Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

A ACLER PERDEU UM MEMBRO - A CULTURA AMAZÔNICA MUITO MAIS


A ACLER PERDEU UM MEMBRO - A CULTURA AMAZÔNICA MUITO MAIS - Gente de Opinião
A cultura amazônica, especialmente a cultura do canal do Rio Madeira, perdeu na tarde de sábado, um dos grandes nomes que a região já pariu, com o falecimento do escritor Raimundo Neves de Araújo, humaitaense da gema, poeta cujas composições sempre foram um hino à Amazônia, amante da natureza e de tudo que tivesse a regionalidade.
Com uma dezena de livros publicados, todos sobre lendas, personagens e fatos amazônicos, mas com ligação ao lago Uirapiara, onde nasceu, e a Humaitá, onde viveu e foi sepultado, ele escreveu seu nome dentre os grandes nomes de sua terra, dentre eles o artista plástico Moacyr Andrade, os governadores Plínio Coelho e Álvaro Botelho Maia - interventor do Amazonas, senador várias vezes pelo Estado, e os escritores Almino Afonso - ex-ministro do Trabalho e ex-vice-governador de São Paulo, Antonio Candido e Joaquim Cercino, os três últimos também membros da ACLER. 
Raimundo Neves de Araújo ingressou na ACLER em 2008, na mesma cerimônia em que também ingressei, ele ocupando a cadeira 32, cujo patrono, coincidência ou não, é justamente o Comendador Monteiro - José Francisco Monteiro, que no final do Século XIX criou a cidade de Humaitá e a seguir o primeiro jornal impresso na região do Alto Madeira, o "Humaythaense".
Logo no dia de sua posse  o novo imortal deu mostras de seu nativismo, fazendo uma oração sobre árvores e bichos da região. E nas seguintes sessões da Academia sempre apresentava partes de seu trabalho, com a temática regional, evocando as figuras, as lendas, os costumes e as coisas da região.
Indicado pelo presidente Francisco - Chagoso - das Chagas, com aval do acadêmico José Marini, com os quais fui ao sepultamento, tive a honra de falar, em nome da ACLER, sobre a figura de Raimundo Neves de Almeida.
Lembrei que, como muitos outros, ele se colocou literariamente e como cidadão, muito acima da média. Mais ainda porque, Raimundo, em sua simplicidade com a qual pretendia ocultar o imenso conhecimento amazônico, era uma cultura muito além do que se espera de uma pessoa nascida, criada e, a vida toda, voltada a fazer o que o grande escritor russo León Tolstói propunha, "Antes de pintar o mundo, pinte primeiro a sua aldeia".
E foi por "pintar sua aldeia", como guardião da cultura nossa que viveu, deixando, acima de tudo, o grande exemplo de amor pela terra onde nasceu e que, como ele disse, em uma poesia lida por um dos seus filhos durante o velório, queria ser sepultado, e teve o desejo atendido.
Ao amigo que se foi e que, em momentos importantes quando presidi a ACLER foi um forte esteio que encontrei, o pedido, ao Pai, que ele esteja em um bom lugar - quem sabe? - próximo a Nossa Senhora da Conceição, do qual era fiel devoto.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

Que o presidente Jair Bolsonaro precisa levar uma espécie de “puxão de orelha” em relação a falas fora de tempo, ou permitir que seus filhos interfira

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

Não tenho, nunca tive e nem pretendo ter filiação partidária. Quem me conhece sabe que eu nunca me posicionei a favor de Lula (até quando encaro um pr

O Hino Nacional e o constrangimento - DIREITOS....DIREITOS....

O Hino Nacional e o constrangimento - DIREITOS....DIREITOS....

VOLTANDOAlgumas pessoas perguntaram o que aconteceu porque andei sumido quase 3 meses. Tirei uma espécie de férias forçadas. Deixa pra lá, já estou me

COISAS DE (quando eu era) CRIANÇA (I) - Lúcio Albuquerque, repórter

COISAS DE (quando eu era) CRIANÇA (I) - Lúcio Albuquerque, repórter

Naquele tempo pouca gente tinha rádio em Porto Velho - conforme contaram, e contam, moradores antigos, como dona Labibe Bartholo e seu filho Walter, o