Porto Velho (RO) terça-feira, 24 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

E A FRONTEIRA, DONA ROUSSEF?



Lúcio Albuquerque

Creio que a senhora sabe mais até que eu: a situação nas grandes, pequenas e médias cidades brasileiras já extrapolou todos os limites do que seria pensável de aguentar e hoje o medo, de quem será a “próxima vítima” é companheiro diário de quase 100% de brasileiros afora.

Lógico, não incluo aí os que contam com aparatos de segurança em seu redor, segurança paga com o dinheiro que nos tomam e que, conforme a Constituição Federal, deveria servir também para nos garantir a segurança, mas aí é outra história, porque os que compõem o grupo que impede os 100% são seres privilegiados e, por isso, nem ligam para a plebe ignara.

Mas, dona Roussef, uma coisa que sempre me incomoda é ver, por exemplo, notícias e notícias citando que um fomentador dos nossos males seja a facilidade com que se entra e sai pelas nossas continentais fronteiras, seja através da  Ponte da Amizade ou aqui ela Amazônia.

Bom, se já existe a consciência de que a inexistência de sistemas de controle mais fortes de passagem pelas nossas fronteiras, e isso alimenta o crime – valho-me aqui do que ouço e leio de entendidos no assunto; de que droga e armas chegam nas cidades por tal caminho, fico perguntando “por que razão o governo não faz alguma coisa?”. “Por que não implanta sistemas rigorosos de controle?”.

Sou franco: não conheço bem as fronteiras brasileiras na região sul, mas as conheço na nossa Amazônia. Aqui, pelo visto, os contingentes são ínfimos e a própria presença do Exército – veja o exemplo de Rondônia, limita-se a dois contingentes, um em Guajará-Mirim e outro em Forte Príncipe.

Será que a senhora sabe a distância entre esses dois pontos? Já viajei de barco naquele espaço e nem é preciso estudar muito para saber que falta ali a presença do Estado, quer dizer, da estrutura gerida pela senhora, o que não inclui apenas os militares, esses tolhidos em sua capacidade até (volto aqui a citar o que ouço e leio de autoridades do setor) porque as verbas são mais que curtas.

Ah! Mas verba para financiar obras em Cuba, perdoar dívidas de países africanos ou da Venezuela, para isso o Governo tem. E nem falo da construção de vários “elefantes brancos” a que jornalistas esportivos cognominam “arenas”, isso o governo tem de sobra, ainda mais com uma legislação que permite afrouxamento do controle de contas.

(Sobre os jornalistas esportivos lembro que na década de 1950 o Juca Chaves lançou a música “Caixinha, Obrigado!” e num dos versos ele afirma que “o futebol é o ganha-pão da imprensa”, daí a defesa que fazem da Copa num país como o nosso.

Dona Roussef, a senhora socorre o Rio de Janeiro mandando tropas federais fazer o trabalho que não é sua atividade fim. É um aliado político, que, como outros governadores anteriores, falhou nesse lado e a senhora talvez inconscientemente tenha entrado naquela via de que “aos amigos, os favores da lei”. Além disso, os morros cariocas têm enorme contingente eleitoral e uma ação dessa forma se transforma em ponto midiático que, creio que a senhora saiba, só isso não resolve.

Mas a moda é “dar o peixe ao invés de ensinar a pescar”, como fazem com famílias que vivem da bolsas, dinheiro tirado da extração que fazem de nossos salários, ação que, a senhora, economista, sabe que tais bolsas não levam a lugar nenhum – é só fazer uma projeção para 20 anos. É, mas a eleição é daqui a seis meses e aqui se aplica a lógica de que “mais vale um pássaro na mão do que dois avoando”.

Daí, dona presidente, que tal olhar para as fronteiras? Aqui, por incrível que pareça, também é Brasil, talvez até com um sentimento maior de brasilidade do que em outras regiões do país. Sugiro à senhora ler o “Discurso do Rio Amazonas” que outro presidente, há 73 anos fez em Manaus. Talvez ali a senhora encontre forças para nos olhar com a mesma atenção com que socorre o seu aliado agora.

Inté outro dia, se Deus quiser!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

BOM DIA 24 DE NOVEMBRO!

BOM DIA 24 DE NOVEMBRO!

RONDÔNIA: Em 1977 o distrito de Pimenta Bueno, à margem da rodovia BR-364 e  550 quilômetros de Porto Velho, foi oficialmente instalado como município

HISTÓRIAS (da gente) DE RONDÔNIA (3) - Equipe esportiva G-35 e sua participação na história da tv em Porto Velho

HISTÓRIAS (da gente) DE RONDÔNIA (3) - Equipe esportiva G-35 e sua participação na história da tv em Porto Velho

Em  1974 o governador Marques Henriques, fanático por futebol, queria ver os jogos da seleção brasileira na Copa da Alemanha. Conseguiu, conforme cont

BOM DIA 23 DE NOVEMBRO!

BOM DIA 23 DE NOVEMBRO!

RONDÔNIA: Vilhena, a “Cidade Clima da Amazônia”, torna-se o quinto município do Território de Rondônia, instalado pelo governador Humberto Guedes que

BOM DIA 22 DE NOVEMBRO!

BOM DIA 22 DE NOVEMBRO!

RONDÔNIA: O governador Humberto Guedes instala nesta data, em 1977, o município de Ji-Paraná, novo nome da localidade que antes foi chamada de Urupá,