Porto Velho (RO) domingo, 15 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Cheirou a “entrevista chapa branca”...


Cheirou a “entrevista chapa branca”... - Gente de Opinião

Esta semana estava eu esperando o início de uma reunião, sintonizei na CBN local e começou uma entrevista do ministro Gilmar Mendes, STF, feito no estúdio, suspeito que em Brasília, e como tenho interesse no que dizem essas autoridades, ainda que eu tenha restrições a tais, fiquei escutando. Como a reunião demorou acabei indo até ao fim.

Esperei até ao final que um (pelo menos um...) dos três entrevistadores fizesse alguma pergunta sobre o que consta no noticiário sobre o ministro, ou sobre dificuldades que ele e seus pares têm em circular em público, mas fiquei só na vontade de ouvir, apesar de uma recente pesquisa do Datafolha ter anunciado que a confiança do brasileiro no STF estaria em 64%. Bom, quanto à credibilidade no Datafolha nunca é demais lembrar o resultado da eleição de 2018.

Mas, durante todos aqueles minutos, nenhuma pergunta que pudesse levar o ministro a não ter a resposta de imediato. Fiquei assim frustrado. Não que eu esteja dizendo que o ministro tenha culpa em algum cartório ou, melhor dizendo, como o dito popular, “que tenha culpa no cartório”, um dito que, claro, nada tem a ver com qualquer cartório, nem tampouco atribui a quem quer que seja culpabilidade.

Não me incomodei com as respostas do ministro, afinal, pelo que entendi ele limitou-se a responder àquilo que os três entrevistadores perguntaram, então ele agiu certo.

Agora, o que causou incomodação a este velho repórter foi justamente o conjunto das perguntas. Lembrei uma vez que fomos convidados a uma coletiva e lá um conhecido jornalista local tomou conta das perguntas, alegando ter outra pauta, dando ideia a quem tenha um pouco de experiência que eram todas, ou em maioria, encomendadas, como se o próprio entrevistado tivesse recebido antes a lista, selecionado as que queria responder e devolvido a lista ao jornalista.

Até que um de nós decidiu cortar. “Está bom, agora deixa a gente começar a entrevista”. O corte pegou de surpresa o jornalista  e o entrevistado. E foi nesse momento que começamos, eu e os outros, a perguntar, "esquentado", e muito a oitiva.

Voltando à entrevista do ministro Gilmar Mendes, quando deram por encerrada a pauta ficou um sentimento de que era a típica “entrevista chapa branca”, na qual o que menos parecia interessar era aquilo que não estava no script, transformando aquele tempo em rede nacional em algo que tenha deixado frustrado muita gente.

 

PESQUISA

Segundo o site uol, citando como fonte pesquisa do Datafolha, a confiança do povo no STF está em 64%, sendo 18% os que “confiam muito” e 46% os que “confiam um pouco”. Não diz quantos “não confiam” (a notícia não citava os que “não sabem” ou que “não responderam”). Bom, se agregados esses últimos ao "um pouco",  então já seriam 82%, o que isso certamente não iria tirar o sono de qualquer ministro, mas é bom sempre desconfiar de pesquisas feitas pelos grandes (seria melhor usar o termo “mais badalados”) institutos. Especialmente depois das eleições de 2018.

 

A ELEIÇÃO DE 2018 E A IMPRENSA

É o tema da Roda de Conversa que o Sindicato de Jornalistas pretende realizar dia 10 de outubro. Será a primeira da série do projeto “Roda de Conversa”, que o Sinjor vai realizar uma vez a cada mês. Depois do dia 15 serão abertas inscrições no Sinjor. O tema interessa a jornalistas, estudantes e professores de comunicação além de outras áreas.

 

HISTÓRIAS DO LÚCIO

(Da série “Histórias dos meus netos para eles contarem a meus bisnetos”)

 

O BATIZADO DO YAN

Yan Lucas é nosso neto primogênito. Dentro da tradição católica, o Yan foi batizado alguns meses depois de nascer, em 2002. O batizado teve como padrinhos uma das minhas filhas e o marido de uma das irmãs do pai dele, na igreja de São Tiago Maior, depois Basílica de Nossa Senhora Aparecida, na Zona Leste. 

O ato religioso foi presidido pelo padre Enzo, um italiano cujo trabalho representou muito para a melhora da condição social daquela região.

No entanto, um fato acabou gerando uma situação difícil. Padre Enzo fez a imersão do Yan numa espécie de tanque próximo ao altar-mor e a demora foi muito maior do que as de outras crianças.

De repente nossa filha Janaína saiu do banco e foi correndo praticamente retirar, das mãos do sacerdote o nosso neto, que estava até com dificuldade para chorar. Felizmente, sendo profissional de Enfermagem, ela soube agir e, temos certeza, de que mais um pouco poderia ter consequências a demora na imersão.

Inté outro dia, se deus quiser!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Hierarquia é de cima para baixo, e não o contrário

Hierarquia é de cima para baixo, e não o contrário

Censura é uma coisa e hierarquia administrativa é outra

Que tal se portar como presidente?

Que tal se portar como presidente?

Que o presidente Jair Bolsonaro tem realizado trabalhos que valorizam o voto de quem votou nele, disso não há dúvidas, apesar da marcação cerrada e no

Uma data que em muito a ver com Rondônia e mais...

Uma data que em muito a ver com Rondônia e mais...

UMA DATA QUE EM MUITO A VER COM RONDÔNIA1878 – A construtora P. & T. Collins faz circular a primeira locomotiva na Amazônia, num trecho inicial da Mad

Uma semana dando muito o que falar....

Uma semana dando muito o que falar....

Uma semana com notícias diferentes, mas que mostra que neste país é comum deixar seus heróis de lado, ou repetirem casos tipo “uma pessoa que conhec