Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Confiança não se compra em Shopping


Confiança não se compra em Shopping - Gente de Opinião

Em 1974, embalado pelo movimento nacional pela abertura política, o MDB, também conhecido como “oposição consentida”, conseguiu resultados na eleição geral que devem ter surpreendido até mesmo os mais otimistas membros da sigla criada pelo Ato Institucional número 5. Se o que saiu das urnas em 1974 surpreendeu o grupo que àquela altura tinha adesão de todos os não inseridos no partido oficial, a ARENA, deve ter causado impacto maior nos corredores do Palácio do Planalto.

As urnas daquele ano passaram a ter seus resultados chamados de “As 16 derrotas que abalaram o Brasil”, título do livro de Sebastião Nery que esmiuçou o caso. Aquela eleição fez o governo criar uma figura sem voto popular na eleição geral de 1978, o “senador biônico” (Aliás, confesso: Era o único cargo político que me interessava, porque não precisava fazer campanha, o de fosse senador biônico, mas aí eu já estava no Território e  a figura não existia).

Em 1974, e depois, o MDB cresceu, mesmo sem ter eleito um presidente da República – falo em eleição direta, o partido acabou virando o fiel da balança. Só que acabou travestido  no que acabou no período de 1994 a 2018: uma sigla oficialmente forte mas que viveu sempre como apêndice importante pelos governos que se sucederam. “Sem o PMDB ninguém governa o Brasil”, é frase que até hoje há quem diga.

Mas desde o “mensalão” o PMDB começou a balançar e perder a credibilidade. Envolvido em escândalos sobre escândalos, o peemedebe chegou a 2018, do ponto de vista de confiabilidade eleitoral numa situação muito ruim, daí que resolveram mudar de nome, como se isso fosse o remédio para tudo.

Ora, quando o velho MDB começou sua caminhada ele não era exatamente um partido, mas, sim, uma salada de frutas de várias siglas e interesses. No entanto, em seus quadros principais havia nomes que agregavam e impunham respeito, os principais deles Pedro Simon e Ulysses Guimarães, cuja morte, em 1992, até hoje ainda causa ainda reclamações de falta de melhor esclarecimento.

Mesmo aqui em Rondônia, havia nomes de peso e que agregavam, sob a liderança de Jerônimo Santana, Cloter Mota e Enjolras Araújo. Mas o PMDB foi se apequenando. De tal forma que acabou transformado em chacota, um partido praticante da máxima do “é dando que se recebe”, usando aquela outra, do “hay gobierno, soy a favor”, desde, claro, que levasse bons cargos e outras benesses.

Na disputa de 2018 o PMDB deixou de existir, tentaram dar um verniz  novo, retornando ao MDB, mas pelo visto e pela reprovação dos nomes principais de sua sigla – aqui também com Valdir Raupp sendo defenestrado e quase que Confúcio Moura perde a vaga ao Senado para um desconhecido candidato lá de Vilhena – talvez a receita não é só tentar reinventar o partido.

Até porque a lição que ficou na última eleição, e que o PMDB e outras siglas que saíram chamuscadas parece não terem aprendido, é que confiança é coisa que você não compra em shopping e nem em boteco.

TRÍDUO

Começa nesta terça-feira, 19 horas, com uma celebração na estação rodoviária o tríduo em homenagem à padroeira de Porto Velho Nossa Senhora Auxiliadora, cuja data maior será na 6ª feira. A missa desta terça será uma ação conjunta das paróquias da Sagrada Família e São Cristóvão. 4ª feira haverá visita da imagem peregrina à Maternidade Municipal e na quinta (Sagrada Família, Rua Buenos Aires ao lado do campo do 13) Leitura Orante da Bíblia, às 19 horas. Sexta-feira acontece a procissão saindo da paróquia N. S. de Fátima para a Catedral, 16h30.

CONSELHO

O que temos de órgãos e entes oficialmente voltados à proteção do menor é coisa grande. Antigamente, e nem faz tempo, coisa de 30 anos, por aí, havia o Comissariado de Menores, agora, no entanto, tem muito mais. Mas é só dar uma circulada pelas ruas que parece nada estar sendo feito. Na região da rodoviária interestadual, Porto Velho, há muita presença de menores circulando, sendo que à noite eles vão dormir pelas calçadas etc. Será que só quem deve agir prefere não ver?

DESORGANIZAÇÃO

O camarada limpa peixe e deixa as sobras ali mesmo, enquanto moscas passeiam por lá e vão em seguida pousar em bancas de vendas de frutas e verduras. Só quem não vê, e como não vê não age para organizar a bagunça, é quem tem a responsabilidade da vigilância sanitária ou de setor da prefeitura. Além disso, o que acontece muito na feira livre, cada feirante se coloca como quer, sem deixar espaço para quem quer comprar, mas isso também não é visto pelo órgão municipal que até mantém dois ou três fiscais na feira, mas pelo visto é apenas para incluir isso em relatórios de final de ano.

POR QUE NÃO PRENDERAM?

Jessier Quirino, professor da UF Campina Grande, showman, tem uma que é genial: o matuto estava na porta da delegacia quando sai um policial e afixa um enorme cartaz com a foto de um bandido, um cara  muito mal encarado. Em baixo da foto, em letras garrafais escrito: PROCURA-SE.

O matuto vê aquilo, se aproxima e pergunta do policial: “Esse cabra é  perigoso?” O agente da lei replica: ‘É sim, e bota perigoso nisso”. Aí o matuto dá o “bote” final:

“Se é tão perigoso por que não prenderam esse cabra quando fizeram a foto?”.

Inté outro dia, se Deus quiser.....


jlucioalbuquerque@gmail.com

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Três fatos no comentário

Três fatos no comentário

         APOIO AO PAPA - A Rádio Caiari, creio que toda rede católica de rádio esteja fazendo o mesmo, está com uma campanha de apoio ao papa Francisc

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

A Orquestra "Villa \|lobos" de Porto Velho, com apoio do Sicoob, inicia hoje, às 10 horas, com apresentação  especial a crianças e funcionários do hos

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Faleceu na noite de ontem, dia 2 de outubro, o escritor Cláudio Batista Feitosa, membro da Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira número

Há dois anos o melhor historiador e a melhor escola de jornalismo fecharam as portas

Há dois anos o melhor historiador e a melhor escola de jornalismo fecharam as portas

RONDÔNIA PERDE SEU MAIOR HISTORIADOR –o Alto Madeira deixa de circularUma história de amor por Rondônia foi encerrada, mais de 100 anos depois de com