Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Luciana Oliveira

Especialistas dizem que discurso pró-arma é gatilho para tragédias como a de Suzano


Especialistas dizem que discurso pró-arma é gatilho para tragédias como a de Suzano - Gente de Opinião

 A polícia ainda não sabe como os adolescentes tiveram acesso à arma de fogo

Carta Capital – Um ataque feito por dois jovens na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), na manhã desta quarta-feira 13, deixou dez mortos. Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, entraram no pátio do colégio atirando. Portavam um revólver, faca, machadinhas e uma besta (uma espécie de arco e flecha). Ambos cometeram suicídio após a ação.

A polícia ainda não sabe como os adolescentes tiveram acesso à arma de fogo. Horas antes do atentado, Guilherme publicou nas redes sociais várias fotos em que aparece mascarado e empunhando um revólver. Ele usava o mesmo acessório e arma quando foi encontrado morto no chão do colégio.


O ADOLESCENTE GUILHERME TAUCCI MONTEIRO: EXALTAÇÃO BÉLICA NAS REDES SOCIAIS (REPRODUÇÃO/FACEBOOK)

Para o diretor executivo do Instituto Sou da Paz, Ivan Marques, o acesso às armas é um fator fundamental para entender essa tragédia. “Não apenas para trazer respostas ao caso em si. Também pode ajudar o Poder Público a romper um ciclo de violência causado por armas nas mãos de pessoas que estão dispostas a cometer esse tipo de crime”, avalia.

Para o especialista, esse olhar é fundamental sobretudo em tempos de exaltação armamentista, estimulada pelo governo Bolsonaro, que culminou na flexibilização do Estatuto do Desarmamento. pela crença de que as armas podem reduzir a criminalidade. “Isso gera um maior fluxo de armas em circulação e, em médio e longo prazo, os resultados serão muito ruins. Mesmo armas legais podem se voltar contra a sociedade”, avalia Ivan.

O caso desta quarta-feira acende ainda outro alerta, pois o revólver estava na mão de jovens. “Ninguém consegue frear a curiosidade de uma criança ou adolescente diante de uma arma de fogo. Ela está na vida das pessoas, está nos filmes, novelas, brinquedos. O maior fluxo de armas dentro das residências gera mais mortes”, completa.

Guerra de narrativas

Aliados do presidente tem tratado o caso como exemplo de falência da política desarmamentista. O senador Major Olímpio (PSL) sugeriu que os professores entrem em sala armados. Já o vice-presidente Hamilton Mourão atribuiu a tragédia à predileção de adolescentes por jogos violentos, minimizando a relação com política. “Vai dizer que a arma que os caras estavam lá era legal? Não era. Não tem nada a ver, né?”, disse a jornalistas em Brasília.

Para Michele dos Ramos, assessora especial do Instituto Igarapé, os mandatários ignoram questões essenciais para entender – e combater – essas tragédias. “Falar sobre controle de armas é falar também sobre uma política que evite que armas legais sejam utilizadas em crimes como esse.”

Um dos caminhos é aperfeiçoar o rastreio de armas e de munições. As balas e cartuchos, ainda hoje, não têm qualquer registro. Dessa forma, é mais difícil descobrir que as balas usadas em um crime foram compradas por um cidadão comum ou adquiridas ilegalmente.

Se o governo trata as armas como solução para problemas coletivos, diz ela, não demora para que elas sejam encaradas também como cura para dramas individuais. “É um passo pequeno, e muito perigoso. Mais ainda nesse momento de ‘nós contra eles’, de defesa de políticas que ignoram evidências científicas.”

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luciana Oliveira

Ambientalistas criticam deputado federal Kataguiri por PL que muda licenciamento ambiental

Ambientalistas criticam deputado federal Kataguiri por PL que muda licenciamento ambiental

Deputado do DEM é relator de projeto que flexibiliza emissão de licenças; ‘Deixou-se de lado o equilíbrio e o consenso para dar lugar a entendimentos

Observatório da violência contra os povos indígenas no Brasil

Observatório da violência contra os povos indígenas no Brasil

Caci, sigla para Cartografia dos Ataques Contra Indígenas, é uma plataforma que mapeia os assassinatos de indígenas no Brasil nas últimas décadas. A p

Reunião que inclui a participação de nossos ‘parentes’ no grande BAZAR DA SOLIDARIEDADE.

Reunião que inclui a participação de nossos ‘parentes’ no grande BAZAR DA SOLIDARIEDADE.

Vai ter artesanato, pintura, exposição, muita cultura indígena.

Rondônia: Aumentam invasões e perigo de conflito armado em terras indígenas

Rondônia: Aumentam invasões e perigo de conflito armado em terras indígenas

Voltamos ao território indígena Uru Eu Wau Wau, onde invasores se atrevem cada vez mais e dizem agir por estímulo dos discursos do presidente Jair B