Porto Velho (RO) quinta-feira, 2 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

CONTA GOTAS - Há 26 aos, um Estado diferente


 
Se você é dos que consideram a idade cronológica de um fato histórico apenas a partir de quando ele acontece, claro que este 4 de janeiro vai marcar os 27 anos que o ministro Ibrahim Abi-Ackel, representando o presidente João Figueiredo, declarou, da sacada do Palácio Presidente Vargas, instalado o Estado de Rondônia.

Mas o Estado de Rondônia não começou a tomar corpo apenas a partir de quando o coronel Jorge Teixeira chegou e anunciou, em seu discurso de posse, que estava cindo com a missão de transformar o Território em Estado. Até porque não houve transformação. Quando o presidente João Figueiredo assinou a Lei complementar 41 (22.12.1982) ele não estava dando uma de mágico, que é quem transforma. Ele estava criando.

Quando se fala da criação do Estado, a figura que vem à mente de muitos é a de Teixeira. Deixam de lado outras figuras que construíram aos poucos o que seria, nos últimos 25 anos do século XX, um Estado diferente na Amazônia e no Brasil.

Para começo de conversa, foi graças à busca da exploração do ouro negro, a borracha, que aos poucos os seringueiros foram invadindo uma parte da Bolívia, gerando a Guerra do Acre, o Tratado de Petrópolis, a decisão brasileira de assumir a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, a decisão do governo brasileiro de construir a Linha Telegráfica Estratégica – onde só uma figura com o carisma e a coragem de Rondon seria possível liderar homens para cumprir as metas planejadas (e quem duvidar sugiro a leitura de Rio da Dúvida).

Um Estado construído a partir da junção de terras de dois outros membros da Federação, passando pela saga dos nordestinos nos dois ciclos da borracha e, depois, no ciclo da cassiterita, na vontade dos nativos e, mais modernamente, a partir da grande corrida em busca das terras de Rondônia, no caminho aberto a mando de Juscelino Kubistchek.
Mas há personagens locais dos quais muitos preferem esquecer. Não falo de Aluizio Ferreira, onipresente na nossa História. Pessoas como a professora Laudímia Trota, que em 1947 criou a Escola Normal, passando a formar aqui mesmo as nossas professoras. Ou o bispo dom Xavier Rey, chamado também de Apóstolo do Guaporé

Em 1970, foi o trabalho de uma equipe de jovens, muitos deles que nem sabiam identificar uma seringueira, apesar de técnicos agrícolas ou engenheiros-agrônomos: Assis Canuto, Paulo Brandão, Ademar Sales, José Melo e outros, liderados pelo capitão Sílvio Gonçalves de Faria, que permitiu ao Brasil a única experiência positiva de reforma agrária, absorvendo centenas de milhares de brasileiros desesperançados e que mudaram suas vidas e vieram completar o trabalho iniciado no século XIX pelos que também são responsáveis por fazer de Rondônia um Estado diferente na Amazônia.

No mesmo período foi a visão grande do governador Humberto da Silva Guedes que gerou a base para que Rondônia deixasse a figura de Território para a História. E de sua equipe, da qual faziam parte o seu filho Cesar Auvray Guedes, o médico rondoniense Jacob Atallah, os agrônomos William Cury e Luiz Carlos Menezes, isso apenas para citar alguns.

A lista é grande. Rondônia não ascendeu à condição de Estado por obra e graça de uma pessoa apenas. Aqui, apesar de alguns terem se destacado, os méritos não podem ser de apenas um: trata-se de uma construção coletiva, em que cada um colocou seu tijolo – e cuja obra está sendo continuada.

Inté outro dia, se Deus quiser!   

Fonte: Lúcio Albuquerque / www.gentedeopiniao.com
[email protected]





REGISTRO DO MONTEZUMA CRUZ

Lúcio Albuquerque


Seu artigo de hoje está para lá de elucidativo. Parabéns.
Mostra que não houve magia – nem de Midas, nem de Merlim, nem de Teixeirão — na criação do Estado.
Além de mencionar nomes de gente que fez história, ao usar a palavra tijolo você encerrou o sentido de construção.
Quis postar o comentário no Gente de Opinião, mas não consegui. Fica, pois, registrado.
Abraço

Monte

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

02 de julho – BOM DIA! RONDÔNIA

02 de julho – BOM DIA! RONDÔNIA

Em 1912 – Instalação do município de Santo Antonio, então no Estado de Mato Grosso, desde 1943 inserido ao Território Federal do Guaporé, em 1945 pass

01 de julho – Seja bem-vindo, Julho, e que nos tragas a chama da Liberdade! RONDÔNIA

01 de julho – Seja bem-vindo, Julho, e que nos tragas a chama da Liberdade! RONDÔNIA

1912 – Começa a vigorar o contrato do Governo brasileiro com a empresa The Madeira-Mamoré Railway Limited, arrendando por 60 anos a exploração da ferr

Igreja e Semasf, com apoio de voluntários, ajudam a reduzir a fome, todos os dias, na Sagrada Família em Porto Velho

Igreja e Semasf, com apoio de voluntários, ajudam a reduzir a fome, todos os dias, na Sagrada Família em Porto Velho

Uns dizem que nunca pediram nada a ninguém. Alguns admitem ter até vergonha de estarem na fila do almoço. A maioria garante que estavam trabalhando, c

30 de junho – BOM DIA! RONDÔNIA

30 de junho – BOM DIA! RONDÔNIA

Em 1931 – A direção estrangeira da Madeira-Mamoré suspende suas atividades e o trem deixa de ter viagens normais no trecho Porto Velho a Guajará-Mirim