNIA

JANEIRO

Dia 1 – Em 1913 – Primeiro número do jornal Extremo Norte, na cidade de Santo Antonio, então município de Mato Grosso e a partir de 1945 um bairro de Porto Velho. O Extremo Norte se identificava como um Jornal de Propaganda. Era vendido a um centavo cada número e foi o primeiro jornal em português no que é hoje Rondônia (Lúcio Albuquerque, Da Caixa Francesa à Internet, Um século da Imprensa em Rondônia).

Dia 3 – Em 1984 – Nomeada pelo presidente João Figueiredo, a economista e professora Janilene Melo assume, na condição de governadora substituta, o Governo de Rondônia, encerrando a primeira crise institucional do Estado, entre os Poderes Executivo e Legislativo. Ela se torna, então, a primeira mulher, no país, a ser chefe de um Poder Executivo estadual.  (Lúcio Albuquerque, A Mulher em Rondônia).

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

O país foi herdado de modo tão esculhambado

O país foi herdado de modo tão esculhambado

Uma evangélica assume um Ministério – pronto, o mundo desaba, ninguém considera seu currículo

FOGO AMIGO PODE PREJUDICAR, E MUITO, BOLSONARO

FOGO AMIGO PODE PREJUDICAR, E MUITO, BOLSONARO

Há algumas colunas anteriores escrevi que o então candidato Jair Bolsonaro tinha problemas muitos, e que não eram apenas os adversários. Citei que um

RO PAGA MAIOR AUXÍLIO MORADIA DO PAÍS E MARINHA DE VOLTA

RO PAGA MAIOR AUXÍLIO MORADIA DO PAÍS E MARINHA DE VOLTA

ECONOMIAO PT e aliados anunciaram que não irão à posse do Bolsonaro. Pelo menos vamos economizar por três lados: 1) sem eles o erário vai patrocinar m

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (II) e (III)

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (II) e (III)

Um Estado tão jovem como é Rondônia não poderia apagar de sua memória histórica esses fatos e atores