Porto Velho (RO) quinta-feira, 15 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Luciana Oliveira

Oito candidatos eleitos, a maioria deles mulheres democratas, fazem história nas legislativas deste ano


Oito candidatos eleitos, a maioria deles mulheres democratas, fazem história nas legislativas deste ano - Gente de Opinião

A diversidade foi uma das ganhadoras indiscutíveis da eleição desta terça-feira, 6, nos Estados Unidos. Nunca tantas mulheres haviam concorrido ao Congresso e esse aumento no número de candidatas se refletiu nos resultados. Mas não foram só elas que fizeram história. As minorias conseguiram feitos como a eleição das duas primeiras congressistas indígenas e do primeiro candidatado abertamente homossexual. Como resultado, o novo Congresso será o mais representativo até hoje. Das candidaturas que mais prometiam romper com o status quo, essas são as que chegaram lá:

Alexandria Ocasio-Cortez, a mulher mais jovem. Com 29 anos, ela conseguiu se transformar na mulher mais jovem a entrar no Congresso. A estrela democrata das legislativas ganhou por ampla vantagem no 14° distrito de Nova York. Há exatamente um ano era garçonete em um restaurante mexicano e hoje é uma das figuras emergentes mais relevantes do Partido Democrata. A latina do Bronx conseguiu vencer o republicano Anthony Papas sem dificuldade, apesar de não ter passado político e o apoio de grandes poderes financeiros.

Jared Polis, o primeiro governador homossexual. O político, empresário e filantropo, ao contrário de Ocasio, tinha um grande orçamento e de seu próprio bolso. O democrata do Colorado conseguiu ser o primeiro governador abertamente homossexual dos Estados Unidos. Polis, de 44 anos, tem um patrimônio líquido estimado em quase 400 milhões de dólares (1,5 bilhão de reais). O governador democrata de Nova Jersey, Jim McGreevy, eleito em 2001, se declarou homossexual enquanto ocupava o cargo.

Deborah Haaland e Sharice Davids, as primeiras indígenas. As americanas nativas conseguiram algo inédito. O Congresso nunca teve uma indígena entre seus representantes em seus mais de 230 anos de história e nessa eleição duas conseguiram entrar. Uma delas é Deborah Haaland, a nova legisladora do Novo México. Haaland, de 57 anos, pertence à tribo de Pueblo de Laguna, uma das 566 reconhecidas legalmente no país. Com uma vitória que chegou aos 60% dos votos, a democrata deu um passo à frente na política após quase duas décadas nos bastidores. A outra é Sharice Davids, democrata pelo Kansas, que é a primeira mulher nativa e abertamente lésbica a chegar a uma das Câmaras. A votação de 53% que recebeu permitiu à advogada entrar triunfalmente em Washington. 

Rashida Tlaib e Ilhan Omar, as primeiras muçulmanas. As muçulmanas, que nunca haviam sido representadas, também obtiveram uma vitória dupla. A democrata Rashida Tlaib, filha de pais imigrantes palestinos, venceu em Michigan. Mesmo sem oponente porque os republicanos não apresentaram candidato, o mérito da advogada de 42 anos é histórico, entre outras coisas, por romper com o establishment instalado em seu próprio partido. Ilhan Omar, muçulmana, também se transformou na primeira legisladora norte-americana de origem somali. A democrata de 33 anos fugiu com sua família da guerra da Somália, viveu quatro anos em um campo de refugiados no Quênia e chegou aos Estados Unidos quando tinha 12.

Ayanna Pressley, a primeira congressista negra de Massachusetts. Outra candidata que tinha a vitória certa por não ter concorrência. Pressley, oriunda de Chicago, é a primeira legisladora negra de Massachusetts. Pertence à ala progressista do Partido Democrata e foi a grande surpresa das primárias ao desbancar Michael Capuano, um político com 20 anos de experiência no Congresso. Foi vítima de assédio sexual quando era criança e aos 19 anos. “Nenhum de nós disputou para fazer história. Disputamos para fazer uma mudança”, disse Pressley nesta terça-feira em seu discurso de agradecimento.

Marsha Blackburn, primeira senadora no Tennessee. A republicana é a primeira senadora eleita no Tennessee. Blackburn, de 66 anos, esteve no olho do furacão durante a nomeação do juiz do Supremo Tribunal Brett Kavanaugh, a quem apoiou apesar da polarização social em seu Estado sobre o assunto. Apoia a construção do muro na fronteira com o México, as leis anti-imigração de Trump e a punição aos jogadores da liga de futebol americano que se ajoelharem durante o hino. O pedido de Taylor Swift para que os eleitores não votassem nela não funcionou, já que venceu seu concorrente por mais de 10 pontos.

Veronica Escobar e Sylvia Garcia, as primeiras legisladoras latinas do Texas. As duas democratas conseguiram vitórias esmagadoras. Dessa forma, representarão o Texas na Câmara de Representantes dos Estados Unidos. Ainda que os latinos sejam quase 40% da população do Estado, os texanos nunca haviam eleito uma mulher latina ao Congresso.Um dos favoritos da lista era o candidato democrata Andrew Gillum, que pretendia se transformar no primeiro governador negro da Flórida, mas perdeu por quase quatro pontos de diferença para o republicano Ron DeSantis.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luciana Oliveira

DECLARAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PÚBLICA DE CUBA

DECLARAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PÚBLICA DE CUBA

As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis

Impunidade dos crimes da ditadura abriu brechas para o retrocesso atual

Impunidade dos crimes da ditadura abriu brechas para o retrocesso atual

Para piorar, as Forças Armadas não abriram seus arquivos, além de afirmarem que muitos foram destruídos. Nem sequer é considerada a possibilidade de

O sombrio prognóstico das medidas de Bolsonaro para a segurança

O sombrio prognóstico das medidas de Bolsonaro para a segurança

“No Brasil, previsão de banho de sangue.” A manchete estampada na capa da edição internacional do New York Times de 2 de novembro, Dia de Finados, a

Descobrimos 46 registros de estrupos em Uber, táxis e 99 -  Números denunciados a polícia podem ser bem maiores

Descobrimos 46 registros de estrupos em Uber, táxis e 99 - Números denunciados a polícia podem ser bem maiores

 No The Intercept – ROSANA GONÇALVES não dirige. Ela dá aulas de manhã, à tarde e à noite em um colégio de Osasco, na grande São Paulo. Era uma quar