Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (II) e (III)


EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (II) e (III)  - Gente de Opinião

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (II)

(Atores que passam longe da dita História)

 

No artigo anterior “Uma história que deveria ser, mas não é honrada”, enfoquei minha estranheza que fatos e personagens da nossa História estejam sendo colocados de lado, fatos e pessoas que deram enormes contribuições a Rondônia, e que são ignorados por quem deve motivar seu conhecimento.

Querem um exemplo? O fato histórico que pode rivalizar com a própria criação do Estado pouco dele se fala e muita gente que deveria conhecê-lo, o “Tratado de permuta de Territórios e outras compensações”, com certeza têm dificuldades em relacionar com o título comum que aquele documento é conhecido entre nós.

Há alguns anos participei de reunião em que se discutia a proposta da Data Cultural de Rondônia. Eu estava lá na condição de convidado, mas acabei sugerindo o dia 17 de novembro. Para minha surpresa, até porque estavam presentes pessoas que gostam de denotar conhecimento da nossa História, nenhum dos quase 20 participantes identificou a data. Aliás, leitor, você já identificou? Parabéns!.

A data é do que chamamos de “Tratado de Petrópolis”, de 1903, aquele com a Bolívia que oficializou as terras acrIanas para o Brasil e como uma das compensações foi construída a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré rivalizar com o 22 de dezembro? Simples: caso não houvesse aquele fato, correríamos o risco de estarmos na condição de muitas cidades de beira de rio amazônico.

É comum encontrarmos citações – justas, mais que justas! – sobre os seringueiros nas duas etapas da extração da borracha, dos que vieram trabalhar para construir a Madeira-Mamoré, a odisseia daqueles que vieram e fizeram seu trabalho, ainda que muitos pagando com suas vidas o denodo do desafio da selva, da malária, da ganância dos patrões.

Outro fato? A determinação do presidente JK para construir a BR (hoje 364) que possibilitou o desenvolvimento regional, a ocupação do solo, a mudança do perfil econômico deixando de sermos extrativistas vegetais para abrir espaço à potência que Rondônia hoje representa na área do agronegócio.

Um Estado tão jovem como é Rondônia não poderia apagar de sua memória histórica esses fatos, atores também e muito importantes do nível que alcançamos em 1981 e a partir daí.

Mas dentre os fatos que levaram Rondônia a alcançar o status atual há um que, talvez por ter acontecido durante o período de 1964, é praticamente ignorado pelos que se atrevem à historiografia local.

Seu título é Incra, que conseguiu tornar possível a missão que foi dada ao próprio e realizar o que é chamado de “a única experiência de reforma agrária que deu certo neste país”.

Em 2011 quando presidi a Academia de Letras de Rondônia – ACLER, realizamos atividades, com o auditório do Teatro Banzeiros lotado, sobre Rondon. Mas ali não se tratou da linha telegráfica, da qual muito falam. A Acler foi mais adiante, tratando de duas temáticas diferentes, a importância do Positivismo na vida do patrono do nosso Estado. Outra foi sobre a missão científica que acompanhou Rondon. Fatos que, apesar da relevância, praticamente passam em branco quando se mergulha na História do Patrono das Comunicações.

Um Estado ainda buscando sue “norte”, um povo ainda em formação, não pode continuar convivendo com essa falta de debate sobre sua memória, o que fica pior, como disse recentemente um  historiador, porque sua capital “não sabe quando foi criada nem definiu ai da a razão de seu nome, Porto Velho”.

São desafios que precisam ser encarados por historiadores, pesquisadores, pelas entidades voltadas à cultura e, mais, pela própria Universidade Federal de Rondônia. Para isso será preciso quebrar tabus e colocar a História de Rondônia na pauta, o que será uma mudança comportamental que, sem dúvida, precisa acontecer.

 

EM 1981 O ESTADO CONSTRUÍDO A MUITAS MÃOS (III)

(Alguns) personagens da (anti) História de Rondônia

 

HISTÓRIAS DO LÚCIO

O Ciro, o padre Izoardi e a missa

Bodas de Prata do jornalista Ciro e da professora Penha - Pinheiro, missa na igreja de São Francisco de Assis ali na Pinheiro Machado com a Campos Sales, templo lotafp por amigos do casal.

O celebrante era o padre João Carlos Izoardi, educador de muitas gerações e conhecedor, além de muito respeitado, da sociedade portovelhense, o ato religioso chega a homilia e o padre começa a falar sobre o casal, detendo-se mais na figura do Ciro.

Lembra sua trajetória, cita ter sido o Ciro responsável pelo concurso estudantil que indicava, na Semana da Criança, o governador, e  o prefeito, mirim, destaca ao comportamento social e profissional dele e começa a rememorar alguns pontos do Ciro em mais de 20 anos (àquela altura), de residência dele em Porto Velhp.

Lá pela metade da igreja estamos eu e  Fátima e, ao lado, o advogado Amadeu Machado. De repente o Amadeu bate em meu braço e, em voz baixa, diz:

"Tomara que ele não fale da Vila Jorgina" (*).

(*) Vila Jorgina era um prédio de apartamentos alugados apenas a solteiros e, de lá, há muitas histórias e estórias para contar.

DATAS DE RONDÔNIA

( 27 a 29 de dezembro)


Dia 27 – 1914 – Nasce em Humaitá (AM) o historiador, professor e jornalista Esron Penha de Menezes

Dia 27 – 1995 – Criados os municípios de Chupinguaia, São Francisco do Guaporé, Pimenteiras do Oeste e Buritis (Lúcio Albuquerque, A Marca da Nossa História, 20 anos da ALE-RO)

Dia 28 – 1960 – Depois de 60 dias de viagem, chega a Porto Velho a Caravana Ford, primeiros veículos que vieram por estrada desde São Paulo, sob comando do mecânico Eduardo Lima e Silva, Seu Dudu (Paulo Nunes Leal, O Outro Braço da Cruz)

Dia 29 – 1981 – O coronel Jorge Teixeira de Oliveira toma posse, perante o presidente João Figueiredo e vários ministros, como primeiro governador do Estado de Rondônia (Francisco Matias – Pioneiros – Ocupação Humana e Trajetória Política de Rondônia)

Dia 29 – Em 2008 – Criado o Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Ji-Paraná (Jornal Folha de Rondônia).

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

FALECEU  O "ÚLTIMO DE TODOS E O SERVO DE TODOS"

FALECEU O "ÚLTIMO DE TODOS E O SERVO DE TODOS"

Ordenado sacerdote em 1961, bispo de Rio Branco (AC) em 1972 e Arcebispo Arquidiocesano de Porto Velho em 1998, faleceu no final de ontem Dom Moacyr G

Transfobia?????? - Folgando na sexta - Articulação. Cheira muito a “é dando que se recebe”

Transfobia?????? - Folgando na sexta - Articulação. Cheira muito a “é dando que se recebe”

SUGESTÃOParabéns ao jornalista Ciro Pinheiro, que entregou à chefia de gabinete da prefeitura a sugestão  de que o nome do prédio do Relógio, onde nes

HÁ ADVERSÁRIOS E “ADVERSÁRIO

HÁ ADVERSÁRIOS E “ADVERSÁRIO

Já escrevi várias vezes (antes mesmo da eleição) que o presidente Bolsonaro deveria, e deve, tomar cuidado com o chamado “fogo amigo”. E também que el

Quem vai legislar sobre projeto das armas?

Quem vai legislar sobre projeto das armas?

Imagine a situação: o cidadão está com dois bandidos forçando a porta de sua casa, ambos armados (novidade para alguém que assaltante não porte armas?